Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
62 dias
06 mai
Próximo evento em
104 dias
20 mai
Próximo evento em
118 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
132 dias
10 jun
Próximo evento em
139 dias
24 jun
Próximo evento em
153 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
160 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
174 dias
29 jul
Próximo evento em
188 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
216 dias
02 set
Próximo evento em
223 dias
09 set
Próximo evento em
230 dias
23 set
Próximo evento em
244 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
251 dias
07 out
Próximo evento em
258 dias
21 out
Próximo evento em
272 dias
28 out
Próximo evento em
279 dias
05 nov
Próximo evento em
287 dias
R
GP da Austrália
18 nov
Próximo evento em
300 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
315 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
324 dias
Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: asas dianteiras e bicos da Fórmula 1 em 2019

compartilhar
comentários
Análise técnica: asas dianteiras e bicos da Fórmula 1 em 2019
Por:
, Especialista
Co-autor: Matthew Somerfield
Traduzido por: Vital Neto

Mago do desenho técnico do Motorsport.com, Giorgio Piola compara atualizações das equipes na primeira metade do ano

Depois de metade da temporada 2019 da Fórmula 1, já é possível avaliar as atualizações das equipes ao longo do ano, e algumas delas foram significativas. Para entendermos melhor essas mudanças, o mago do desenho técnico do Motorsport.com, Giorgio Piola, lança seu olhar sobre tudo, a começar pelas asas dianteiras e pelos bicos dos tecnológicos carros do atual campeonato.

Leia também:

O regulamento aerodinâmico de 2019 deu algumas possibilidades para as escuderias, que acabaram focando em duas abordagens aerodinâmicas muito diferentes para projetar as asas e os bicos de seus monopostos. Entenda na galeria abaixo:

Alfa Romeo Racing C38

Alfa Romeo Racing C38
1/15

Foto de: Giorgio Piola

A Alfa Romeo optou por uma solução mais agressiva, adotando o que foi chamado de design leve, uma solução parecida com as usadas pela Ferrari e pela Toro Rosso. Essa asa frontal com menor carga possui uma forma de aba que segue até a base da placa final, que é curvada para fora, oferecendo um caminho diferenciado para o fluxo de ar, que viaja ao redor das rodas frontais.

Ferrari SF90: detalhe da asa usada no Azerbaijão

Ferrari SF90: detalhe da asa usada no Azerbaijão
2/15

Foto de: Giorgio Piola

A interpretação da Ferrari dessa asa frontal ‘leve’ adotou uma forma mais curvilínea, terminando um pouco mais no alto do que a da Alfa Romeo em relação à placa final, que expulsa o ar para fora.

Mercedes-AMG F1 W10

Mercedes-AMG F1 W10
3/15

Foto de: Giorgio Piola

Enquanto isso, times como a Mercedes optaram por um design de maior carga aerodinâmica, chamado de ‘pesado’, com toda a extensão da asa sendo utilizada. Nessa primeira versão que a Mercedes usou na pré-temporada, a placa final acaba dentro da borda, forçando o ar para dentro e para cima, não para as laterais.

Mercedes-AMG F1 W10: nova asa

Mercedes-AMG F1 W10: nova asa
4/15

Foto de: Giorgio Piola

É uma solução que foi rapidamente abandonada, com mudanças feitas não apenas na orientação da placa final, mas na atualização subsequente em que a equipe utilizou um recorte no quarto traseiro superior da placa final. A ideia foi criar um vórtice semelhante ao modelo anterior, mas distribuindo melhor o ar.

Renault R.S.19 vs Alfa Romeo C38

Renault R.S.19 vs Alfa Romeo C38
5/15

Foto de: Giorgio Piola

Incapazes de usar a parafernália aerodinâmica do passado para desviar o ar em torno da roda dianteira, os designers tentaram usar truques menores. No caso de Alfa e Renault, pode-se ver as aletas que desviam o fluxo, mas com efeito menor.

Mercedes W10

Mercedes W10
6/15

Foto de: Giorgio Piola

A equipe continuou a fazer pequenas mudanças na asa dianteira, com novos componentes tendo sido analisados pela FIA. O time teve que fazer ajustes para usar as novidades.

Mercedes AMG F1 W10

Mercedes AMG F1 W10
7/15

Foto de: Giorgio Piola

Um dos pontos de análise foi a parte de cima da lateral da asa. A FIA pediu para a Mercedes suavizar o design, de modo a evitar que as outras equipes usassem soluções ainda mais agressivas.

Mercedes W10

Mercedes W10
8/15

Foto de: Giorgio Piola

O flap superior da asa também foi alterado a pedido da FIA.

McLaren MCL34

McLaren MCL34
9/15

Foto de: Giorgio Piola

A equipe britânica usou uma solução mais 'pesada', mas suavizou o design na Espanha.

Red Bull Racing RB15, asa do GP da Áustria

Red Bull Racing RB15, asa do GP da Áustria
10/15

Foto de: Giorgio Piola

A Red Bull continuou firme com seu conceito de alta pressão aerodinâmica, com uma pequena alteração a partir da França.

Racing Point RP19

Racing Point RP19
11/15

Foto de: Giorgio Piola

No GP da Canadá, a Racing Point diminuiu a superfície para alterar o vórtice do fluxo de ar.

Alfa Romeo C38, GP da Alemanha

Alfa Romeo C38, GP da Alemanha
12/15

Foto de: Giorgio Piola

De forma similar, a Alfa buscou ganhos com o redesenho da parte de fora da asa a partir da etapa da Grã-Bretanha, alterando o design na parte inferior, com a adição de uma ranhura.

Racing Point RP19

Racing Point RP19
13/15

Foto de: Giorgio Piola

A Racing Point também teve uma atualização no Canadá.

Renault F1 Team R.S.19

Renault F1 Team R.S.19
14/15

Foto de: Giorgio Piola

A Renault optou por introduzir uma nova aleta no bico em sua corrida local, na França.

Red Bull Racing RB15

Red Bull Racing RB15
15/15

Foto de: Giorgio Piola

A RBR adotou um caminho diferente, mas também mexeu no seu bico, alterando a 'grade' da entrada de ar.
Lotus 97T de 1985: o carro mais bonito da história da Fórmula 1

Artigo anterior

Lotus 97T de 1985: o carro mais bonito da história da Fórmula 1

Próximo artigo

VÍDEO: As 10 maiores ultrapassagens da temporada 2019 da F1

VÍDEO: As 10 maiores ultrapassagens da temporada 2019 da F1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Giorgio Piola