F1 precisa de carros para correr na chuva no futuro, diz Todt

Presidente da FIA e ex-piloto Gerhard Berger falaram sobre situação vivida no GP da Bélgica

F1 precisa de carros para correr na chuva no futuro, diz Todt

A próxima geração de carros da Fórmula 1 deve ser projetada para correr na chuva para evitar uma repetição do GP da Bélgica, disse o presidente da FIA, Jean Todt.

A corrida do mês passado em Spa-Francorchamps teve que ser abandonada após três voltas atrás de um safety car porque as condições não eram boas o suficiente para permitir que a atual geração de carros corresse.

Leia também:

Os altos níveis de downforce, além de pneus mais largos, significam que mais spray é lançado no ar em corrida com piso molhado, e isso torna a visibilidade muito ruim.

Todt acha que o assunto precisa ser tratado no futuro e calcula que quando a próxima grande revisão das regras for planejada - provavelmente coincidirá com unidades de força totalmente novas de 2025 - que o funcionamento em tempo úmido precisa ser levado em consideração.

“Muitos criticaram o que foi decidido em Spa [por não correr], mas o que teria acontecido se, após a largada, tivéssemos visto um acidente com dez carros com pilotos feridos ou pior”, explicou Todt.

“Nós teríamos sido massacrados. E mesmo sem lesões teríamos sido criticados.”

“Para os regulamentos de 2025, devemos pensar em ter carros que possam ser guiados mesmo na chuva.

“Você se lembra de [Niki] Lauda em Fuji em 1976? Ele foi o único dos pilotos a desistir de correr na chuva. Hoje, todo piloto pensa como Lauda pensava então.”

O fracasso da F1 em seguir em frente com o GP da Bélgica causou alguma controvérsia, especialmente com a forma como os pontos foram distribuídos, apesar do fato de nenhuma volta real em velocidade de corrida ter sido completada.

Gerhard Berger acreditava que a F1 tinha que fazer uma escolha entre nunca correr na chuva ou seguir em frente quando as condições não são as ideais.

“Para ser honesto, não tenho simpatia por isso”, disse ele sobre as consequências de Spa. “Minha opinião é: você tem que decidir de antemão se quer fazer corridas na chuva ou não. Nos EUA [em ovais], eles decidiram não fazer corridas com chuva, o que é bom e todo mundo sabe disso.”

“Mas a Fórmula 1 costuma ter e também corremos na chuva no DTM. O automobilismo é perigoso e sim, é difícil em termos de visibilidade, mas se você decidir a favor de corridas com chuva, então é com isso que você tem que lidar.”

“Quando está escorregadio ou quando tem muita água, basta diminuir a velocidade. Isso faz parte do nosso jogo.”

“Talvez no final, tenha sido muito ruim em Spa, mas no começo eu não vi nenhuma razão para que não houvesse uma corrida no molhado.

“Começar atrás do safety car é a mesma coisa para mim. Eu não concordo. Você devia ter largadas paradas também na chuva. Para mim, isso é menos perigoso quando você se aproxima da primeira curva com menos velocidade. Com largada em movimento, você tem mais água e menos visibilidade.

“Basta dar duas voltas atrás do safety car e depois a largada parada.”

Saiba como F1 na BAND vem AMEAÇANDO GLOBO e quais GPs de MAIOR e MENOR audiência em 2021

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Caótico GP da Itália acirra ainda mais rivalidade Hamilton x Verstappen na F1

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
RETA FINAL: Verstappen x Hamilton preocupa associação e a 'prévia' do GP da Rússia

Artigo anterior

RETA FINAL: Verstappen x Hamilton preocupa associação e a 'prévia' do GP da Rússia

Próximo artigo

Ultrapassagens, percepção, atenção: Prost analisa por que muitos preferem a F1 do passado

Ultrapassagens, percepção, atenção: Prost analisa por que muitos preferem a F1 do passado
Carregar comentários