Fórmula 1
26 set
-
29 set
Evento encerrado
10 out
-
13 out
Evento encerrado
24 out
-
27 out
Evento encerrado
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
14 nov
-
17 nov
Evento encerrado
R
GP de Abu Dhabi
28 nov
-
01 dez
Próximo evento em
7 dias

Ferrari muda corpo técnico em busca de evolução na F1 em 2019

compartilhar
comentários
Ferrari muda corpo técnico em busca de evolução na F1 em 2019
Por:
Co-autor: Franco Nugnes
6 de jun de 2019 14:09

Chefe de equipe da escuderia italiana, Mattia Binotto agora delega funções a membros específicos na estrutura do time de Maranello

Chefe da Ferrari, Mattia Binotto revelou que colocou em prática uma nova estrutura técnica em sua equipe de Fórmula 1 como parte de seu esforço para voltar à frente do grid.

Tendo assumido a vaga de Maurizio Arrivabene no início deste ano, Binotto disse que abandonou o sistema de gestão horizontal predominante nos últimos anos. A mudança ocorre porque ele sentiu que essa é uma forma melhor de permitir novas ideias da parte júnior do staff.

Leia também:


Agora, Binotto diz que mudou as coisas e nomeou várias figuras-chave para supervisionar áreas específicas de desempenho do carro para que ele possa se concentrar melhor em planos de longo prazo.

Em entrevista à Gazzetta dello Sport, Binotto disse: "Desde janeiro, reorganizamos a equipe. Não há mais a famosa estrutura horizontal clássica. Identificamos quatro ou cinco figuras que se tornaram meus pontos de referência nas diversas áreas. Eu sou útil para filtrar informações e pensar no futuro. Com as regras de 2021 próximas, os carros podem ser radicalmente diferentes e o teto orçamentário nos forçará a rever certos processos de produção".

Binotto não deu mais detalhes sobre quem eram seus principais personagens, mas acredita-se que seus planos girem em torno de Laurent Mekies, que supervisiona assuntos nos circuitos, Enrico Cardile, no chassi, David Sanchez, na aerodinâmica, e Enrico Gualtieri, nos motores.

Após o começo decepcionante na temporada 2019, Binotto acredita que sua equipe ainda não está no lugar necessário para desafiar a Mercedes. "Eu prefiro fazer uma comparação com a Ferrari de 1996/97", disse ele. “Era uma equipe em crescimento, com fundamentos sólidos. Nós também somos um time jovem e faminto. Eu vejo muitas semelhanças. Mesma visão, desejo de vencer, paixão e talento. Vejo isso nesse período atual novamente".

O foco de curto prazo da Ferrari está em encontrar maneiras de fazer com que seus pneus tenham um melhor desempenho, acreditando que é nessa área que está perdendo muito para a Mercedes. Mas Binotto diz que não haverá uma reforma radical do SF90, já que a Scuderia acredita que uma série de atualizações será suficiente para melhorar a situação.

"Não haverá um Ferrari B, um carro completamente modificado, mas apenas uma série de desenvolvimentos nas próximas corridas para melhorar o uso dos pneus”, disse ele. "Temos ideias, e precisamos nos apressar, mas leva algumas semanas", disse Binotto.

GP do Canadá

Neste fim de semana, o GP do Canadá será palco da sétima etapa da Fórmula 1 em 2019. E a Ferrari tem um grande desafio pela frente se quiser colocar Vettel ou Leclerc no alto do pódio. Motivo? O circuito é um dos "preferidos" de Lewis Hamilton, que tem seis triunfos em Montreal. Ele está a apenas um de Michael Schumacher, recordista do evento.

Leia também:

Essa é apenas uma das curiosidades que cercam a corrida canadense, sediada em três pistas diferentes ao longo dos anos. Confira outras:

Galeria
Lista

Três pistas já foram sede do GP do Canadá: Mont-Tremblant (em duas oportunidades), Mosport (em oito) e a Ilha de Notre-Dame (39) - que recebeu o nome de Gilles Villeneuve após a morte do piloto canadense.

Três pistas já foram sede do GP do Canadá: Mont-Tremblant (em duas oportunidades), Mosport (em oito) e a Ilha de Notre-Dame (39) - que recebeu o nome de Gilles Villeneuve após a morte do piloto canadense.
1/13

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Recebendo corridas oficiais da F1 desde 1967, em apenas três ocasiões a prova não aconteceu: em 1975, 1987 e em 2009.

Recebendo corridas oficiais da F1 desde 1967, em apenas três ocasiões a prova não aconteceu: em 1975, 1987 e em 2009.
2/13

O Circuito Gilles Villeneuve está na ilha de Notre-Dame, construída para as Olimpíadas de 1976

O Circuito Gilles Villeneuve está na ilha de Notre-Dame, construída para as Olimpíadas de 1976
3/13

Foto de: XPB Images

Michael Schumacher é o recordista de triunfos, com sete vitórias: 1994, 1997, 1998, 2000, 2002, 2003 e 2004

Michael Schumacher é o recordista de triunfos, com sete vitórias: 1994, 1997, 1998, 2000, 2002, 2003 e 2004
4/13

Foto de: LAT Images

Lewis Hamilton pode igualar este número no domingo. Atualmente ele venceu em seis ocasiões: 2007, 2010, 2012, 2015, 2016 e 2017.

Lewis Hamilton pode igualar este número no domingo. Atualmente ele venceu em seis ocasiões: 2007, 2010, 2012, 2015, 2016 e 2017.
5/13

Foto de: Jerry Andre / Motorsport Images

A McLaren tem o maior número de vitórias entre as equipes: 13. Mas a Ferrari soma 14 se contarmos dois triunfos numa época em que as corridas no Canadá não eram válidas pelo campeonato da F1.

A McLaren tem o maior número de vitórias entre as equipes: 13. Mas a Ferrari soma 14 se contarmos dois triunfos numa época em que as corridas no Canadá não eram válidas pelo campeonato da F1.
6/13

Foto de: Alessio Morgese

Seis pilotos conquistaram suas primeiras vitórias em Montreal: Lewis Hamilton (2007), Daniel Ricciardo (2014), Robert Kubica (2008), Thierry Boutsen (1989), Jean Alesi (1995 na foto) e Gilles Villeneuve (1978).

Seis pilotos conquistaram suas primeiras vitórias em Montreal: Lewis Hamilton (2007), Daniel Ricciardo (2014), Robert Kubica (2008), Thierry Boutsen (1989), Jean Alesi (1995 na foto) e Gilles Villeneuve (1978).
7/13

Foto de: LAT Images

O brasileiro que mais venceu no Canadá foi Nelson Piquet (1982, 1984 e 1991). Ayrton Senna tem duas vitórias (1988 e 1990) e Emerson Fittipaldi uma, 1974.

O brasileiro que mais venceu no Canadá foi Nelson Piquet (1982, 1984 e 1991). Ayrton Senna tem duas vitórias (1988 e 1990) e Emerson Fittipaldi uma, 1974.
8/13

Foto de: LAT Images

o triunfo mais marcante de Piquet foi em 1991, quando o líder, Nigel Mansell, que já acenava para a torcida na última volta, parou após o motor de seu carro apagar devido à cautela excessiva do inglês, o que baixou o giro em excesso.

o triunfo mais marcante de Piquet foi em 1991, quando o líder, Nigel Mansell, que já acenava para a torcida na última volta, parou após o motor de seu carro apagar devido à cautela excessiva do inglês, o que baixou o giro em excesso.
9/13

Foto de: LAT Images

A prova de 1990 foi vencida por Ayrton Senna no tempo, mas não na pista. Gerhard Berger queimou a largada e teve um minuto acrescido ao seu tempo. Ele foi o primeiro na pista, mas o quarto na classificação final

A prova de 1990 foi vencida por Ayrton Senna no tempo, mas não na pista. Gerhard Berger queimou a largada e teve um minuto acrescido ao seu tempo. Ele foi o primeiro na pista, mas o quarto na classificação final
10/13

Foto de: Sutton Motorsport Images

Montreal foi o palco da corrida mais longa da história da F1, no ano de 2011. Por causa da forte chuva, o GP durou 4h4min39s contando com uma longa paralisação com bandeira vermelha. Desde então, a F1 estabeleceu que o máximo que uma prova pode durar é quatro horas

Montreal foi o palco da corrida mais longa da história da F1, no ano de 2011. Por causa da forte chuva, o GP durou 4h4min39s contando com uma longa paralisação com bandeira vermelha. Desde então, a F1 estabeleceu que o máximo que uma prova pode durar é quatro horas
11/13

Foto de: XPB Images

Em 2001, aconteceu a primeira dobradinha de irmãos na história da Fórmula 1. Ralf Schumacher venceu de Williams, à frente do irmão, Michael, da Ferrari

Em 2001, aconteceu a primeira dobradinha de irmãos na história da Fórmula 1. Ralf Schumacher venceu de Williams, à frente do irmão, Michael, da Ferrari
12/13

Foto de: Ferrari Media Center

O "Muro dos Campeões" foi batizado assim em 1999, quando Michael Schumacher, Damon Hill e Jacques Villeneuve abandonaram após baterem lá. Além deles, o então campeão da FIA GT, Ricardo Zonta, também se acidentou.

O "Muro dos Campeões" foi batizado assim em 1999, quando Michael Schumacher, Damon Hill e Jacques Villeneuve abandonaram após baterem lá. Além deles, o então campeão da FIA GT, Ricardo Zonta, também se acidentou.
13/13

Foto de: Andrew Hone / Motorsport Images

Próximo artigo
Alonso deixa torcedores ansiosos com mistério feito no Instagram

Artigo anterior

Alonso deixa torcedores ansiosos com mistério feito no Instagram

Próximo artigo

Fórmula 1 pode ter freios de carbono e cerâmica no futuro próximo

Fórmula 1 pode ter freios de carbono e cerâmica no futuro próximo
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Ferrari Compre Agora
Autor Jonathan Noble