Empresa de autódromo do RJ pode substituir Globo e ter direitos de transmissão da F1 no Brasil

Rio Motorsports está na pole position para repetir ação de MotoGP, adquirir direitos da maior categoria do automobilismo mundial e repassá-los a outra emissora

Empresa de autódromo do RJ pode substituir Globo e ter direitos de transmissão da F1 no Brasil

Nesta quinta-feira (27) surgiu a informação de que a Rede Globo não renovou os direitos de transmissão da F1 para o próximo ano, deixando de ser a casa da maior categoria do automobilismo mundial, após quase 40 anos.

Com isso, um grande ponto de interrogação paira sobre o destino da categoria no país, um dos poucos que ainda mantinham as transmissões das corridas na TV aberta.

Leia também:

O Motorsport.com apurou que a decisão da emissora de não negociar mais com a Liberty não é recente e que o período de negociações foi extenso, com a decisão sendo reportada a muitos de seus funcionários, já cientes de que a atração não estará mais na grade a partir do ano que vem.

Com isso, o destino da F1 no Brasil pode ser o mesmo que o da MotoGP: a Rio Motorsports. A empresa que tenta viabilizar o autódromo de Deodoro no Rio de Janeiro, que ‘briga’ com São Paulo por um acordo com a Liberty Media para ter o GP do Brasil, e atual detentora dos direitos de transmissão da MotoGP no país - repassando-os aos canais Fox Sports - é quem está na pole position para ser proprietárias das transmissões da F1.

Mas como os valores podem não ser viáveis à Globo, mas possíveis à Rio Motorsports?

Foi apurado também que Band e Record foram procuradas pela Liberty para substituir a emissora carioca, em um modelo 'tradicional' de compra de direitos e busca por cotas de patrocínios. A F1 para essas emissoras é bem aceita mas seria muito grande para dar conta comercialmente.

Para a Rio Motorsports,  intenção é ter o controle de uma espécie ‘tríade’ de espaços publicitários, para poder fixar um preço maior a quem quiser ter sua marca ligada à F1.

Um exemplo pode ser dado com uma marca de cerveja. Até este ano, o GP do Brasil de F1 tem a Heineken em seus naming rights, mas com a Rede Globo sendo detentora dos direitos de transmissão, ela tem como patrocinadora uma concorrente da cervejaria, que utiliza a marca Itaipava. Além disso, há também a possibilidade do Autódromo de Interlagos, em seu camarote, negociar com uma terceira cervejaria.

O intuito da Rio Motorsports é unificar as marcas, também sendo dona do autódromo que receberá o GP do Brasil e promotora do evento, e assim poder cobrar um valor maior à cervejaria que quiser estampar sua marca. O mesmo raciocínio pode ser aplicado a marcas de outros tipos de produtos.

A intenção da Rio também é ter os direitos da F1 sob todas as plataformas: TV aberta, fechada e streaming, para ter a liberdade de repassá-los a outras emissoras, ou quem sabe, até mesmo, ao próprio Grupo Globo. 

Procurada pelo Motorsport.com, a Rio Motorsports informou que não se pronunciará sobre o assunto neste momento.

A VERDADE sobre o início da TRETA de NELSON PIQUET e a IMPRENSA

PODCAST: Quem são os maiores comunicadores de automobilismo da TV brasileira?

 

compartilhar
comentários
Globo não renova direitos de transmissão da F1 para 2021, diz site

Artigo anterior

Globo não renova direitos de transmissão da F1 para 2021, diz site

Próximo artigo

F1: Bottas lidera dobradinha da Mercedes no primeiro treino livre para o GP da Bélgica; Ferrari fica no fundo

F1: Bottas lidera dobradinha da Mercedes no primeiro treino livre para o GP da Bélgica; Ferrari fica no fundo
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Erick Gabriel