Análise técnica de Giorgio Piola
Assunto

Análise técnica de Giorgio Piola

Conheça a história do MP4/1, o carro da McLaren que revolucionou a F1 nos anos 1980

Equipe foi pioneira e construiu uma máquina com um monocoque totalmente composto de carbono, o que foi crucial para a segurança da categoria

Conheça a história do MP4/1, o carro da McLaren que revolucionou a F1 nos anos 1980
Carregar reprodutor de áudio

No último ano, um carro que talvez seja um dos mais importantes da história da Fórmula 1 fez 40 anos: o McLaren MP4/1. Uma máquina que não apenas ganhou corridas, mas definiu o esporte como o conhecemos agora e contou com tecnologia que também ajudou a salvar inúmeras vidas ao longo das décadas.

O veículo foi o primeiro a empregar um monocoque totalmente composto de carbono, que fez sua estreia em 12 de abril de 1981, no GP da Argentina.

Leia também:

Os carros de fibra de carbono agora são onipresentes e é difícil imaginar um mundo em que eles não existissem. No entanto, o que talvez seja mais incrível é que muitos duvidaram que fosse um material adequado para máquinas de corrida quando apareceu pela primeira vez.

Isso se deve principalmente ao fato de que algumas equipes já haviam se envolvido com fibra de carbono, mas geralmente era em áreas não estruturais e usada apenas como método de economia de peso. Muitos não sabiam como usá-la corretamente, tratando o processo de forma semelhante ao que faziam com a construção em fibra de vidro.

Foi o diretor técnico da McLaren, John Barnard, que mudou a história. Ele começou a trabalhar em um grupo de inovação para a equipe do 'Projeto 4', de Ron Dennis, no final de 1979, com o monocoque de fibra de carbono sendo a peça central em torno do qual o design do carro inteiro girava.

John Watson, McLaren Ford, with team boss Ron Dennis and chief designer John Barnard

John Watson, McLaren Ford, with team boss Ron Dennis and chief designer John Barnard

Photo by: Motorsport Images

Barnard sabia que para obter uma vantagem sobre os rivais, precisava projetar um carro que tivesse um monocoque muito estreito, permitindo que o veículo tivesse túneis de Venturi mais largos do que qualquer outro e maximizando o efeito solo disponível.

O obstáculo eram os materiais, com alumínio, o usado na época, flexível demais para as dimensões do que ele tinha em mente. O aço daria uma rigidez de torção comparativamente melhor, mas adicionaria muito peso.

A fibra de carbono foi sua resposta, mas como ninguém usava o material no automobilismo da maneira que ele imaginava, foi necessário procurar especialistas externos. Ele se reuniu com a engenharia aeroespacial britânica, porém embora inicialmente entusiasmado com o projeto, indicou que não tinha recursos para ajudar.

No entanto, ao dar-lhe impulso para acreditar no projeto, a British Aerospace também acendeu uma relação entre Barnard e Arthur Webb, um de seus engenheiros aeronáuticos e alguém que tinha grande experiência no campo da fibra de carbono.

A dupla trabalhou incansavelmente nos desenhos do monocoque de carbono, que consistiria em uma colmeia de alumínio entre camadas de fibra de carbono unidirecional.

Esse planejamento meticuloso não só melhoraria a rigidez torcional e reduziria o peso, como permitiria aquele momento de luz - colocando inserções dentro da estrutura que permitiram que vários componentes, como o motor, fossem montados nela, sem comprometer sua integridade.

Uma vez que eles projetaram, precisavam de alguém para fabricá-lo, pois o Projeto 4 não tinha instalações nem recursos para fazê-lo. Dennis perguntou a vários especialistas no Reino Unido, mas não conseguiu.

McLaren MP4/1 Ford Cosworth

McLaren MP4/1 Ford Cosworth

Photo by: Motorsport Images

Esforço 'hercúleo'

Entra Steve Nichols, um americano que trabalhou com Barnard durante seu mandato anterior na McLaren e mais tarde se juntaria a ele novamente. A dupla começou a conversar tomando uma cerveja sobre o último dilema de Barnard, não querendo que Nichols soubesse toda a verdade, ele acabou por lhe contar sobre seus planos de construir um chassi mais leve, mais rígido e estreito.

Steve já havia trabalhado com fibra de carbono antes, então não demorou muito para adivinhar as intenções de John. Ele sugeriu que entrasse em contato com a Hercules Aerospace, empresa americana para a qual havia trabalhado. A organização foi rápida em ver os benefícios comerciais da parceria com a McLaren e, portanto, não foi difícil convencê-los de que deveriam estar envolvidos.

Isso ajudaria a colocar a fibra de carbono com precisão sobre a colmeia de alumínio usando o molde que o Projeto 4 havia fornecido e colocaria o monocoque em sua autoclave. Isso seria então enviado de volta ao Reino Unido para a equipe construir.

Esse período de inovação estava acontecendo durante um período particularmente difícil para o projeto, com o encargo financeiro de sua atividade pesando sobre Dennis e a equipe. O britânico já havia sido rejeitado pela Marlboro, pois procurava despertar o interesse dos patrocinadores em sua entrada na principal categoria de monopostos.

No entanto, os ventos da mudança estavam soprando e o compromisso da gigante do tabaco com a McLaren estava em terreno instável.

Uma fusão parecia a solução mais óbvia para a Marlboro, pois queria ajudar a virar a maré para o gigante adormecido, com Dennis, Barnard e o conceito de fibra de carbono sendo introduzidos para ajudar a escuderia a voltar às vitórias.

Cópias de carbono

McLaren MP4/1 male mould

McLaren MP4/1 male mould

Photo by: Giorgio Piola

Todo o monocoque do MP4 compreendia o casco, três divisórias e a estrutura de reforço - apenas cinco partes. Em comparação, um chassi de alumínio da época consistia em pelo menos 50 componentes.

Nem todos estavam convencidos deste novo conceito 'mágico', já que algumas das outras equipes questionaram a praticidade de usar fibra de carbono tão extensivamente na construção do carro, mas quando John Watson venceu o GP da Grã-Bretanha no final daquele ano, os times rivais começaram a perceber que o conceito era algo que eles também precisavam seguir.

O ponto de virada para convencer o mundo de que a McLaren havia tomado a decisão certa em relação ao seu monocoque de fibra de carbono foi o GP da Itália de 1981.

O enorme acidente de Watson em seu MP4 literalmente arrancou a traseira do carro e provavelmente teria sido consideravelmente pior se ele estivesse a bordo de uma estrutura de alumínio.

Ron Dennis, John Watson, McLaren MP4/1-Ford

Ron Dennis, John Watson, McLaren MP4/1-Ford

Photo by: Motorsport Images

Foi um momento decisivo e fez o resto do grid tomar nota. Eles não podiam mais zombar do uso desse material pela McLaren. Como em tudo na F1, a mudança foi rápida, pois manter os métodos de construção anteriores só levaria a um tempo de volta ruim em comparação aos rivais.

Barnard foi um pioneiro, apresentando não apenas a F1, mas o automobilismo em geral a um material que era mais forte, mais leve e mais seguro do que os anteriores. O esporte nunca mais seria o mesmo. John não só elevou o sarrafo, como mudou o jogo.

TELEMETRIA DE FÉRIAS: RICO PENTEADO fala tudo sobre NOVO CARRO DA F1 que estreia em 2022

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #157 - Sucesso da F1 na Band e destaques de 2021: entrevista com editor Fred Sabino

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Alfa Romeo se diz aberta ao retorno de pilotos da Ferrari no futuro
Artigo anterior

F1: Alfa Romeo se diz aberta ao retorno de pilotos da Ferrari no futuro

Próximo artigo

F1 - Entenda a grande novidade do carro de 2022: o efeito solo

F1 - Entenda a grande novidade do carro de 2022: o efeito solo
Carregar comentários