Ferrari diz que limitar custo de motores é "obsceno"

compartilhar
comentários
Ferrari diz que limitar custo de motores é "obsceno"
Por:

O gerente da Ferrari, Sergio Marchionne, classificou as tentativas de Bernie Ecclestone e Jean Todt de impor um limite nos custos de motores na F1 como "obsceno"

Sergio Marchionne, Ferrari President e CEO da Fiat Chrysler Automobiles
Jean Todt, FIA President
Bernie Ecclestone

Apesar de a maioria das equipes votar a favor da ideia de impor um limite de preço para motores de 12 milhões de euros, o assunto teve de ser retirado após a Ferrari vetar a questão.

A decisão da equipe deixou o presidente da FIA, Jean Todt, frustrado. Porém, Marchionne fez críticas à ideia de o órgão regulamentador da Fórmula 1 se envolver em temas que envolvem finanças dos times.

"Pensar que a FIA e a FOM querem passar aos fabricantes a obrigação e a responsabilidade financeira de subsidiar seus motores à outras equipes é um conceito obsceno", disse Marchionne, durante uma visita ao Ferrari Finali Mondiali, em Mugello.

Obrigações morais

Marchionne acha que é errado que qualquer um sugira aos fabricantes ajudarem a garantir a sobrevivência financeira de equipes menores.

"Eu acho que Jean Todt está procurando por uma solução, mas não é um problema da Ferrari e não não temos uma obrigação moral de fornecer motores. E o mesmo vale para impor limites de preços para as unidades de potência", disse Marchionne.

"Se alguém soubesse os custos que envolvem o desenvolvimento, os preços que nós estamos tratando nem ao menos cobririam as velas dos motores. Todo o processo vai além de qualquer lógica industrial", disse.

GP do Brasil de F1: veja horários dos treinos e da corrida

Artigo anterior

GP do Brasil de F1: veja horários dos treinos e da corrida

Próximo artigo

Lotus permanece "muito confiante" em acordo com Renault

Lotus permanece "muito confiante" em acordo com Renault
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Ferrari
Autor Jonathan Noble