Fórmula 1
R
GP da Austrália
12 mar
-
15 mar
Próximo evento em
49 dias
19 mar
-
22 mar
Próximo evento em
56 dias
02 abr
-
05 abr
Próximo evento em
70 dias
16 abr
-
19 abr
Próximo evento em
84 dias
30 abr
-
03 mai
Próximo evento em
98 dias
07 mai
-
10 mai
Próximo evento em
105 dias
21 mai
-
24 mai
Próximo evento em
119 dias
R
GP do Azerbaijão
04 jun
-
07 jun
Próximo evento em
133 dias
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
140 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
154 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
161 dias
R
GP da Grã-Bretanha
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
175 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
189 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
217 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
224 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
238 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
245 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
259 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
273 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
280 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
294 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
308 dias
Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: Como a Ferrari dominou Spa e Monza

compartilhar
comentários
Análise técnica: Como a Ferrari dominou Spa e Monza
Por:
, Featured writer
Co-autor: Matthew Somerfield
Traduzido por: Gustavo Faldon, Editor
14 de set de 2019 14:53

Giorgio Piola analisa como a Scuderia foi dominante nos dis circuitos mais rápidos do ano, na Bélgica e Itália

Depois de bater na trave três vezes, a Ferrari enfim venceu suas duas primeiras corridas em 2019.

Leia também:

Charles Leclerc fez a pole e subiu no lugar mais alto do pódio tanto na Bélgica quanto na Itália. Giorgio Piola analisa as mudanças técnicas que fizeram a equipe italiana dominar Spa e Monza.

Veja na galeria abaixo:

Galeria
Lista

Detalhe na asa da Ferrari SF90

Detalhe na asa da Ferrari SF90
1/5

Foto de: Giorgio Piola

A Ferrari optou por correr com uma asa convencional de baixa pressão aerodinâmica na Bélgica, ao invés da asa traseira em formato de "Colher" dos anos anteriores. É uma decisão que não só aumenta a velocidade de reta, mas também ajuda a manter os rivais mais distantes no trecho intermediário.

Detalhe na asa da Ferrari SF90

Detalhe na asa da Ferrari SF90
2/5

Foto de: Giorgio Piola

O GP da Itália viu a equipe mudar ainda mais para maximizar a performance em linha reta, puxando a vantagem da equipe neste sentido, reduzindo downforce e arrasto

Asa dianteira da Ferrari SF90

Asa dianteira da Ferrari SF90
3/5

Foto de: Giorgio Piola

Na frente do carro, a Ferrari precisou equilibrar as coisas e optou por redesenhar a aleta superior da asa dianteira.

Toro Rosso STR14

Toro Rosso STR14
4/5

Foto de: Giorgio Piola

Em outro lugar, a Toro Rosso introduziu uma nova asa dianteira para o GP da Itália também. Assim como a Ferrari, mudou a aleta superior para diminuir a carga dianteira para se equiparar com as equipes que usaram uma asa traseira mais magra.

Red Bull Racing RB15

Red Bull Racing RB15
5/5

Foto de: Giorgio Piola

A Red Bull seguiu um caminho parecido nos GP's da Itália e Bélgica ao que vinha fazendo há anos - basicamente, tirou a maior quantidade de asa possível. Ela fez isso com a esperança que a diminuição do arrasto compense a falta de potência no motor se comparada à Ferrari e Mercedes. Era claro que eles estavam com menos asa do que seus rivais no grid.

Próximo artigo
No aniversário do 1º título da Williams, veja como a equipe foi do céu ao inferno na F1

Artigo anterior

No aniversário do 1º título da Williams, veja como a equipe foi do céu ao inferno na F1

Próximo artigo

Haas revela nova pintura após romper com principal patrocinador

Haas revela nova pintura após romper com principal patrocinador
Carregar comentários