Fórmula 1
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
33 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
61 dias
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
89 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
96 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
110 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
117 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
131 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
145 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
152 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
166 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
180 dias

Entenda por que Sainz não foi contratado como segundo piloto da Ferrari

compartilhar
comentários
Entenda por que Sainz não foi contratado como segundo piloto da Ferrari
Por:
21 de mai de 2020 11:29

Verdadeiro papel de piloto espanhol se dará na pista, com inúmeros exemplos de que um ‘segundo piloto’ pode ter chances de brigar pelo título

Na história das corridas, o papel do "segundo piloto" sempre foi objeto de muita discussão e debate sobre situações que se tornaram clássicas do automobilismo.

É irrefutável que os confrontos mais ferozes foram aqueles que viram dois companheiros de equipe como protagonistas, a maioria deles em condições de competir pelo título mundial.

Hoje em dia, o papel do segundo piloto voltou a ser objeto de discussão, um tópico que veio à tona devido à escolha da Ferrari de unir Carlos Sainz e Charles Leclerc em sua formação para 2021.

Leia também:

De fato, o plano da Scuderia já havia sido finalizado em 23 de dezembro, quando a prorrogação do contrato de Leclerc foi anunciada até o final da temporada de 2024, momento incomum para tal anúncio na Fórmula 1, que demonstra a vontade de colocar uma base firme em projetos futuros.

Agora, alguns fãs se perguntam: está tudo bem para uma equipe de alto nível jogar com um único pretendente ao título?

A resposta está na história da Fórmula 1, e o veredito é claro: depende das circunstâncias. Quando uma equipe assume a liderança, ter dois dos melhores pilotos é uma vantagem.

Nos boxes, geralmente se colabora quando não se está no topo, principalmente se o status entre os dois pilotos for equivalente, porque o objetivo é fazer a equipe crescer e lutar pelos objetivos máximos. Os problemas surgem quando a primeira fila é alcançada e Nico Rosberg explicou recentemente, relatando a chegada de Lewis Hamilton à equipe em 2013.

"Na primeira temporada entre Lewis e eu, tudo correu bem, não tivemos a oportunidade de buscar grandes coisas e nosso relacionamento foi muito amigável, não houve tensões."

"Na temporada seguinte, estávamos lutando pelo título mundial, nosso sonho estava em jogo e estávamos determinados a alcançá-lo. E a amizade foi comprometida. O importante era tentar vencer sabendo que, para isso, era preciso vencer o piloto com quem compartilhava a garagem."

Há também outra situação que pode levar à tensão entre os pilotos de uma equipe, e foi o que vimos no ano passado na Ferrari (ou na garagem da McLaren em 2007), quando a temporada começa com papéis bem definidos e após algumas corridas as hierarquias mudam.

Geralmente acontece quando você está na presença de um jovem ao lado de um campeão mundial (o caso Leclerc-Vettel ou o caso Hamilton-Alonso) e o piloto de mais alto nível é ameaçado por uma figura que considera de segunda categoria.

Nesse contexto, mesmo que não haja luta pela vitória, o clima pode estar quente e, nos dois casos mencionados, foi o piloto mais experiente que acabou deixando a equipe.

Agora não há necessidade de cláusulas contratuais, já que as regras colocadas no papel são as mesmas para os dois pilotos de uma equipe. O que faz a diferença é o desempenho do piloto, e uma equipe decide com antecedência que tipo de par será formado para evitar problemas.

Um segundo piloto "de fato" é muito mais gerenciável do que o fornecido em um contrato, porque na maioria dos casos não será necessário intervir.

No ano passado, após as seis primeiras corridas, Valtteri Bottas e Hamilton percorreram o mesmo caminho, com três vitórias e três segundos lugares, e as três corridas vencidas pelo finlandês foram obtidas à frente de seu companheiro de equipe, sem ordem dos boxes, sem controvérsias. Então Lewis fez a diferença.

Hoje, um segundo piloto não é impedido de vencer corridas, mesmo na frente de seu companheiro de equipe, desde que ele não esteja na segunda metade da temporada com seu parceiro lutando contra um ou mais adversários de outras equipes.

Em 2018, a Mercedes pediu a Bottas para dar a vitória a Hamilton na Rússia, o finlandês estava longe do topo do campeonato, enquanto Lewis continuava disputando com Vettel pelo título mundial.

Quando Hamilton chegou à Mercedes, acreditava-se amplamente que não haveria histórias sobre hierarquias dentro da equipe, mas quando em 2016, no início da temporada, Lewis sofreu um período de baixa concentração, Rosberg se aproveitou e ninguém da equipe o deteve.

A Ferrari fez uma escolha clara, priorizando Leclerc depois de ver em 2019 as qualidades do monegasco, mas isso não o coloca em posição morrer com essa decisão. Charles sem dúvida terá um clima mais calmo do que no ano passado, ele pode ter prioridade em algumas coisas, mas hoje não há mais equipes com recursos limitados a ponto de cuidar melhor de um carro que o outro.

A diferença, se houver, pode estar na estratégia de corrida, situações que se tornam estratégicas quando você está correndo pelo título.

Mas Leclerc terá que garantir uma vantagem necessária para justificar qualquer ajuda do companheiro de equipe.

Reginaldo Leme avalia dupla da Ferrari e surpreende sobre futuro de Vettel

PODCAST: Será o fim de Sebastian Vettel na F1?

 

Próximo artigo
Barrichello relembra noite de porre como 'guitarrista' após vitória na Alemanha

Artigo anterior

Barrichello relembra noite de porre como 'guitarrista' após vitória na Alemanha

Próximo artigo

Autoridade sanitária de Austin coloca provas da F1 e MotoGP no Circuito das Américas como dúvida

Autoridade sanitária de Austin coloca provas da F1 e MotoGP no Circuito das Américas como dúvida
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Roberto Chinchero