Fórmula 1
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
28 dias
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
42 dias
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
84 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
91 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
105 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
112 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
126 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
140 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
147 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
161 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
175 dias

Rubinho vs Schumi e cia: veja as 10 chegadas mais apertadas da F1

compartilhar
comentários
Rubinho vs Schumi e cia: veja as 10 chegadas mais apertadas da F1
Por:
16 de abr de 2020 14:46

De arrancadas a ordens de equipes controversas, a F1 produziu muitas chegadas próximas em sua história e, nesta lista, você confere as dez mais apertadas

Ao longo de seus 70 anos, a Fórmula 1 proporcionou diversos momentos de ação e emoção para o público, seja presente nos autódromos ou em casa, acompanhando pela televisão ou pelo rádio. Incidentes envolvendo muitos carros, grandes performances, disputas em pistas... Mas poucas conseguem chegar perto do nível de adrenalina de uma chegada apertada.

Nas mais de 1000 corridas disputadas até hoje, tivemos disputas incríveis nos metros finais de um GP e, por isso, listamos aqui as dez chegadas mais acirradas da história da F1. Veja na galeria abaixo:

Leia também:

Galeria
Lista

10. GP da Itália de 1967 - John Surtees vs Jack Brabham (0s2)

10. GP da Itália de 1967 - John Surtees vs Jack Brabham (0s2)
1/10

Foto de: LAT Images

Nos tempos que antecederam asas e downforce, e o ar sujo mantinha os carros afastados um do outro, o Grande Prêmio da Itália em Monza parecia uma corrida de bicicleta. Os carros tentavam se afastar do pelotão, usando a corrente de ar uns dos outros para ficarem longe. A edição de 1967 não foi exceção e foi aclamada como uma das corridas mais emocionantes da época. Um grande número de abandonos - Monza era notoriamente duro com os motores - quebrou muitos pelotões.

Por um acaso, essa corrida não teria sido tão famosa se não fosse pelo seu final próximo e pelas façanhas de Jim Clark. Clark liderou a corrida até perder uma volta com um furo. O piloto da Lotus voltou à corrida e retomou a liderança com oito voltas pela frente. Clark parecia pronto para uma vitória sensacional, mas perdeu velocidade com um defeito na bomba de combustível na última volta. Isso permitiu a ultrapassagem de John Surtees e Jack Brabham, com vitória do australiano por 0s2. Seria a segunda e última vitória da Honda até a primeira vitória de Jenson Button no GP da Hungria de 2006.

9. GP da Áustria de 2002 - Michael Schumacher vs Rubens Barrichello (0s182)

9. GP da Áustria de 2002 - Michael Schumacher vs Rubens Barrichello (0s182)
2/10

Foto de: LAT Images

O nono lugar da lista é um final bastante conhecido pelos brasileiros pelas circunstâncias. A temporada de 2002 foi talvez a mais esmagadora demonstração de domínio da Ferrari na era Schumacher-Todt-Brawn. Com o MP4-17 da McLaren provando não ser confiável, a principal oposição da Ferrari nas primeiras etapas veio da BMW Williams. Ainda assim, Michael Schumacher venceu quatro das cinco primeiras corridas da temporada quando o paddock chegou à Áustria. O companheiro de equipe Rubens Barrichello conquistou a pole e liderou praticamente toda a corrida até ser solicitado a abandonar sua posição e entregar a Schumacher a liderança e a vitória. Barrichello inicialmente argumentou, mas acabou cedendo à pressão da equipe. Ele entregou a vitória a Schumacher, mas o fez ostensivamente para que não houvesse dúvida sobre o que havia acontecido. Ele diminuiu a velocidade saindo da curva final, com Schumacher terminando apenas 0s182 a frente.

Em meio a vaias da multidão, a cerimônia do pódio foi estranha. Schumacher quebrou o protocolo insistindo que Barrichello subisse no pódio e depois entregou a ele o troféu do vencedor. Schumacher estava a caminho de seu quinto título, tendo o dobro de pontos de Barrichello, tornando toda a situação da Áustria um tanto desnecessária. A Ferrari acabou sendo multada pela cerimônia do pódio, mas não pela troca. Mais tarde, a FIA decidiu proibir a ordem das equipes a partir da temporada de 2003 em diante. Uma regra que se mostrou difícil de aplicar.

8. GP do Canadá de 2000 - Michael Schumacher vs Rubens Barrichello (0s174)

8. GP do Canadá de 2000 - Michael Schumacher vs Rubens Barrichello (0s174)
3/10

Foto de: Sutton Motorsport Images

Schumacher e Barrichello aparecem mais de uma vez nessa lista. Este final também foi resultado de pedidos de equipes da Ferrari, embora em circunstâncias muito menos controversas. Em uma clássica corrida com pista molhada no circuito Gilles Villeneuve, Schumacher saiu da pole e manteve a liderança após duas paradas, colocando pneus para pista de chuva no último. Depois de uma saída inocente para fora da pista na curva 1, Schumacher ainda mantinha uma vantagem confortável em relação à Barrichello. À medida que a chuva se intensificava, o brasileiro continuava se aproximando do alemão. Nas voltas finais, Barrichello havia diminuído a diferença e parecia mais rápido que seu companheiro de equipe, mas a Ferrari instruiu o piloto a manter a posição. Schumacher e Barrichello cruzaram a linha em formação, separados por apenas 0,174s.

7. GP da França de 1954 - Juan Manuel Fangio vs Karl Kling (0s1)

7. GP da França de 1954 - Juan Manuel Fangio vs Karl Kling (0s1)
4/10

Foto de: LAT Images

O GP da França de 1954, em Reims, foi outra corrida decidida por ordens de equipes, mas nos primeiros dias do campeonato mundial. O Grande Prêmio viu a estreia (atrasada) do tão esperado Mercedes W196, que apresentava um motor de injeção direta de combustível e um corpo aerodinâmico, adequado para pistas de alta velocidade.

O W196 foi um sucesso instantâneo, com Juan Manual Fangio conquistando a pole por um segundo sobre o companheiro de equipe da Mercedes, Karl Kling. Seguiu-se uma cansativa corrida marcada pelo desgaste, na qual a terceira Flecha de Prata de Hans Herrmann abandonou com problemas no motor. Apenas seis carros chegaram ao final. Após o abandono de Herrmann, a Mercedes não quis correr nenhum risco com seu carro e instruiu Kling a ficar atrás de Fangio. A diferença na linha de chegada foi de apenas um décimo de segundo.

6. GP da França de 1961 - Giancarlo Baghetti vs Dan Gurney (0s1)

6. GP da França de 1961 - Giancarlo Baghetti vs Dan Gurney (0s1)
5/10

Foto de: LAT Images

A edição de 1961 do Grande Prêmio da França em Reims também foi uma corrida de dois carros, mas, felizmente, não houve ordens de equipe envolvidas neste momento. Esperava-se um domínio da Ferrari no final de semana, após uma boa exibição nas corridas anteriores. O líder do campeonato Phil Hill liderou o caminho desde o início, mas abandonou.

No final, foi seu colega de equipe da Ferrari, Giancarlo Baghetti, que defendeu as cores da marca italiana. O italiano brilhou em sua estreia e venceu uma corrida de arrancada contra a Porsche de Dan Gurney. Jim Clark terminou um minuto atrás da dupla, em sua Lotus.

5. GP da Itália de 1969 - Jackie Stewart vs Jochen Rindt (0s08)

5. GP da Itália de 1969 - Jackie Stewart vs Jochen Rindt (0s08)
6/10

Foto de: Sutton Motorsport Images

O Grande Prêmio da Itália de 1969 foi outro clássico festival de ultrapassagens usando o vácuo ao redor de um dos templos do esporte. Embora tecnicamente não seja o final mais próximo de todos os tempos, daí a sua posição nesta lista, a edição de 1969 certamente é lembrada por seu final 1-2-3-4 ultra-próximo.

Na última volta da corrida, um grupo de quatro carros invadiu a Parabólica. Jackie Stewart, que estava a caminho de vencer seu primeiro campeonato mundial, tentou se afastar de Jochen Rindt, Jean-Pierre Beltoise e Bruce McLaren. Beltoise tentou usar o lado de dentro da volta e assumiu brevemente a liderança. No entanto, Stewart tomou uma linha mais apertada e conseguiu uma saída melhor para a reta principal. Stewart passou por seu companheiro de Matra, enquanto Jochen Rindt usou o vácuo para desafiar Stewart pela vitória. Stewart terminou a frente de Rindt por meros 0s08, seguido por Beltoise em 0s017 e McLaren, 0s019.

4. GP da Áustria de 1982 - Elio de Angelis vs Keke Rosberg (0s05)

4. GP da Áustria de 1982 - Elio de Angelis vs Keke Rosberg (0s05)
7/10

Foto de: LAT Images

O Grande Prêmio da Áustria de 1982 não deveria fazer parte dessa lista. A corrida no Osterreichring fez história como a primeira corrida em que (alguns) carros fizeram um pitstop planejado para reabastecimento e troca de pneus. As Brabham BMW de Nelson Piquet e Riccardo Patrese se classificaram na primeira fila e se afastaram com tanques que estavam pela metade. Porém, após suas novas paradas, as Brabhams abandonaram com problemas mecânicos. Isso deixou Alain Prost da Renault confortavelmente na frente até que ele também teve que parar o carro, faltando apenas cinco voltas para o fim.

O abandono de Prost deu ao piloto da Lotus, Elio de Angelis, e ao piloto da Williams, Keke Rosberg, a chance de conquistarem a primeira vitória de ambos em um GP. Os dois estavam colados na curva final, mas o líder De Angelis fez a curva muito aberta e deu a Rosberg a chance de passar, mas De Angelis conseguiu aguentar e terminou 0s05 a frente.

3. GP da Espanha de 1986 - Ayrton Senna vs Nigel Mansell (0s014)

3. GP da Espanha de 1986 - Ayrton Senna vs Nigel Mansell (0s014)
8/10

Foto de: LAT Images

O primeiro GP no recém-construído Circuito de Jerez produziu uma corrida emocionante. Ayrton Senna converteu sua pole em uma liderança inicial da Lotus. Nigel Mansell passou por Nelson Piquet, companheiro de equipe na Williams, e começou a perseguir o brasileiro na pista espanhola. Mansell conseguiu passar por Senna, que retomou a posição com um movimento agressivo. Isso fez com que Mansell também perdesse uma posição para Alain Prost na McLaren, o que o levou aos boxes para colocar pneus novos.

Com pneus novos, Mansell passou rapidamente por Prost e avançou. Ele diminuiu a vantagem de Senna, que tentou desesperadamente bloquear Mansell e se manter na frente, mesmo com pneus gastos. Saindo da curva final, Mansell pegou o vácuo e saiu ao lado do brasileiro. Senna aguentou, terminando apenas 0s014 na frente, produzindo um dos finais icônicos da Fórmula 1. Depois Mansell brincou que ele e Senna deveriam receber 7,5 pontos cada.

2. GP dos Estados Unidos de 2002 - Rubens Barrichello vs Michael Schumacher (0s011)

2. GP dos Estados Unidos de 2002 - Rubens Barrichello vs Michael Schumacher (0s011)
9/10

Foto de: Sutton Motorsport Images

Quando a F1 visitou Indianápolis, em setembro de 2002, Michael Schumacher já havia conquistado seu quinto título mundial. O GP da Áustria, em que o companheiro de equipe, Rubens Barrichello, foi instruído a deixar Schumacher passar para vencer, estava longe de ser esquecido. Com o título garantido, Barrichello estava autorizado a lutar contra Schumacher. O alemão liderou prova saindo da pole com Barrichello ao seu lado, e estava pronto para vencer sua décima primeira prova da temporada até que ele levantou o pé do acelerador chegando na reta principal. Barrichello, sem saber o que seu companheiro de equipe estava fazendo, inicialmente reduziu também, mas finalmente se adiantou e venceu por apenas 0s011.

Schumacher aparentemente queria um empate, mas depois mudou o papo e sugeriu que o resultado uma compensação das ordens da equipe à Barrichello na Áustria. O evento não caiu muito bem para a F1 diante de seu público americano. De qualquer forma, como Barrichello disse depois, "uma vitória é uma vitória".

1. GP da Itália de 1971 - Peter Gethin vs Ronnie Peterson (0s01)

1. GP da Itália de 1971 - Peter Gethin vs Ronnie Peterson (0s01)
10/10

Foto de: LAT Images

Monza continuou fazendo seu nome como um circuito que produz emoções e brigas em alta velocidade. Após as provas de 1967 e 1969, quando os dez primeiros chegaram muito próximos, foi a edição de 1971 do GP da Itália que fez história como a chegada mais próxima de todos os tempos da Fórmula 1. A corrida foi uma repetição de 1969, com um grupo de quatro carros disputando a vitória.

Peter Gethin saiu da Parabólica na liderança, sendo seguido por Ronnie Peterson na March, Francois Cevert de Tyrrell e Mike Hailwood na Surtees. Peterson colocou de lado, mas Gethin conseguiu manter-se na frente e vencer por 0s01. Cevert alcançou a vaga final do pódio, terminando à frente de Hailwood. A corrida também seria o GP mais rápido da história da F1 com uma velocidade média de 242.615 km/h, um recorde que durou 32 anos até o GP da Itália de 2003.

VÍDEO: Quem são os campeões mais irregulares da história da F1?

PODCAST: Quais pilotos mereciam ganhar títulos da F1 e não levaram?

 

 

Próximo artigo
No centro da crise de saúde, GP da Itália quer evitar desastre que aconteceu na Austrália

Artigo anterior

No centro da crise de saúde, GP da Itália quer evitar desastre que aconteceu na Austrália

Próximo artigo

Horner rebate redução do teto: "Comprem nossos carros para eliminar gastos"

Horner rebate redução do teto: "Comprem nossos carros para eliminar gastos"
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Filip Cleeren