Fórmula 1
25 mar
Próximo evento em
23 dias
06 mai
Próximo evento em
65 dias
20 mai
Próximo evento em
79 dias
R
GP do Azerbaijão
03 jun
Próximo evento em
93 dias
10 jun
Próximo evento em
100 dias
24 jun
Próximo evento em
114 dias
R
GP da Áustria
01 jul
Próximo evento em
121 dias
R
GP da Grã-Bretanha
15 jul
Próximo evento em
135 dias
29 jul
Próximo evento em
149 dias
R
GP da Bélgica
26 ago
Próximo evento em
177 dias
02 set
Próximo evento em
184 dias
09 set
Próximo evento em
191 dias
23 set
Próximo evento em
205 dias
R
GP de Singapura
30 set
Próximo evento em
212 dias
07 out
Próximo evento em
219 dias
21 out
Próximo evento em
233 dias
28 out
Próximo evento em
240 dias
R
GP da Arábia Saudita
03 dez
Próximo evento em
276 dias
R
GP de Abu Dhabi
12 dez
Próximo evento em
285 dias

Análise técnica: entenda como o downforce evoluiu na era híbrida da F1

Downforce cresceu a um ritmo espetacular na F1, mas continuará evoluindo em 2021?

compartilhar
comentários
Análise técnica: entenda como o downforce evoluiu na era híbrida da F1

Na era atual do motor turbo híbrido V6 (2014-2020), a evolução aerodinâmica dos carros de Fórmula 1 foi impressionante e o aumento da carga levou a um recorde de 3.000 kg e uma velocidade de 276 km/h. 

A obra-prima até agora tem sido a Mercedes W11, capaz de enfrentar a mítica curva Copse de Silverstone com uma média de 37 km/h a mais do que o W05 em 2014.

A melhoria aerodinâmica das equipes de F1 representa uma linha reta em constante crescimento. Se um gráfico personalizado fosse projetado para esta linha, seria impressionante, porque refletiria a maneira como a força descendente explodiu na F1.

Leia também:

Estamos falando de dados que as escuderias escondem nas suas fábricas, mas que o Motorsport.com teve a oportunidade de vislumbrar e interpretar. Os números são incríveis para o crescimento experimentado em 2020, que atingiu valores nunca antes vistos.

O Mercedes W11 é referência, atingindo valores históricos de downforce. Alguns argumentam simplesmente que os carros de F1 de hoje são muito fáceis de dirigir, mas basta ler os números para ter uma opinião diferente. Quanto ao passado recente, não houve grandes aumentos nas velocidades máximas (desde 2017 os carros têm pneus maiores e a resistência ao rolamento é um pouco maior), mas houve nas curvas.

Você quer um exemplo? O W11 de Lewis Hamilton conseguiu, no GP da Grã-Bretanha, de 2020, passar pela curva Copse a 276 km/h, cerca de 37 km/h mais rápido do que a Mercedes W05 registrado em 2014 (243 km/h), com a qual o domínio da equipe alemã começou.

A evolução tem sido impressionante, porque a volta mais rápida de Hamilton em Silverstone 2014 foi 1:37,176, em comparação com 1:29,238 para o heptacampeão mundial em 2020. Uma melhoria de 7.938 segundos. Isso é mais de um segundo por temporada.

Em suma, os carros de F1 modernos são menos rápidos nas retas, mas desenvolvem tal downforce que permitem que os pilotos façam curvas a velocidades impensáveis. Um valor interessante é também o aumento das forças G laterais, que aumentaram 45%, de 3,1 G há sete anos para 4,5 G hoje (na corrida, na qualificação são mais extremos).

Mas quanto exatamente o downforce cresceu na Fórmula 1?

É um valor que varia dependendo da velocidade com que um corpo se move no ar. Podemos dizer que na curva Copse , com o Mercedes W11, estima-se que este valor ultrapasse 3.000 kg verticais. Por outro lado, a Red Bull passou por esse mesmo ponto em 2014, a 37 km/h a menos, com um valor em torno de 1.850 kg.

A diferença em termos absolutos é abismal, pois reflete um valor próximo de 65%, embora para se ter dados comparáveis seja mais correto analisar os números com base na mesma velocidade.

O que está claro é que agora entendemos por que a Pirelli decidiu introduzir pneus mais rígidos em 2021 - mantendo a versão 2019 no resto de sua composição e design - para tentar lidar com o aumento inevitável de carga que eles terão de suportar.

As indiscrições que vêm de Brackley, sede da Mercedes, sugerem que as simulações do sucessor do campeão W11 já estão melhores, apesar da redução do downforce em cerca de 10% segundo o regulamento técnico de 2021. 

Para evitar o fenômeno de bolhas e a necessidade de aumentar as pressões de inflação para manter os pneus dentro de uma faixa segura, foi necessário que a equipe técnica de Mario Isola, chefe da Pirelli F1, projetasse um perfil de pneu dianteiro diferente para ter pouco impacto na downforce.

Veremos carros mais lentos este ano incapazes de continuar quebrando recordes nos circuitos de F1? Isso pode acontecer nas primeiras corridas da temporada, mas depois ... prepare-se para continuar se surpreendendo.

 

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

 

LECLERC detalha como PILOTOS trabalham componente FUNDAMENTAL em um carro de F1

PODCAST: Chico Serra esclarece rivalidade com Piquet, amizade com Senna e briga com Raul Boesel

 

F1: McLaren visa melhorar dois pontos fracos do carro de 2020

Artigo anterior

F1: McLaren visa melhorar dois pontos fracos do carro de 2020

Próximo artigo

Shwartzman impressiona no primeiro dia de testes da Ferrari em Fiorano

Shwartzman impressiona no primeiro dia de testes da Ferrari em Fiorano
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Franco Nugnes