F1: Conheça os 10 melhores carros da Mercedes de todos os tempos

Jornalista Kevin Turner reúne as melhores máquinas da equipe alemã dede a era pré-guerra

A Mercedes tem sido a força dominante da era dos motores turbo híbridos da Fórmula 1 desde 2014, mas sua história na categoria pode ser rastreada há mais de 100 anos. 

A equipe alemã tem uma história notável no automobilismo. Além de seu recente domínio da F1, ela tende a ditar o ritmo sempre que aparece no auge do esporte a motor.

Leia também:

Apesar de ter passado longos períodos longe da F1, sua taxa de acertos é tão alta que há muitos candidatos para a lista de 'maiores Mercedes'.

Estendemos e fomos além da F1 a fim refletir a longa história da Mercedes no automobilismo, mas usamos os critérios usuais: nível de sucesso, inovação e importância, e 'fator X'.

O fato de que tanto a Mercedes, vencedora do GP da França de 1908, e o carro campeão dos Mundiais de pilotos e construtores de 2019 por pouco não entraram em nossa lista, que destaca a qualidade do equipamento que saiu de Stuttgart (e da atual base da F1 em Brackley) - e a longevidade de uma lenda automotiva.

10: W165

Ano: 1939

Títulos: 0

Hermann Lang, Mercedes-Benz W 165

Hermann Lang, Mercedes-Benz W 165

Photo by: Mercedes-Benz

Uma das grandes histórias do automobilismo. Os organizadores italianos do GP de Trípoli de 1939 anunciaram que a corrida seria disputada por Voiturettes 1500cc (muito parecida com a Fórmula 2), em vez das regras habituais do GP poucos meses antes do evento.

Isso efetivamente baniu os carros dominantes da Mercedes e Auto Union, em teoria deixando o caminho livre para as equipes italianas, principalmente a Alfa Romeo com seu novo 158 - que viria a se tornar o primeiro campeão mundial de F1 em 1950. Mas no total sigilo a equipe de Alfred Neubauer desenvolveu o novo W165 supercharged de 1500cc, uma versão reduzida do V12 W154 GP com motor V8.

Duas foram levadas para Trípoli e foram as únicas máquinas não italianas na corrida. Hermann Lang e Rudolf Caracciola terminaram devidamente na primeira e segunda colocação, vencendo o pelotão apesar de nenhum teste, e os carros nunca mais correram.

Isso faz do W165 um dos poucos carros de corrida a ostentar um recorde de competição de 100%.


9: W06 Hybrid

Ano: 2015

Títulos: 2 (pilotos e construtores de 2015)

O Mercedes de 2015 não estava tão à frente dos rivais quanto seu antecessor, mas ainda é um dos carros de F1 mais dominantes do século 21 até agora.

Nas mãos de Lewis Hamilton (11 vitórias) e Nico Rosberg (cinco), o W06 perdeu apenas três vezes em 19 corridas, derrotado por Sebastian Vettel. Houve também 12 dobradinhas.

Hamilton liderou uma dobradinha da equipe na classificação geral dos pilotos, enquanto a pontuação da escuderia, de 703 pontos, foi mais do que os totais da Ferrari e da Red Bull combinados.


8: W25

Anos: 1934-36

Títulos: 1 (pilotos, europeu de 1935)

Rudolf Caracciola, Mercedes-Benz W25 leads Luigi Fagioli, Mercedes-Benz W25 and Hans Stuck, Auto Union A-type

Rudolf Caracciola, Mercedes-Benz W25 leads Luigi Fagioli, Mercedes-Benz W25 and Hans Stuck, Auto Union A-type

Photo by: Motorsport Images

Com financiamento estatal do novo governo nazista na Alemanha, a Mercedes voltou ao auge do automobilismo com a nova fórmula do GP de 750 kg de peso máximo.

Embora os W25s e os Auto Unions rivais tenham fracassado em sua primeira apresentação internacional no GP da França de 1934, os carros logo demonstraram seus domínios sobre os rivais italianos e franceses.

O campeonato europeu - o equivalente ao campeonato mundial antes da Segunda Guerra Mundial - voltou em 1935. A Mercedes permaneceu no topo com o W25B, Caracciola conquistou vitórias nos GPs da França, Bélgica, Suíça e Espanha.

O W25 foi desenvolvido ao longo de três anos, o motor em particular ficou cada vez maior, mas o manuseio se deteriorou. O tipo C da Auto Union ganhou a vantagem em 1936, principalmente nas mãos do campeão europeu Bernd Rosemeyer, embora Caracciola tenha conseguido uma de suas maiores vitórias no chuvoso GP de Mônaco.

O sucesso da Auto Union encorajou a Mercedes a substituir o W25 pelo W125, que está ainda em posição superior nesta lista.


7: W07 Hybrid

Ano: 2016

Títulos: 2 (pilotos e construtores de 2016)

Mesmo no terceiro ano dos regulamentos do motor turbo-híbrido, a Mercedes manteve uma vantagem considerável sobre o grid com o W07.

Pela segunda temporada consecutiva, a equipe optou por evoluir seu design do ano anterior. E ainda assim, a contagem do carro de 19 vitórias em 21 corridas dá a ele uma melhor taxa do que qualquer Mercedes da era moderna - e uma de suas duas derrotas veio graças a Hamilton e Rosberg baterem na primeira volta do GP da Espanha de 2016.

A Mercedes marcou mais pontos em 2016 do que em qualquer outra temporada da F1 - sua contagem final de 765 significa que o W07 teve uma média notável de 36,4 pontos por GP ao longo de sua temporada de 21 corridas.

Hamilton pode não ser muito fã deste modelo da marca porque o problema ocasional de confiabilidade - mais notavelmente uma falha de motor enquanto o britânico estava liderando na Malásia - lhe custou pontos. Isso, combinado com algumas largadas ruins de Hamilton, foi o suficiente para Rosberg vencer seu companheiro de equipe por cinco pontos na busca do título.


6: W154

Anos: 1938-39

Títulos: 1 (pilotos, europeu de 1938)

Manfred von Brauchitsch, Mercedes-Benz W154

Manfred von Brauchitsch, Mercedes-Benz W154

Photo by: Motorsport Images

Muitas vezes ofuscado pelo W125, o W154 foi provavelmente o melhor carro de GP construído antes da Segunda Guerra Mundial.

Uma mudança de regra para 1938 limitou os motores dos carros a um máximo de três litros. O supercarregado V12 W154 era, portanto, consideravelmente menos potente (cerca de 200 cv) do que seu antecessor, mas os tempos de volta eram surpreendentemente próximos, talvez porque era desperdiçada menos potência pelas limitações no chassi, suspensão e tecnologia de pneus da época.

O financiamento nazista significou que nenhuma despesa foi poupada, mas a Mercedes enfrentou forte oposição da Auto Union. O modelo geralmente tinha uma vantagem - Caracciola ganhou o título europeu em 1938 - mas o Auto Union D-type com motor central teve seus momentos.

Tazio Nuvolari venceu o GP de Donington de 1938, enquanto dúvidas surgiram sobre se Hermann Paul Muller da Auto Union ou o piloto da Mercedes Hermann Lang deveriam ser considerados campeões europeus de 1939 - um título não declarado graças ao início das hostilidades.


5: 18/100

Ano: 1914

Títulos: 0

Christian Lautenschlager, Mercedes GP

Christian Lautenschlager, Mercedes GP

Photo by: Motorsport Images

O carro Mercedes do GP da França de 1914 não foi o primeiro carro da marca a vencer aquela que era então a maior corrida do mundo, mas o design de Paul Daimler ajudou a forjar a lenda.

Os novos regulamentos reduziram os tamanhos dos motores para 4,5 litros e a equipe desenvolveu um novo motor de quatro cilindros com duas válvulas de admissão e escape por cilindro. Ele produziu pouco mais de 100 bhp, bom o suficiente para uma velocidade máxima de mais de 160 km/h.

Como o mundo automotivo esperava muito da Mercedes, a preparação foi meticulosa. O percurso de 23,4 milhas (aproximadamente 37 km) foi inspecionado e os carros foram verificados e testados repetidamente antes da prova.

Cinco máquinas foram inscritas no retorno da Mercedes ao GP e, apesar do desempenho heroico de Georges Boillot da Peugeot, Christian Lautenschlager liderou uma sequência 1-2-3 da Mercedes. Uma das principais vantagens era os carros da Mercedes com capacidade de fazer apenas uma parada programada de pneus, enquanto os Peugeots precisavam fazer várias.

Ralph DePalma então levou um exemplo para a América, vencendo a Indy 500 em 1915. Notavelmente, uma versão modificada também venceu o Targa Florio 1922, guiado pelo Conde Giulio Masetti.


4: W05 Hybrid

Ano: 2014

Títulos: 2 (pilotos e construtores de 2014)

Qualquer um dos carros da Mercedes de F1 da era turbo-híbrida poderia ser incluído nesta lista, mas aquele que deu o pontapé inicial tem que ter uma forte presença.

A Mercedes havia retornado à categoria máxima como construtora em 2010 depois de comprar a Brawn, campeã do campeonato, mas demorou um pouco para entrar no ritmo. Os carros V8 de 2012 e 2013 venceram corridas, enquanto a Mercedes investiu tempo e recursos no desenvolvimento de um motor para a era híbrida.

Valeu a pena, pois o W05 estava quilômetros à frente do resto dos carros em 2014. Só foi derrotado na busca pela pole uma vez, com a Williams bloqueando a primeira fila na Áustria quando os dois pilotos da Mercedes cometeram erros e lideraram 86% das voltas da corrida durante a temporada.

Hamilton e Rosberg venceram 16 das 19 provas, apenas derrotadas por contratempos e falhas de confiabilidade, terminando primeiro e segundo colocados na classificação de pilotos. A Mercedes também conquistou seu primeiro título de construtores de F1, iniciando uma série de sucessos que ainda não terminou.


3: W196

Anos: 1954-55

Títulos: 2 (pilotos de 1954 e 1955)

Juan Manuel Fangio, Mercedes W196

Juan Manuel Fangio, Mercedes W196

Photo by: Motorsport Images

A Mercedes voltou ao auge do esporte (de novo) no GP da França de 1954 e combateu os principais rivais Ferrari e Maserati. A versão simplificada foi mais impressionante, mas o carro de rodas abertas foi mais eficaz na maioria dos circuitos.

De qualquer forma, o W196, que tinha válvulas desmodrômicas (para permitir maior rotação) e injeção mecânica direta de combustível, venceu nove de suas 12 corridas do campeonato antes da Mercedes se retirar do automobilismo mais uma vez.

Quando Stirling Moss se juntou a Juan Manuel Fangio em 1955, a Mercedes criou uma super equipe que terminou em primeiro e segundo lugar na classificação de pilotos. O Lancia D50 poderia ter proporcionado mais competição, mas a morte de Alberto Ascari em um acidente com um carro esportivo da Ferrari e os desafios financeiros da Lancia reduziram severamente a ameaça.

A única razão pela qual o W196 não tem mais títulos em seu currículo é porque o campeonato de construtores só foi inaugurado em 1958.


2: W125

Ano: 1937

Títulos: 1 (pilotos de 1937)

Hermann Lang, Mercedes-Benz W125 leads Rudolf Caracciola, Mercedes-Benz W125, Dick Seaman, Mercedes-Benz W125 and Bernd Rosemeyer Auto Union C-typ

Hermann Lang, Mercedes-Benz W125 leads Rudolf Caracciola, Mercedes-Benz W125, Dick Seaman, Mercedes-Benz W125 and Bernd Rosemeyer Auto Union C-typ

Photo by: Motorsport Images

Um dos maiores carros de GP de todos os tempos, a obra-prima de Rudolf Uhlenhaut de 5,6 litros direto para as regras de 750 kg, produzindo mais potência (640bhp) do que seria visto na F1 até a turbocompressão na década de 1980.

O W125 tinha um chassi mais rígido do que o W25 que o precedia e melhorou a suspensão. Combinado com sua impressionante potência, isso deu ao modelo um avanço significativo.

Hermann Lang venceu na estreia do carro no GP de Trípoli de 1937 e a Auto Union lutou para igualar o W125 ao longo do último ano da fórmula de 750 kg. A Mercedes venceu a maioria das corridas principais, incluindo os GPs da Alemanha, Mônaco, Suíça e Itália, e Caracciola conquistou o título europeu de 1937 com os pilotos da equipe dominando a classificação.

O W125 não é o Mercedes de maior sucesso ou o mais inovador, mas a força absoluta do carro, colocada em pneus estreitos feitos de materiais que lutam para resistir, e a estatura o torna uma das máquinas icônicas do automobilismo.


1: W11

Ano: 2020

Títulos: 2 (pilotos e construtores de 2020)

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W11, Valtteri Bottas, Mercedes F1 W11

Lewis Hamilton, Mercedes F1 W11, Valtteri Bottas, Mercedes F1 W11

Photo by: Charles Coates / Motorsport Images

Se manter no topo da F1 é impressionante, mas estender uma vantagem até agora em um ciclo regulamentar é realmente notável. Ferrari e Red Bull conduziram a Mercedes muito mais perto sob as regras mais amplas e agressivas da categoria que chegaram em 2017 do que em 2014-16 - até o W11.

Atingida pelo ritmo da Ferrari em 2019, a Mercedes jogou tudo em seu design para 2020, incluindo mudanças importantes na suspensão traseira e direção inovadora de eixo duplo. Enquanto a Ferrari recuava e a pandemia do coronavírus oferecia a oportunidade de resolver alguns problemas encontrados nos testes, a escuderia alemã estava mais à frente no início da campanha do que qualquer equipe já esteve por anos.

A Mercedes parou de desenvolver o W11 após a sétima etapa e a Red Bull diminuiu a diferença, mas o W11 ainda conseguiu 13 vitórias e 15 poles em 17 corridas. Só foi realmente superado uma vez - no final de Abu Dhabi.

Hamilton conquistou o título de pilotos com três corridas para o fim e terminou o ano com 124 pontos de vantagem.

Esta é também um quebra-recorde. Além de ser a máquina na qual Hamilton igualou a contagem de sete títulos de Michael Schumacher - e ultrapassou o benchmark alemão de vitórias na F1 - ele também pode reivindicar ser o carro de F1 mais rápido de todos. A volta da pole com tempo de 164,3 mph de Hamilton em Monza provavelmente se manterá por algum tempo.

ALPINE 2021: Conheça o carro AZUL que marca a volta de ALONSO à F1 e as novidades da antiga RENAULT

PODCAST: Como seria a transmissão dos sonhos da F1 no Brasil?

 

compartilhar
comentários
Análise técnica: entenda como a Mercedes criou o carro de F1 mais rápido de todos

Artigo anterior

Análise técnica: entenda como a Mercedes criou o carro de F1 mais rápido de todos

Próximo artigo

F1: Bottas buscará ser "mais egoísta" para lutar pelo título em 2021

F1: Bottas buscará ser "mais egoísta" para lutar pelo título em 2021
Carregar comentários