F1: Em 1985 Spa presenciou o GP da Bélgica que não aconteceu

Na mesma Spa de hoje, em 1985 a Fórmula 1 teve que adiar o GP da Bélgica

F1: Em 1985 Spa presenciou o GP da Bélgica que não aconteceu

Apenas uma vez antes, em toda história do Campeonato Mundial, uma corrida deixou de acontecer quando todos já estavam em Spa-Francorchamps.

Leia também:

A diferença é que no GP da Bélgica de 1985 os carros pelo menos foram para a pista, e uma sessão de qualificação ocorreu antes da corrida ser cancelada na noite de sábado.

O motivo do adiamento foi um gol contra espetacular da direção do Spa. A pista foi recapeada muito próxima ao GP da Bélgica de 1985, assim que os carros foram para a pista, o asfalto começou a se soltar, tornando a corrida impossível de acontecer. Pouco mais de três meses depois, todos voltaram para Spa, e o fim de semana transcorreu sem maiores problemas.

Depois de 13 anos fora, o GP da Bélgica voltou a uma Spa renovada e mais curta para realizar o Gp da Bélgica de 1983, e depois de uma viagem única a Zolder a corrida estava de volta à Spa em 1985.

Todos ficaram impressionados com o local em 1983 e, com exceção de algumas ondulações na chicane Bus Stop, não houve queixas. Porém, antes do retorno em 1985, os organizadores tomaram a decisão de recapear a pista com um novo asfalto que, em teoria, ofereceria melhor aderência na chuva.

A empresa belga Hydrocar apresentou uma mistura especial que eles chamaram de SAMI, ou Stress Absorbing Membrane Interlayer, que tinha um alto teor de borracha.

A FISA ( órgão que mandava no automobilismo mundial na época) estava ciente de que o novo asfalto da pista precisava de tempo para curar, e o regulamento de 1984 continham uma condição de que nenhum trabalho poderia ser realizado menos de 60 dias antes de um evento.

Na verdade, a FISA foi questionada sobre um possível recapeamento em Spa em outubro de 1984, e respondeu que estaria tudo bem, desde que a regra dos 60 dias fosse respeitada. No entanto, alguma burocracia local teve que ser superada antes que o trabalho pudesse começar, e então um inverno particularmente difícil, com neve na pista até 1º de maio, causou mais atrasos.

O trabalho, portanto, continuou em maio, com o relógio avançando para o fim de semana do GP. Quando uma sessão de teste de F1 planejada antes da corrida foi cancelada, os organizadores citaram "modificações" na pista como o motivo, mas a FISA não percebeu que essa desculpa estava relacionada ao recapeamento.

O trabalho só foi concluído 10 dias antes do início da ação do GP da Bélgica, na sexta-feira, 31 de maio.

O inspetor de pistas da FISA, Derek Ongaro, não sabia nada do que havia acontecido até que ele chegou para o fim de semana da corrida. Se tivesse chovido, os organizadores poderiam ter se safado e, de fato, elogiado por apresentar uma superfície aderente e bem drenada.

Na verdade, estava quente e ensolarado o tempo todo. Somado a isso, os carros turbo F1 de 1985 foram os mais potentes já vistos, especialmente com o impulso mostrado na qualificação. Inevitavelmente, seus pneus colocam muita carga na pista.

Os tempos de volta na sessão de abertura foram impressionantes, mesmo permitindo o desenvolvimento do carro durante os dois anos de ausência da F1 - ao liderar os tempos na sexta-feira, Michele Alboreto, da Ferrari, bateu a pole de Alain Prost em 1983 por cerca de oito segundos. A nova superfície tinha uma aderência incrível quando se mantinha unida.

Infelizmente, isso não aconteceu. O tempo quente e os carros potentes combinados danificaram a superfície e, no final da sexta-feira, ficou claro que havia um problema, principalmente em três curvas do “novo” trecho que ligava as vias públicas.

A corrida de julho anterior em Dallas, quando o asfalto quebrou e muitos pilotos bateram, ainda estava fresca na mente de todos. E nessa pista muito mais rápida a situação era potencialmente muito mais séria. Não se tratava apenas de uma volta - Nelson Piquet sofreu uma quebra na viseira e Nigel Mansell teve um furo.

Tudo isso causou uma grande dor de cabeça para Bernie Ecclestone, então ainda comandando a equipe Brabham. A Bélgica foi uma de "suas" corridas, então ele foi o promotor, mesmo que não fosse o responsável pelo funcionamento real do evento.

O trabalho de reparo urgente foi realizado durante a noite e, por algum motivo, lugares da pista que não mostraram sinais de danos também foram tratados.

Cerca de 25 minutos depois do início da sessão de treinos da manhã de sábado, a pista ficou em silêncio, pois todos perceberam que não adiantava correr. Elio de Angelis foi o mais rápido para a Lotus - mas ficou 23 segundos atrás do melhor tempo que tinha feito no dia anterior. O consenso entre os pilotos era que as condições agora eram impossíveis e uma série de reuniões teve início.

Nesse ponto, uma sugestão era cancelar todas as corridas de sábado, incluindo a qualificação e a corrida de F3000, e então pular o aquecimento de domingo e ir direto para a corrida de F1 no domingo à tarde.

Então, inesperadamente às 16h40, alguém deixou o Renault entrar na pista para uma sessão de treinos. Depois disso, alguns dos pilotos de F1 fizeram uma inspeção de pista em um ônibus.

Enquanto isso, às 17h50, a multidão foi informada de que a ação de domingo ocorreria conforme o planejado. No entanto, a portas fechadas, as discussões continuaram.

“Alguém tem que ter a coragem de tomar uma decisão, sim ou não”, disse o tricampeão Jackie Stewart à Autosport. “E deve ser alguém da FISA. Você não pode colocar os pilotos em uma posição em que eles tenham que decidir. Isso não está certo. Mas realmente a coisa toda te deixa desesperado, não é? "

Enquanto isso, a corrida de F3000, que ocorreria na tarde de sábado, não começou no horário. Os pilotos tinham poucas informações sobre o que estava acontecendo até que Ecclestone apareceu no paddock da F3000 e e reuniu os chefes de equipe.

Ele disse que agora queria que a corrida acontecesse no domingo. Seria realizado após o GP da Bélgica de F1 ou, se isso não acontecesse, seria o evento principal. Havia uma promessa de cobertura na TV, então as equipes concordaram em esperar. Em vez de voltar para casa no sábado à noite, eles tiveram que ficar mais uma noite.

No paddock da F1, as discussões continuaram, com Niki Lauda representando os pilotos. Finalmente, por volta das 19h30, os chefes de equipe saíram de uma reunião e disseram que não haveria corrida de F1. Pouco depois disso, uma declaração oficial saiu dos comissários de corrida da FISA. Eles declararam que a pista era "inadequada para carros de F1" e, portanto, a corrida seria adiada "por razões de segurança".

Esta foi uma grande chamada. Ao longo das décadas, o esporte passou por todos os tipos de dramas relacionados à segurança e à política - às vezes ambos no mesmo fim de semana - e mesmo assim, no final, os pilotos sempre iam para o grid e corriam.

Quando chegou o domingo, ficou claro que F3000 seria o show principal para os espectadores que permaneceram. Em teoria, pelo menos, o evento agora era o “GP da Bélgica”.

Uma sessão de aquecimento na pista reparada às pressas foi realizada às 12h30, com os pilotos relatando que parecia que estava molhada. No entanto, a corrida foi adiante. Mike Thackwell venceu com 50 segundos de vantagem para o segundo colocado, sua volta mais rápida 15 segundos mais lenta que a pole position, enquanto muitos de seus rivais rodaram.

O presidente da FISA, Jean-Marie Balestre, não estava em Spa, mas manteve contato por telefone e ficou aliviado. Ele convocou os organizadores para uma reunião executiva da FISA em Paris em 24 de junho "para explicar a grave falha cometida" e observou que "estarão sujeitos a sanções pesadas".

No final, isso representou apenas uma multa de US $ 10.000 para o ASN belga "devido ao prejuízo causado ao Campeonato Mundial de F1", com a ressalva de que uma fiança de US $ 100.000 deveria ser depositada na FISA pelos organizadores e devolvida apenas se um fim de semana remarcado transcorresse sem problemas .

Enquanto isso, Ecclestone precisava encontrar uma data alternativa. Na época, o calendário da F1 era quase tão fluido quanto em 2020 - as corridas em Roma e Nova York estavam programadas para 1985 e depois caíram, e um GP da Europa em Brands Hatch foi uma adiado para o fim do ano.

Ele acabou escolhendo uma vaga em 15 de setembro, uma semana depois de Monza e uma semana antes de Brands Hatch. As equipes estavam irritadas porque, com Spa de volta, enfrentariam cinco corridas em seis finais de semana - uma rodada dupla, uma lacuna e uma rodada tripla.

No entanto, eventualmente o evento Brands foi adiado par ao fim da temporada. Uma sugestão inicial de que Spa deveria ser apenas um evento de sábado / domingo (outro eco de 2020) foi abandonada e tornou-se três dias inteiros mais uma vez.

Em setembro, a pista foi recapeada. Antes do retorno da F1, a corrida de 1000 km do WEC - que infelizmente viu a morte de Stefan Bellof - aconteceu no dia 1º de setembro.

O fim de semana da F1 correu sem drama, e um domingo chuvoso viu a segunda vitória na carreira de Ayrton Senna.

A reputação de Spa foi salva e lições foram aprendidas. Nunca mais um local de GP cometeria o mesmo erro, enquanto o órgão regulador tornaria seus procedimentos mais rígidos para inspecionar e aprovar pistas.

Cerca de 35 anos depois, seria necessário algo completamente fora de controle de qualquer um no esporte para silenciar os carros mais uma vez.

F1 2021: Verstappen é pole mas Russell BRILHA na CHUVA em Spa após BATIDA FORTE de Norris

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

TELEMETRIA: Quem vai se dar bem na segunda metade da temporada de 2020 da F1?

 

SIGA NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
VÍDEO - Vettel detona diretor de prova da F1: "Dinheiro da TV é o que faz a diferença agora"
Artigo anterior

VÍDEO - Vettel detona diretor de prova da F1: "Dinheiro da TV é o que faz a diferença agora"

Próximo artigo

F1 tenta, mas chuva inviabiliza GP da Bélgica e Verstappen 'vence' após 3 horas de atraso, recebendo metade dos pontos

F1 tenta, mas chuva inviabiliza GP da Bélgica e Verstappen 'vence' após 3 horas de atraso, recebendo metade dos pontos
Carregar comentários