F1: Williams pode se concentrar no desempenho em vez da sobrevivência, diz Russell

Equipe foi vendida em 2020 para empresa de investimentos Dorilton Capital

F1: Williams pode se concentrar no desempenho em vez da sobrevivência, diz Russell

George Russell disse que a Williams pode finalmente se concentrar em encontrar desempenho graças a um aumento de investimento de seus novos proprietários e à nomeação de um diretor técnico.

Depois de algumas temporadas turbulentas na Fórmula 1, a família Williams vendeu a equipe no ano passado para a empresa de investimentos americana Dorilton Capital.

Leia também:

Com novos investimentos, os proprietários da Williams promoveram Simon Roberts ao cargo de chefe da escuderia, e anunciaram o ex-chefe da Volkswagen, Jost Capito, como CEO.

Capito trouxe François-Xavier Demaison, com quem trabalhou nos programas WRC e Pikes Peak da marca alemã, para ocupar o cargo de diretor técnico que ficou vago desde a saída de Paddy Lowe durante uma desastrosa temporada de 2019.

De acordo com Russell, a chegada de Capito e Demaison é um momento chave a mudança da Williams, com a equipe agora sendo capaz de se concentrar no desempenho ao invés tentar apenas sobreviver.

"Acho que é uma notícia incrivelmente positiva para a Williams nos próximos anos com a chegada de [Jost] e realmente acredito que temos um chefe firme no comando que será capaz de estruturar uma equipe técnica adequada para ajudar a melhorar, em última análise, o desempenho do carro", disse Russell.

“Não tivemos um diretor técnico em todo o meu período na Williams, o que é uma loucura, se você pensar bem."

“Acho que a prioridade em todo o meu tempo na Williams até a Dorilton assumir era manter a equipe, manter o trabalho das pessoas vivo, manter a equipe viva, ao invés de tentar fazer o carro andar o mais rápido possível."

"O foco era apenas manter a equipe na F1, o que obviamente foi uma grande coisa, mas agora podemos voltar a nos concentrar totalmente no desempenho. É realmente emocionante para todos na Williams com Jost no comando."

O britânico admitiu que sua passagem pela equipe se tornou ainda mais "difícil" sem um diretor técnico claro no comando. No entanto, o piloto está confiante de que Demaison vai "juntar tudo" na preparação da F1 em 2022, que é a maior oportunidade da Williams para finalmente subir no grid.

"Acho que é extremamente importante ter um diretor técnico", disse.

"A Fórmula 1 é um enorme quebra-cabeça. Você precisa colocar essas peças juntas, das quais um diretor técnico é quem está orquestrando isso."

“Tem sido muito difícil, e muitas pessoas tiveram que fazer trabalhos para os quais provavelmente não foram contratados, porque não havia ninguém necessariamente para liderá-los."

"Agora temos um CEO, agora temos um diretor técnico. Esses caras podem agora voltar a se concentrar em seu objetivo principal, seja aerodinâmica, seja mecânico, seja eletrônico, seja o que for, talvez, com nosso novo diretor técnico orquestrando-os e juntando tudo", concluiu. 

F1 AO VIVO: A verdade sobre motor Honda e tudo sobre o GP em Ímola com Rico Penteado | TELEMETRIA

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST – Quais são os pilotos mais carismáticos da F1, mas sem grandes resultados?

 

compartilhar
comentários
Pérez: "Veremos se a luta com a Mercedes se relaciona com a pista"
Artigo anterior

Pérez: "Veremos se a luta com a Mercedes se relaciona com a pista"

Próximo artigo

F1 - Ex-companheiro dispara contra Alonso: "Joga jogos políticos"

F1 - Ex-companheiro dispara contra Alonso: "Joga jogos políticos"
Carregar comentários