Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
63 dias
06 mai
Próximo evento em
105 dias
20 mai
Próximo evento em
119 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
133 dias
10 jun
Próximo evento em
140 dias
24 jun
Próximo evento em
154 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
161 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
175 dias
29 jul
Próximo evento em
189 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
217 dias
02 set
Próximo evento em
224 dias
09 set
Próximo evento em
231 dias
23 set
Próximo evento em
245 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
252 dias
07 out
Próximo evento em
259 dias
21 out
Próximo evento em
273 dias
28 out
Próximo evento em
280 dias
05 nov
Próximo evento em
288 dias
R
GP da Austrália
18 nov
Próximo evento em
301 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
316 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
325 dias
Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Análise técnica: Como a Ferrari dominou Spa e Monza

compartilhar
comentários
Análise técnica: Como a Ferrari dominou Spa e Monza
Por:
, Especialista
Co-autor: Matthew Somerfield
Traduzido por: Gustavo Faldon, Editor

Giorgio Piola analisa como a Scuderia foi dominante nos dis circuitos mais rápidos do ano, na Bélgica e Itália

Depois de bater na trave três vezes, a Ferrari enfim venceu suas duas primeiras corridas em 2019.

Leia também:

Charles Leclerc fez a pole e subiu no lugar mais alto do pódio tanto na Bélgica quanto na Itália. Giorgio Piola analisa as mudanças técnicas que fizeram a equipe italiana dominar Spa e Monza.

Veja na galeria abaixo:

Detalhe na asa da Ferrari SF90

Detalhe na asa da Ferrari SF90
1/5

Foto de: Giorgio Piola

A Ferrari optou por correr com uma asa convencional de baixa pressão aerodinâmica na Bélgica, ao invés da asa traseira em formato de "Colher" dos anos anteriores. É uma decisão que não só aumenta a velocidade de reta, mas também ajuda a manter os rivais mais distantes no trecho intermediário.

Detalhe na asa da Ferrari SF90

Detalhe na asa da Ferrari SF90
2/5

Foto de: Giorgio Piola

O GP da Itália viu a equipe mudar ainda mais para maximizar a performance em linha reta, puxando a vantagem da equipe neste sentido, reduzindo downforce e arrasto

Asa dianteira da Ferrari SF90

Asa dianteira da Ferrari SF90
3/5

Foto de: Giorgio Piola

Na frente do carro, a Ferrari precisou equilibrar as coisas e optou por redesenhar a aleta superior da asa dianteira.

Toro Rosso STR14

Toro Rosso STR14
4/5

Foto de: Giorgio Piola

Em outro lugar, a Toro Rosso introduziu uma nova asa dianteira para o GP da Itália também. Assim como a Ferrari, mudou a aleta superior para diminuir a carga dianteira para se equiparar com as equipes que usaram uma asa traseira mais magra.

Red Bull Racing RB15

Red Bull Racing RB15
5/5

Foto de: Giorgio Piola

A Red Bull seguiu um caminho parecido nos GP's da Itália e Bélgica ao que vinha fazendo há anos - basicamente, tirou a maior quantidade de asa possível. Ela fez isso com a esperança que a diminuição do arrasto compense a falta de potência no motor se comparada à Ferrari e Mercedes. Era claro que eles estavam com menos asa do que seus rivais no grid.
No aniversário do 1º título da Williams, veja como a equipe foi do céu ao inferno na F1

Artigo anterior

No aniversário do 1º título da Williams, veja como a equipe foi do céu ao inferno na F1

Próximo artigo

Haas revela nova pintura após romper com principal patrocinador

Haas revela nova pintura após romper com principal patrocinador
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Ferrari , Red Bull Racing , AlphaTauri
Autor Giorgio Piola