Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
23 dias
06 mai
Próximo evento em
65 dias
20 mai
Próximo evento em
79 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
93 dias
10 jun
Próximo evento em
100 dias
24 jun
Próximo evento em
114 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
121 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
135 dias
29 jul
Próximo evento em
149 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
177 dias
02 set
Próximo evento em
184 dias
09 set
Próximo evento em
191 dias
23 set
Próximo evento em
205 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
212 dias
07 out
Próximo evento em
219 dias
21 out
Próximo evento em
233 dias
28 out
Próximo evento em
240 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
276 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
285 dias

Análise: Carro movido a hidrogênio pode ser a solução para F1?

Jonathan Noble esmiúça possibilidade de novo combustível chegar à maior categoria do automobilismo mundial em médio e longo prazo

compartilhar
comentários
Análise: Carro movido a hidrogênio pode ser a solução para F1?

Discussões recentes sobre a direção que a Fórmula 1 deve seguir com seus motores a longo prazo tendem a se concentrar em duas opções claras.

De um lado, está o compromisso com os híbridos (um motor de combustão interna com bateria extra) aliado a uma pressão por um combustível mais sustentável. Esta é a opção que F1 escolheu.

Leia também:

Então, tem-se falado muito sobre ser totalmente elétrico mais adiante. Mas o fato de que a tecnologia de energia da bateria não pode impulsionar um carro de corrida de 300 km/h que rode sem parar por duas horas, aliado ao contrato de exclusividade de 25 anos da F-E, significa que essa é uma ideia fora de questão.

Mas há uma terceira opção que borbulha silenciosamente em segundo plano.

E embora a tecnologia seja um pouco prematura para o próximo ciclo de regras de motor de F1 a partir de 2025, é definitivamente algo que poderia ser uma consideração séria na próxima década. O hidrogênio.

O anúncio esta semana de que a Red Bull Advanced Technologies irá colaborar no design do conceito de chassi para um carro esportivo de Le Mans movido a hidrogênio reacendeu o interesse no assunto - e despertou alguns pensamentos novos sobre se seria viável para a F1.

A Red Bull trabalhará com a ORECA na criação do que é conhecido como o conceito H24 - que visa operar uma classe de carros movidos a hidrogênio nas 24 Horas de Le Man de 2024.

Se os planos ambiciosos forem bem-sucedidos, isso abrirá um mundo de oportunidades na criação de carros de corrida de alto desempenho que produzem poluição zero. Na verdade, o único subproduto do carro é o vapor d'água.

O conceito de carro H24 é sério. O carro tem como objetivo atingir os níveis de desempenho do GT3 em sua encarnação inicial.

Terá como objetivo produzir 550kw (cerca de 730cv) a 17.000 rpm, atingindo uma velocidade máxima de 300km/h.

Sua aceleração de 0 a 100km/h será de cerca de 3,4 segundos - o que se compara aos 2,3 segundos da F1 e 2,8 segundos da F-E. Leve em consideração, entretanto, que o carro H24 é muito mais pesado.

O motor será de acionamento direto, o que significa que não haverá mudança de marcha, sem embreagens e sem diferencial.

E o tanque de combustível de 8,6 kg, onde o hidrogênio é armazenado a 700 bar, pode ser totalmente abastecido em três minutos. Espera-se que um tanque cheio possa alimentar o carro por cerca de 45 minutos.

Em termos de desempenho, a primeira versão claramente não terá o nível de desempenho que a F1 exige, mas marcaria um primeiro passo no caminho para melhorar a tecnologia para que ela pudesse atender às necessidades de corrida de um GP a longo prazo.

Isso significa não apenas avançar no ritmo, mas também o quão longe o carro pode correr. Um pit stop de três minutos para encher o tanque não é muito F1...

Embora o hidrogênio ainda tenha um longo caminho a percorrer no momento, definitivamente há interesse dos fabricantes em torno do conceito.

Enquanto grandes fabricantes de automóveis como a Mercedes estão se comprometendo agora com futuros elétricos, no ano passado o CEO Ola Kallenius falou sobre a atração dos motores a hidrogênio - que eram atualmente mais adequados para veículos comerciais maiores.

“É uma daquelas tecnologias em direção a um futuro neutro de CO2 em que estamos trabalhando - e estamos trabalhando nisso há 25 anos”, disse ele.

“Vamos primeiro, em termos de implantação no carro de rua, nos caminhões mais pesados ​​e em algumas aplicações de ônibus, mas não funcionará a menos que você eventualmente tenha hidrogênio verde para acompanhar.”

Essa conversa de hidrogênio que foi produzido de forma limpa é interessante, porque essa é uma área de especialidade da co-proprietária da Mercedes, a INEOS.

O presidente da empresa química, Jim Ratcliffe, diz que a produção de hidrogênio é algo em que sua empresa era líder de mercado: portanto, pode ser um ótimo caminho para a F1.

“Quão relevante será a longo prazo para a Fórmula 1, eu não sei, mas se você olhar para a economia do hidrogênio na INEOS, provavelmente somos o maior produtor de hidrogênio na Europa”, disse ele.

“Somos líderes em tecnologia para o futuro de produção de hidrogênio a partir da água, que é um processo de eletrólise. Você pega a molécula de água, a divide com eletricidade, e a INEOS é maior nesse jogo na Europa do que qualquer outro.”

Transformar água em combustível para alimentar um carro, cujo único subproduto é mais água, parece algo incrível para o automobilismo sustentável.

Mas, além do idealismo, em termos práticos, há grandes obstáculos a serem superados.

Em primeiro lugar, a tecnologia precisará garantir os níveis de desempenho da F1 se quisermos ter uma esperança realista de obter a aprovação dos híbridos.

Então, mesmo que as unidades de energia a hidrogênio obtenham tal desempenho na próxima década, haverá custos.

Uma das realidades que a F1 precisa abordar, e se equivocou com as regras híbridas atuais, foi focar apenas na tecnologia em si, ao invés de algumas considerações do mundo real, como o dinheiro que os fabricantes precisam ganhar para serem competitivos.

Esse é um fator que o CEO da F1, Stefano Domenicali, citou recentemente ao falar sobre potenciais regulamentos futuros para motores e atração de fabricantes.

“Acho que a Fórmula 1 tem um grande futuro para mostrar que não existe apenas eletrificação no mundo automotivo”, disse ele à Sky.

“Acho que a hibridização é um grande caminho e terá um grande futuro, e a Fórmula 1 tem que usar isso para garantir que os fabricantes vão investir, para mostrar que existe essa forma de ser sustentável de uma forma diferente.”

“Isso é algo que quero focar a atenção das equipes e dos fabricantes para o futuro, com grande atenção nos custos. O erro que foi cometido no passado estava relacionado a colocar apenas a tecnologia no topo da prioridade, e não o custo.”

Por enquanto, o hidrogênio não é a resposta para F1. Em vez disso, seu plano para um híbrido com combustível sustentável é aquele que preenche as necessidades das equipes, fabricantes e patrocinadores.

Mas mesmo antes de a próxima geração de motores híbridos de F1 entrar em cena no início da temporada de F1 de 2025, Le Mans 2024 poderá nos oferecer um vislumbre de como será o futuro do esporte a longo prazo.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

LECLERC detalha como PILOTOS trabalham componente FUNDAMENTAL em um carro de F1

PODCAST: Vettel, Alonso, Ricciardo, Pérez ou Sainz? Quem entra em 2021 mais pressionado?

 

Podcast #086 - Vettel, Alonso, Ricciardo, Pérez ou Sainz? Quem entra em 2021 mais pressionado?

Artigo anterior

Podcast #086 - Vettel, Alonso, Ricciardo, Pérez ou Sainz? Quem entra em 2021 mais pressionado?

Próximo artigo

F1: Sainz faz sua estreia com Ferrari nos testes de Fiorano a bordo do carro de 2018

F1: Sainz faz sua estreia com Ferrari nos testes de Fiorano a bordo do carro de 2018
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble