F1: Equipes enfrentam novos desafios de pneus para GP da França; entenda

FIA introduz novas verificações nos pneus para garantir que equipes não estejam correndo com pressões muito baixas

F1: Equipes enfrentam novos desafios de pneus para GP da França; entenda

Com a investigação da Pirelli sobre as falhas sofridas por Lance Stroll e Max Verstappen no GP do Azerbaijão concluindo que a forma como os pneus foram utilizados desencadeou os incidentes, o fornecedor de pneus da Fórmula 1 e a FIA trabalharam em novos protocolos, segundo apurado pelo Motorsport.com.

Em meio às preocupações de que as equipes possam estar usando os pneus abaixo das pressões mínimas recomendadas pela Pirelli, novos procedimentos foram acordados que devem anular esse comportamento.

Leia também:

Em uma diretriz técnica enviada às equipes antes da corrida de Paul Ricard, a FIA lembrou às equipes que era sua responsabilidade garantir que a pressão dos pneus estivesse acima das estipuladas nas prescrições estabelecidas pela Pirelli.

No entanto, foi aceito que atualmente não há como policiar as pressões de funcionamento de maneira confiável porque os pneus não podem ser verificados quando o carro está na pista.

Embora as equipes tenham seus próprios sensores e dados para monitorar a pressão dos pneus, esses sistemas não são confiáveis ​​o suficiente e os dados não são robustos o suficiente para serem evidências estabelecidas de violações de regras.

Portanto, em uma tentativa de confirmar se as equipes estão mantendo a pressão dos pneus de maneira satisfatória, os pneus agora serão verificados depois de serem usados ​​nos carros.

Os sets serão selecionados aleatoriamente nas sessões de treinos e classificação, enquanto todos os conjuntos de corrida serão verificados após o uso.

Os pneus que passarão por testes terão selos adicionados para garantir que as equipes não possam mudar as pressões antes das verificações.

A FIA estabeleceu procedimentos para as verificações da pressão a frio e eles devem estar de acordo com uma estimativa da Pirelli de que ela acredita que os pneus devem ser deixados.

Se forem encontradas válvulas com defeito ou outros problemas que levam a uma verificação insatisfatória, uma verificação de reaquecimento será permitida.

Outras verificações com câmeras infravermelhas também estão sendo introduzidas nas temperaturas dos pneus para garantir que as equipes não os estejam superaquecendo em seus cobertores em uma tentativa de aumentar a pressão antes das verificações.

Onde anteriormente as equipes apenas tinham que cumprir as pressões iniciais mínimas dos pneus, agora a necessidade de passar nas verificações pós-corrida significa que eles não serão capazes de usar pneus de forma consistente abaixo dos números de orientação da Pirelli. Isso é especialmente importante em corridas em que os pneus são utilizados em uma distância maior, portanto, há mais espaço para brincar na redução das pressões.

As novas verificações da FIA vêm antes de um novo sistema ser implementado para 2022, em que a F1 está introduzindo dispositivos de monitoramento de temperatura e pressão dos pneus padrão obrigatórios que darão à FIA e à Pirelli a percepção exata de que precisam para avaliar melhor as condições de funcionamento dos pneus.

Em uma recente alteração aos regulamentos técnicos de 2022, o Artigo 10.7.3 declara: "Todos os carros devem estar equipados com sensores de monitoramento de temperatura e pressão dos pneus que foram fabricados por um fornecedor designado pela FIA de acordo com uma especificação determinada pela FIA.”

"Os aros das rodas e os sensores de pressão e temperatura dos pneus devem ser marcados de acordo com o esquema de marcação e coloração dos cantos definido no Apêndice do Regulamento Técnico e Desportivo."

Hamilton se diz ANIMADO em 2021; seria VERSTAPPEN o MOTIVO? Entenda

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Qual é o tamanho do 'drama' de Bottas e Mercedes em 2021?

 

compartilhar
comentários
F1: Prost não se surpreende que Alonso precise de tempo para readaptação
Artigo anterior

F1: Prost não se surpreende que Alonso precise de tempo para readaptação

Próximo artigo

F1: Red Bull e Aston Martin se defendem de alegações sobre mascarar pressão dos pneus

F1: Red Bull e Aston Martin se defendem de alegações sobre mascarar pressão dos pneus
Carregar comentários