Wolff: F1 não pode descartar novas batidas entre Hamilton e Verstappen

Chefe da Mercedes ainda disse que Hamilton não causou deliberadamente a batida, afirmando que o heptacampeão não precisa se provar a ninguém

Wolff: F1 não pode descartar novas batidas entre Hamilton e Verstappen

A colisão entre Lewis Hamilton e Max Verstappen em Silverstone se tornou um ponto focal da disputa pelo título da Fórmula 1 em 2021, após a Red Bull e o holandês não pouparem críticas aos rivais da Mercedes. E Toto Wolff acredita que não é possível ainda descartar mais batidas entre os dois se a dupla não retomar a rivalidade de modo 'desportivo'.

Antes do que promete ser um intenso GP da Hungria neste fim de semana, com os pilotos se encontrando pela primeira vez desde a batida, Wolff aceita a possibilidade de que novos incidentes sejam possíveis.

Leia também:

Ele não tem dúvidas de que os acontecimentos do GP da Grã-Bretanha tenham elevado a rivalidade entre Hamilton e Verstappen a um novo nível, e isso torna difícil prever o que pode acontecer.

Falando com o Motorsport.com sobre como ele imagina o desenvolvimento da batalha entre os pilotos, Wolff disse: "Acho que a intensidade aumentou desde Silverstone. Certamente não será a última vez que eles lutam por posições e, com sorte, façam isso de modo desportivo. Se não, veremos novas colisões".

Hamilton e Verstappen estiveram envolvidos em diversas batalhas ao longo da temporada 2021 até aqui, mas Silverstone foi a primeira vez em que tivemos contato de fato entre eles.

Wolff acredita que, no passado, Hamilton havia optado por evitar problemas, porque sempre pensou na disputa a longo prazo, enquanto em Silverstone ninguém quis ceder ao outro.

"Acho que parte do sucesso de Hamilton não se deve apenas a suas habilidades de corrida, mas também por sua maturidade. Estratégia de longo prazo é importante para vencer campeonatos, porque você precisa pontuar".

"Chegou a uma situação em que ceder posição de pista era parte do padrão das corridas anteriores. Desta vez, ninguém cedeu e acabamos com uma colisão pesada".

Mas Wolff garante que Hamilton não causou deliberadamente o acidente para provar um ponto.

"Acho que ele está muito além de provar um ponto. Ele é um cara que venceu 99 corridas e é heptacampeão mundial. Não há nada mais que Hamilton precise provar a qualquer um".

Wolff sabe bem como é ter que lidar com a repercussão de batidas, com Nico Rosberg tendo seus problemas com Hamilton no passado. Mas a situação atual é bem diferente, já que são pilotos de equipes diferentes.

Perguntado se neste caso é mais fácil ou difícil de lidar, Wolff disse: "Os externos são fáceis de lidar. Essa ainda está longe da polêmica que tínhamos dentro da equipe".

"Estes são muito difíceis de lidar porque você precisa de ambos os pilotos com a cabeça no lugar para vencer o Mundial de Construtores e pilotar respeitando os valores da equipe e a sagrada marca Mercedes".

"A luta externa, é como a F1 sempre viu e não é algo difícil de lidar".

Porém, o fato é que, com outra equipe, existe uma incerteza maior sobre o desenvolvimento da situação.

"Você tem ferramentas para jogar panos quentes dentro da equipe se uma rivalidade desse tamanho surgir. Mas competindo com outra equipe, coisas que precisam acontecer, acontecerão. E não temos um julgamento particular sobre o que acontecerá neste estágio".

CLIMA DE GUERRA: Max Wilson teme CONSEQUÊNCIA do acidente de Hamilton e Verstappen para F1; entenda

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Como fica o campeonato após guerra declarada entre Verstappen e Hamilton?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
ANÁLISE F1: Quanto as equipes poderão inovar nos designs dos carros de 2022?

Artigo anterior

ANÁLISE F1: Quanto as equipes poderão inovar nos designs dos carros de 2022?

Próximo artigo

F1: McLaren diz que "não é irreal" que Norris mire terceiro lugar no Mundial, mas mantém pés no chão

F1: McLaren diz que "não é irreal" que Norris mire terceiro lugar no Mundial, mas mantém pés no chão
Carregar comentários