Conheça ex-atleta olímpico que vendeu empresa a Eike Batista e ‘salvou’ F1 no Brasil

Alan Adler contou trajetória até pegar situação crítica de GP do Brasil até o contrato que garante corrida em Interlagos até 2030

Alan Adler, Sao Paulo GP promoter

Alan Adler, Sao Paulo GP promoter

Beto Issa/GP São Paulo

Motorsport Business

Covers any motorsport business related content

Há apenas três anos, havia o risco de o GP do Brasil de Fórmula 1 sair do calendário ou, pelo menos, sair de sua casa histórica em Interlagos.

A corrida não só foi salva em seu local tradicional, ainda que com o novo nome de GP de São Paulo, como agora tem seu futuro garantido até pelo menos 2030.

Leia também:

O responsável é o promotor Alan Adler, desconhecido no meio automobilístico até 2020. Ele trouxe consigo uma vasta experiência na realização de grandes eventos esportivos e de entretenimento no Brasil, bem como – em circunstâncias inusitadas – sólidos investimentos do governo de Abu Dhabi.

Em uma era anterior, Adler foi um esportista, representando o Brasil no iatismo na classe Flying Dutchman de dois homens nos Jogos Olímpicos de 1984, 1988 e 1992, enquanto construía o espírito competitivo que o tornou um empresário de sucesso.

“Fiz muitos anos não em nível profissional, mas em nível amador”, disse ele. “Fiz três Jogos Olímpicos, alguns Mundiais. Me tornei Campeão Mundial da classe Star, ganhei medalha de prata nos Jogos Pan-Americanos.”

"E então trabalhei mais 14 anos na indústria automotiva. Minha família era proprietária de fábricas de forja. Estávamos envolvidos com componentes de motores, suspensão, fornecendo para Volkswagen, Fiat, General Motors, Ford e Mercedes. Me tornei o CEO desta empresa.”

“Então tenho formação em mecânica, mas sou economista. E então decidimos profissionalizar a gestão da empresa.”

A carreira de Adler mudou de direção quando surgiu a oportunidade de se envolver no esporte como gestor.

“Fui procurado por um amigo, Torben Grael, campeão olímpico de vela”, contou. “Ele corria na America’s Cup pela Prada. Sempre era abordado por times perguntando por que o Brasil não tinha uma seleção lá.”

“Então ele veio até mim e eu disse: 'Estou no ramo de forjaria. Isso é outra coisa, gerenciar uma equipe.' Mas me envolvi de alguma forma e gostei do desafio.”

Lando Norris, McLaren MCL60, Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14, Fernando Alonso, Aston Martin AMR23, the rest of the field at the start as Alex Albon, Williams FW45, Kevin Magnussen, Haas VF-23, crash in the background

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Lando Norris, McLaren MCL60, Lewis Hamilton, Mercedes F1 W14, Fernando Alonso, Aston Martin AMR23, the rest of the field at the start as Alex Albon, Williams FW45, Kevin Magnussen, Haas VF-23, crash in the background

"Achamos que para a America's Cup o padrão era muito alto para arrecadar dinheiro no Brasil. Decidimos, em vez disso, fazer a Volvo Ocean Race. O nível de investimento era menor. Para a America's Cup, foi de US$ 100 milhões. E para o Volvo, eram US$ 30 milhões.

“Tive que conversar com todos os empresários do país para arrecadar o que arrecadamos na época. E fizemos a equipe brasileira de vela para a Volvo em 2005/2006, conseguindo o pódio, na terceira colocação.”

“Comecei a entender como poderia agregar valor a esse negócio em termos de gestão de eventos. E aí comecei a divulgar música – e fiz a turnê do The Police em 2007, o primeiro grande evento depois da vela.”

Em pouco tempo, a organização Brasil 1 de Adler estava envolvida em futebol, golfe, tênis, natação, jogos de pré-temporada da NBA e UFC, além de eventos não esportivos como o Cirque du Soleil e desfiles de moda. Ele então vendeu o negócio.

“Vendi minha empresa para a IMG e para o Eike Batista, um cara muito rico na época e que estava nas listas dos maiores milionários do mundo”, disse. "E se tornou IMX. Então, em 2014, Eike faliu."

Uma das entidades afetadas pelo colapso foi a Mubadala, entidade investidora soberana de Abu Dhabi, que tem interesses em todo o mundo, e que a certa altura foi acionista da equipe Mercedes de F1.

“Mubadala era credor de Eike”, disse Adler. “Eles investiram 2 bilhões de dólares na sua holding – ele estava no petróleo, nos estaleiros navais, na logística, na mineração.”

“Então, quando ele faliu, a Mubadala assumiu alguns ativos. Um dos ativos era a IMX, e fui apresentado a Mubadala em 2014.”

Adler voltou assim a assumir o comando da empresa que fundou, rebatizando-a de IMM. Então, em 2020, surgiu a oportunidade de se envolver na F1.

A Liberty Media descobriu que a corrida de Interlagos teve alguns problemas inesperados associados.

Bernie Ecclestone sempre teve uma queda pelo evento e fez um acordo incomum que fez com que a Rede Globo subsidiasse a taxa. Quando esse acordo expirou, descobriu-se que havia um contrato para uma corrida no Brasil, mas nenhuma taxa.

Alan Adler, Sao Paulo GP promoter

Photo by: Beto Issa/GP São Paulo

Alan Adler, Sao Paulo GP promoter

Enquanto isso, o CEO da F1, Chase Carey, buscava um projeto totalmente novo no Rio, e parecia que Interlagos seria relegado aos livros de história.

“O que aconteceu foi que a Liberty encontrou uma grande oportunidade de fazer F1 no Rio”, disse Adler. “Eles tinham alguns compromissos na época e pararam de conversar com São Paulo. Acho que São Paulo percebeu que havia algo estranho na renovação.”

“E então o promotor daqui [Tamas Rohonyi] não estava mais em comunicação com a Liberty. Então São Paulo me pediu para tentar descobrir o que estava acontecendo.”

“Eu tinha algumas conexões com o gabinete do prefeito e me aproximei de Tamas e disse: ‘Olha, podemos ficar juntos e ver se podemos ajudar São Paulo a manter a F1?’

“Visitamos a F1 em Londres e conhecemos Chase. E então Tamas disse que não tinha mais interesse em continuar, mas que podia me apoiar.”

“Tivemos que esperar até que o projeto do Rio desmoronasse naturalmente, por causa da área que eles queriam usar – havia uma questão verde.”

“Aí o Chase saiu e veio o Stefano Domenicali. E a decisão dele foi que iríamos para São Paulo. Acho que ele valoriza muito o que os pilotos dizem, e eles amam o circuito.

“Então nos envolvemos no final de 2020, com a Mubadala como investidora, junto com outros amigos. É uma empresa diferente da IMM, completamente diferente, então sou CEO da IMM e da Brazil Motorsport.

"A Mubadala ajuda, e não só nas conexões, mas no perfil. Então eles trazem credibilidade e recursos financeiros. Sou mais um operador de grandes eventos."

A última peça do quebra-cabeça foi o total apoio do prefeito da cidade de São Paulo, dona do circuito e que o aluga para a promotora.

Alan Adler, Sao Paulo GP promoter

Photo by: Beto Issa/GP São Paulo

Alan Adler, Sao Paulo GP promoter

Embora Adler não se importe com quanto a cidade investe, a papelada que surgiu durante uma contestação legal sugeria que eram R$ 20 milhões por ano, ou cerca de £ 3,3 milhões.

“É muito investimento”, diz Adler. “São Paulo disse: 'Precisamos agregar mais valor. Queremos ter o nome da corrida'.

“Acho que é o modelo de negócios da F1. E São Paulo é uma das muitas cidades que tem o mesmo modelo de negócios. Porque se você vir os benefícios que essa corrida traz para a região, é incrível”.

Assinado em dezembro de 2020, o acordo inicial manteve a corrida em São Paulo até 2025. A prorrogação do contrato em novembro acrescentou mais cinco anos, tendo o novo prefeito dado continuidade ao apoio iniciado por seu antecessor.

Interlagos está seguindo os passos da maioria das outras corridas, com uma série de prorrogações de longo prazo acordadas nos últimos anos.

“Na minha opinião, como promotor de eventos, dois anos não é nada”, afirma Adler. “Com um evento desse porte, como tomar uma decisão sobre investimento?

"Você precisa de alguma estabilidade e previsibilidade. Então acho que a F1 está fazendo a coisa certa para trazer essa visibilidade e planejar melhor sua logística. Você precisa saber o que terá, caso contrário, como planeja?"

Embora Adler, como promotor do GP, seja responsável por modificações específicas na pista relacionadas ao evento de F1, o uso mais amplo de Interlagos – para música e outros eventos – garantiu que a cidade pague por atualizações gerais de infraestrutura.

“Há outras coisas que não são para a F1”, disse Adler. “Eles investem porque querem ter Interlagos como hub para eventos maiores. Então estamos aqui e somos beneficiados.

"Este ano, eles fizeram muitos trabalhos paisagísticos. Fizeram um sistema de esgoto totalmente novo. Então, tem muito dinheiro aí. Para o próximo ano, esperamos ter um novo túnel para ajudar muito no fluxo de torcedores para o circuito. Ele irá diretamente para a estação de trem.

“E a outra grande coisa é que vamos renovar a arquibancada A, junto com algumas outras melhorias de infraestrutura."

A única coisa que falta é um herói local. O Brasil foi mimado ao longo das décadas pelos campeões mundiais Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e, claro, Ayrton Senna, enquanto nas últimas décadas Rubens Barrichello e Felipe Massa têm sido pontos focais.

Dito isto, a corrida ainda atrai casa cheia, então isso realmente faria diferença?

“Não sei”, admite Adler. "Porque eu não estava aqui antes. É como me perguntar se a sprint ajuda você? Não sei, comecei com a sprint!”

"Estou torcendo para que Felipe Drugovich tenha sorte. Ele é bom, tem recursos. Mas na F1 não é suficiente. Ele também tem que ter sorte."

FRENTE A FRENTE COM WOLFF: Bastidores da entrevista exclusiva com chefe da Mercedes no GP do Brasil!

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior RETA FINAL: Sainz fora da Ferrari? Wolff sob pressão e Verstappen ‘abre o jogo' sobre Piquet
Próximo artigo Barcelona e Madri 'brigam' para sediar o GP da Espanha de F1; entenda

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil