Correndo com três rodas e às cegas: relembre momentos marcantes da carreira de Gilles Villeneuve

compartilhar
comentários
Correndo com três rodas e às cegas: relembre momentos marcantes da carreira de Gilles Villeneuve

Mesmo com uma trajetória curta, Villeneuve deixou sua marca na F1 pelo seu estilo de pilotagem e histórias incríveis; confira

Considerado um dos grandes pilotos que nunca foi campeão, Gilles Villeneuve falecia há 38 anos, em 08 de maio de 1982. Um dos maiores nomes do automobilismo canadense e uma das lendas da Fórmula 1 teve passagens pela McLaren (apenas no GP da Grã-Bretanha de 1977) e Ferrari (de 1977 a 1982), duas das equipes mais populares da categoria.

Ao todo, foram 67 corridas, com seis vitórias, 13 pódios e duas poles. Entretanto, por muito mais do que os resultados em si, Villeneuve ficou no coração dos tifosi italianos e do amante da F1 em geral.

Leia também:

Marcado pelo estilo arrojado e pela agressividade nas pistas, Villeneuve entrou para a história. Para homenagear o lendário piloto, o Motorsport.com separou alguns dos momentos mais marcantes da carreira do canadense. Confira:

38 anos sem Gilles Villeneuve

38 anos sem Gilles Villeneuve
1/12

Foto de: LAT Images

Villeneuve perdeu sua vida de maneira trágica nas pistas em um acidente nos treinos para GP da Bélgica de 1982. O legado que ficou foi uma atitude agressiva ao volante, o que cativou a Ferrari e seus milhões de seguidores.

Briga ferrenha

Briga ferrenha
2/12

Foto de: Renault

Foi um dos duelos mais marcantes de todos os tempos. No GP da França de 1979, Villeneuve protagonizou uma briga ferrenha com René Arnoux pela segunda posição, atrás de Jean-Pierre Jabouille. Após curvas de disputa mano a mano, Gilles levou a melhor.

Briga ferrenha

Briga ferrenha
3/12

Foto de: Renault

Correndo em três rodas

Correndo em três rodas
4/12

Foto de: LAT Images

O episódio do GP da Holanda de 1979 mostra bem como funcionava a mente de Gilles. Ao sofrer um furo de pneu, o canadense tentou de tudo para levar seu carro aos boxes, o que inclusive provocou danos graves na suspensão de sua Ferrari. Porém, a imagem do piloto guiando com seu carro em destroços marcou.

Correndo em três rodas

Correndo em três rodas
5/12

Foto de: David Phipps

Quase lá

Quase lá
6/12

Foto de: LAT Images

O ano de 79 foi o que viu Gilles chegar mais perto do topo. Com três vitórias, o canadense terminou a temporada com o vice-campeonato, atrás apenas de Jody Scheckter, seu parceiro na Ferrari.

Correndo às cegas

Correndo às cegas
7/12

Foto de: Jean-Claude Loustau

Outro momento marcante de Gilles veio em sua corrida de casa, em 1981. Com um problema na asa dianteira e sob forte chuva, o canadense contornava as curvas do circuito de Montreal com a visão obstruída, já que o aerofólio praticamente tampava praticamente toda a frente do cockpit.

Vitória por pouco

Vitória por pouco
8/12

Foto de: LAT Images

A última vitória de Villeneuve, na Espanha-1981, teve grande pitada de brilho. O canadense, sofrendo com a falta de rendimento de sua Ferrari, segurou vários rivais por boa parte da prova. Ao fim, cruzou a linha em primeiro, com os 5 mais bem colocados separados por 1s2.

Vitória por pouco

Vitória por pouco
9/12

Foto de: International Press Agency

A mais marcante delas

A mais marcante delas
10/12

Foto de: LAT Images

Mas foi justamente sua primeira vitória que foi uma das mais marcantes. Correndo em casa, Gilles superou vários adversários na pista e contou com o abandono de Jean-Pierre Jarier para triunfar diante da torcida.

O saldo

O saldo
11/12

Foto de: LAT Images

Em sua carreira precocemente interrompida, Gilles conquistou seis vitórias, marcou duas pole positions e teve 13 pódios.

O legado

O legado
12/12

Foto de: XPB Images

Gilles Villeneuve se tornou desde então um dos pilotos mais cultuados de toda a F1. Pai do campeão mundial de 1997, Jacques Villeneuve, o canadense batiza o circuito de Montreal, sede anual do GP do Canadá.

VÍDEO: Massa revela dia que Raikkonen 'zoou' Schumacher

PODCAST: Os cinco maiores mitos e verdades da F1

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Análise técnica: o que as asas dianteiras dizem sobre as equipes da F1 em 2020 (Parte 3)

Artigo anterior

Análise técnica: o que as asas dianteiras dizem sobre as equipes da F1 em 2020 (Parte 3)

Próximo artigo

Isolado em fazenda no Brasil, Ecclestone colhe ovos em galinheiro e diz que não tem medo da morte

Isolado em fazenda no Brasil, Ecclestone colhe ovos em galinheiro e diz que não tem medo da morte
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1