F1: Binotto confirma que Ferrari mantém poder de veto no novo Pacto de Concórdia

Chefe da Ferrari afirmou que manutenção do poder é importante por causa da importância histórica da equipe na F1

F1: Binotto confirma que Ferrari mantém poder de veto no novo Pacto de Concórdia

O novo Pacto de Concórdia da Fórmula 1, documento que rege as operações comerciais e a governança da categoria, era alvo de muitas discussões como forma de tornar o Mundial mais igualitário. E, apesar de boa parte dos objetivos terem sido atingidos, com todo o grid se tornando signatários essa semana, um poder antigo da Ferrari foi mantido: o de veto.

A F1 anunciou na quarta-feira que todas as equipes haviam assinado o documento, que garante também a participação no Mundial até 2025.

Leia também:

No acordo anterior, que vence no final do ano, a Ferrari tinha mais vantagens que as demais, que incluíam um pagamento bônus por seu valor histórico ao esporte, além do poder de veto a qualquer mudança no regulamento que não lhe deixasse feliz.

Essas duas vantagens estiveram no centro da discussão, em um momento na qual a F1 busca criar uma situação mais igualitária para todos, mas o chefe da Ferrari, Mattia Binotto, confirmou que a equipe conseguiu manter seu poder de veto.

"Pelo menos conseguimos o que é essencial para nós, que é manter o que é importante, o reconhecimento de nossa marca pela Fórmula 1", disse Binotto à Sky Sports F1. "Mantivemos o que chamamos nosso direito de proteção ou de veto, o que vejo como importante para a Ferrari, porque mostra a importância da Ferrari para a história da F1".

"No geral, diria que estamos satisfeitos, mas sempre vamos querer mais. Podemos receber menos, mas o que foi conquistado é um resultado importante".

Binotto ainda falou sobre as mudanças de regulamento previstas para 2022 e como ele espera que isso crie um grid mais próximo.

"Acho que o teto orçamentário também é importante, porque reduzir os recursos das equipes de ponta e reduzir a diferença para as equipes menores é um esforço na direção correta".

"Tendo dito isso, acho que só vamos ter as repostas a partir de 2022. Talvez no começo veremos discrepâncias, mas acho que, olhando para o futuro, certamente teremos convergências".

"Mas a liberdade com relação aos carros será reduzida em comparação com hoje. O orçamento também será reduzido. O carro será bem mais simples, então acho que teremos uma convergência por isso. E sim, podemos ter mais disputas, e mais equipes vencendo".

VÍDEO: Veja a verdade sobre o início da treta de Nelson Piquet e imprensa

PODCAST: O que resta para Massa no automobilismo após sair se sua equipe na F-E?

 

compartilhar
comentários
Proibição do "modo festa" deve ficar apenas para GP da Itália; McLaren vê Mercedes na ponta mesmo com medida

Artigo anterior

Proibição do "modo festa" deve ficar apenas para GP da Itália; McLaren vê Mercedes na ponta mesmo com medida

Próximo artigo

F1: Grosjean detona carro da Haas na Espanha: "Talvez o pior que já guiei"

F1: Grosjean detona carro da Haas na Espanha: "Talvez o pior que já guiei"
Carregar comentários