Fórmula 1
29 ago
-
01 set
Evento encerrado
05 set
-
08 set
Evento encerrado
19 set
-
22 set
Evento encerrado
26 set
-
29 set
Evento encerrado
10 out
-
13 out
Evento encerrado
31 out
-
03 nov
Próximo evento em
9 dias
14 nov
-
17 nov
R
GP de Abu Dhabi
28 nov
-
01 dez
Próximo evento em
37 dias

GALERIA: Grandes atuações de brasileiros em Mônaco na Fórmula 1

compartilhar
comentários
GALERIA: Grandes atuações de brasileiros em Mônaco na Fórmula 1
Por:
24 de mai de 2019 13:30

Senna foi único piloto do Brasil a vencer no Principado, mas Fittipaldi, Piquet, Barrichello, da Matta, Bernoldi e Massa tiveram seus bons momentos

O Brasil não tem nenhum piloto titular no grid da Fórmula 1 nessa temporada, mas a presença do brasileiros na categoria ao longo das últimas décadas garante um lugar cativo ao país entre as grandes nações do esporte.

Leia também:


Considerada a prova mais charmosa da categoria, o GP de Mônaco tem um "Rei". E ele é brasileiro: Ayrton Senna, com seis vitórias. No entanto, há outros grandes momentos do país nas estreitas ruas do Principado.

Veja abaixo galeria de imagens exclusivas das grandes atuações de brasileiros em Mônaco:

Galeria
Lista

Emerson Fittipaldi, 1971

Emerson Fittipaldi, 1971
1/35

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

O brasileiro foi o primeiro do país a brilhar nas ruas do principado. Em uma bela prova de recuperação, Emerson se redimiu do mau desempenho no treino classificatório. Com sua Lotus, partiu de 17º para chegar em quinto e somar seus primeiros pontos no mundial.

Emerson Fittipaldi, 1972

Emerson Fittipaldi, 1972
2/35

Foto de: LAT Images

Se no ano anterior havia ido mal nos treinos, em 1971 Emerson marcou sua primeira pole na F1, primeira também do Brasil. Na prova, disputada sob chuva, Emerson perdeu sua vantagem ao cometer um erro no início da corrida, mas conseguiu se recuperar, garantindo um lugar no pódio e a liderança do campeonato. Com o terceiro lugar, conquistou o primeiro pódio brasileiro em Mônaco.

Emerson Fittipaldi, 1974

Emerson Fittipaldi, 1974
3/35

Foto de: LAT Images

No ano do bicampeonato, Fittipaldi que disputava sua primeira temporada pela McLaren, precisou fazer mais uma prova de recuperação. Largando de 13º para chegar em quinto, Emerson conseguiu somar pontos preciosos que lhe ajudaram a conquistar o segundo título.

José Carlos Pace, 1975

José Carlos Pace, 1975
4/35

Foto de: LAT Images

O piloto do carro número oito brilhou em sua quarta vez guiando pelas ruas de Montecarlo, fechando a prova em terceiro. Dirigindo pela Brabham, Pace teve em 75 sua melhor temporada na F1, chegando a vencer em Interlagos e fechando o ano na sexta posição. Em 1977 o brasileiro morreu em um acidente aéreo. O autódromo de São Paulo, foi então rebatizado em sua homenagem.

Emerson Fittipaldi, 1975

Emerson Fittipaldi, 1975
5/35

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

Quem também brilhou na prova de 75 foi Emerson, que conquistou com o segundo lugar, o último de seus três pódios em Mônaco.

Emerson Fittipaldi, 1980

Emerson Fittipaldi, 1980
6/35

Foto de: LAT Images

Em 1980 Emerson pilotava por sua própria equipe, a unica brasileira a competir na F1 até hoje. Em Montecarlo, a escuderia Fittipaldi repetia naquele ano, seu melhor resultado, um sexto lugar. O ponto conquistado pelo campeão, foi o último que a equipe conquistou no principado.

Nelson Piquet, 1980

Nelson Piquet, 1980
7/35

Foto de: Jean-Philippe Legrand

Outro brasileiro que brilhou em 80, foi Nelson Piquet, que conseguiu o primeiro de seus três pódios nas curvas da cidade. Era também a terceira vez naquela temporada que o piloto da Brabham terminava entre os três primeiros, desempenho que se manteve até o fim do ano quando garantiu o vice campeonato.

Nelson Piquet, 1981

Nelson Piquet, 1981
8/35

Foto de: LAT Images

Piquet, que conquistaria seu primeiro título naquele ano, teve um fim de semana agridoce em Montecarlo. O brasileiro foi o mais rápido no sábado e garantiu a pole. Durante a corrida, liderou a maior parte das 53 voltas que completou, até precisar abandonar após rodar e bater, depois de uma ultrapassagem mal sucedida sobre um retardatário.

Nelson Piquet, 1983

Nelson Piquet, 1983
9/35

Foto de: LAT Images

Para conseguir seu segundo pódio em Mônaco, Piquet precisou superar 4 oponentes que largaram a sua frente. O brasileiro contou com a sorte para herdar duas posições e garantiu a segunda posição batendo Alain Prost e Patrick Tambay na pista.

Ayrton Senna, 1984

Ayrton Senna, 1984
10/35

Foto de: XPB Images

Quem imaginaria que já em sua quarta corrida na categoria o jovem Ayrton Senna deixaria o universo da F1 boquiaberto? Pois a chuva caiu forte durante a prova de Mônaco em 84, permitindo ao brasileiro se destacar, mesmo contando com uma fraca Toleman. Senna foi superando um a um os rivais até que, a pedido de Alain Prost, a prova foi encerrada, justamente quando o novato se preparava para ultrapassar o francês e assumir a liderança.

Ayrton Senna, 1984

Ayrton Senna, 1984
11/35

Foto de: Sutton Motorsport Images

Apesar do incrível feito de subir ao pódio na segunda posição, o jovem Ayrton não estava satisfeito. O pedido para encerrar a prova custou caro a Prost, pois com a interrupção, apenas metade dos pontos foram entregues, o que mais tarde faria falta ao francês, pois perdeu o título para o companheiro de equipe, Niki Lauda, por apenas meio ponto naquele ano.

Ayrton Senna, 1985

Ayrton Senna, 1985
12/35

Foto de: XPB Images

Em 85 Senna esteve perto de vencer a prova que lhe escapara no ano anterior, mas uma falha no motor da Lotus impediu o brasileiro de vencer pela primeira vez em Montecarlo. A pole position conquistada no sábado foi o consolo de Ayrton.

Ayrton Senna, 1985

Ayrton Senna, 1985
13/35

Foto de: Sutton Motorsport Images

O segundo ano pilotando pela Lotus rendeu ao brasileiro o segundo pódio na pista em que mais tarde reinaria. E pela segunda vez ele teve de assistir Alain Prost ser o primeiro a estourar a champagne. Senna chegou em terceiro, logo atrás de Keke Rosberg e do francês que se tornaria seu grande rival.

Nelson Piquet, 1987

Nelson Piquet, 1987
14/35

Foto de: Sutton Motorsport Images

Piquet, que uma vez afirmou que correr em Mônaco era como andar de bicicleta dentro de casa, conseguiu em 87 seu terceiro e último pódio na pista, chegando em segundo lugar e fazendo dobradinha com Senna que vencia pela primeira vez no circuito. Com mais uma pole position e uma volta mais rápida, é um retrospecto respeitável para quem achava tão ruim guiar no principado.

Ayrton Senna, 1987

Ayrton Senna, 1987
15/35

Foto de: LAT Images

O início do reinado. Após bater na trave em três oportunidade, finalmente Senna conseguiu sair vitorioso do principado. Piquet foi o segundo, garantindo a única dobradinha brasileira já alcançada nas ruas de Montecarlo.

Ayrton Senna, 1988

Ayrton Senna, 1988
16/35

Foto de: Sutton Motorsport Images

Após largar da pole e dominar parte da corrida, tudo se encaminhava para mais um fim de semana perfeito para Senna em Mônaco, mas um erro custou a vitória ao brasileiro. Este foi o primeiro e último erro do brasileiro na pista em que jamais deixou de vencer novamente.

Ayrton Senna, 1989

Ayrton Senna, 1989
17/35

Foto de: LAT Images

A segunda de suas seis vitórias no circuito foi especial pois o brasileiro finalmente dava o troco à Prost, relegando ao francês o segundo lugar no pódio e garantindo uma dobradinha para a McLaren.

Ayrton Senna, 1990

Ayrton Senna, 1990
18/35

Foto de: LAT Images

No ano do bicampeonato, Senna deixou claro que Mônaco era seu território, conquistando sua quarta pole, quarta melhor volta e terceira vitória na cidade.

Ayrton Senna, 1991

Ayrton Senna, 1991
19/35

Após conquistar sua última pole em Montecarlo, Senna precisou se esforçar para segurar a pressão de Nigel Mansell ao longo da prova. Naquele momento as Williams davam sinais de que em breve derrubariam a supremacia da McLaren, o que ocorreria à partir da segunda metade do campeonato e nos anos seguintes.

Ayrton Senna, 1992

Ayrton Senna, 1992
20/35

Foto de: LAT Images

Largando na terceira posição atrás das Williams que haviam vencido as quatro provas anteriores, Senna conquistou uma vitória espetacular. Na largada usou sua experiência para ganhar a segunda posição de Ricardo Patrese e mais tarde, em um golpe de sorte para o brasileiro, a porca de uma das rodas de Mansell se soltou e o inglês precisou ceder a liderança a Ayrton e parar para resolver o problema. As últimas voltas foram pura adrenalina, com Mansell pressionando Senna em todas as curvas. Com a vitória, Senna igualou os cinco triunfos de Graham Hill na lendária pista.

Ayrton Senna, 1993

Ayrton Senna, 1993
21/35

Foto de: Rainer W. Schlegelmilch

A coroação do rei. Ao conquistar a sexta vitória em Mônaco, Senna se isolou como maior vencedor da pista, recorde que permanece até hoje. Foi a última participação do piloto em Montecarlo, acumulando seis vitórias, dois pódios, dois abandonos, cinco poles e quatro voltas mais rápidas. Isso tudo em 10 participações.

Christian Fittipaldi, 1993

Christian Fittipaldi, 1993
22/35

Foto de: LAT Images

O sobrinho do bicampeão mundial fez apenas 40 corridas na F1, mas conquistou alguns resultados expressivos durante sua passagem pela fraca Minardi. Um deles aconteceu nas ruas de Montecarlo, onde o improvável aconteceu e Cristian partiu da 17ª posição para chegar em quarto e somar dois dos sete pontos marcados pela Minardi no campeonato, o que rendeu a oitava posição no mundial ao time.

Rubens Barrichello, 1997

Rubens Barrichello, 1997
23/35

Foto de: Sutton Motorsport Images

Depois de uma sucessão de infelicidades em Mônaco, Rubinho finalmente subiu ao pódio em 97. O brasileiro que largou da décima posição, se beneficiou de vários abandonos e conseguiu se manter na pista para cruzar a linha de chegada na segunda posição.

Pedro Diniz, 1998

Pedro Diniz, 1998
24/35

Foto de: Charles Coates / Motorsport Images

A corrida no principado foi muito importante para Diniz e sua equipe, a Arrows. Até aquele momento o time havia tido problemas em todas as provas e estava zerada na tabela de pontos. O brasileiro que largou em 12º, viu a maioria dos rivais abandonarem e conseguiu impor um ritmo consistente para capitalizar e somar seu primeiro ponto no mundial, ao chegar em sexto.

Rubens Barrichello, 2000

Rubens Barrichello, 2000
25/35

Foto de: LAT Images

Mais um pódio para o brasileiro em Mônaco. Em seu primeiro ano pela Ferrari, Barrichello igualou na prova, o recorde pessoal de pódios em uma única temporada: três. Até o fim do ano, Rubinho garantiu a bandeira verde e amarela mais seis vezes entre os três primeiros.

Rubens Barrichello, 2001

Rubens Barrichello, 2001
26/35

Foto de: Ferrari Media Center

Em 2001 Barrichello subiu pela terceira vez ao pódio em Mônaco, e pela terceira vez na segunda posição. Desta vez, o brasileiro fechou a dobradinha da Ferrari, que dominou o campeonato daquele ano.

Enrique Bernoldi, 2001

Enrique Bernoldi, 2001
27/35

Foto de: Arrows Grand Prix International

O feito de Bernoldi parece pequeno para entrar nessa galeria, mas o brasileiro conseguiu segurar por 35 voltas o então vice líder do campeonato, David Coulthard, que contava com uma vencedora McLaren, enquanto Bernoldi corria por uma Arrows que se arrastava em problemas financeiros. A garra do brasileiro foi alvo de elogios da imprensa e de reclamações do chefe da McLaren, Ron Dennis, que chegou a ameaçar encerrar a carreira do jovem. O nono lugar na corrida não reflete o tamanho de seu feito.

Rubens Barrichello, 2004

Rubens Barrichello, 2004
28/35

Foto de: Ferrari Media Center

2004 foi temporada mais consistente de Barrichello na F1, que conseguiu 14 pódios em 18 provas, incluindo duas vitórias. O brasileiro chegou ao pódio pela quarta vez nas ruas de Mônaco, na terceira posição.

Cristiano da Matta, 2004

Cristiano da Matta, 2004
29/35

Foto de: Toyota Racing

Outro brasileiro a se destacar nas ruas de Montecarlo foi o mineiro Cristiano da Mata, que corria pela Toyota em 2004. Partindo da 15ª posição, Cristiano conseguiu ganhar algumas posições e fechar a prova na sexta posição, somando seus três últimos pontos na categoria.

Felipe Massa, 2004

Felipe Massa, 2004
30/35

Foto de: Bridgestone Corporation

Mais um brasileiro a brilhar na prova de 2004 foi Felipe Massa, que disputava sua segunda temporada na F1. O brasileiro largou na 16ª posição e conseguiu chegar ao quinto lugar, somando quatro pontos para a Sauber. Naquele ano, Massa teve dois companheiros de equipe, Nick Heidfeld e o campeão Jacques Villeneuve, superando ambos.

Felipe Massa, 2007

Felipe Massa, 2007
31/35

Foto de: XPB Images

Na segunda temporada que fez pela Ferrari, Massa começou forte o ano, brigando de frente com Raikkonen, Alonso e Hamilton. Felipe chegou ao Mônaco ostentando duas vitórias seguidas e havia se aproximado das McLarens no campeonato. O terceiro lugar em Mônaco, foi seu primeiro pódio correndo nas ruas da cidade.

Felipe Massa, 2008

Felipe Massa, 2008
32/35

Foto de: XPB Images

Na temporada em que disputou o título até a última curva, Felipe teve seu melhor ano na categoria. O brasileiro chegou ao GP de Mônaco como vice líder e anotou a pole position para o grid de largada.

Felipe Massa, 2008

Felipe Massa, 2008
33/35

Foto de: XPB Images

Felipe liderou boa parte da prova disputada com chuva, mas o que pareceu um lance de azar para o rival Lewis Hamilton, acabou se virando contra Massa. O britânico cometeu um erro que lhe obrigou a ir para os boxes e mudar a estratégia, o que mais tarde lhe rendeu a vitória. Felipe Massa fechou conseguiu seu segundo e último pódio em Montecarlo, com a terceira posição.

Rubens Barrichello, 2008

Rubens Barrichello, 2008
34/35

Foto de: XPB Images

Pilotando o fraco carro da Honda, Rubinho vivia fase de seca na F1 desde a temporada anterior, completando 22 provas sem pontuar. Mas a chuva que atrapalhou os planos de Massa, foi benéfica Barrichello que sempre andou bem molhado. O brasileiro aproveitou a chance escalou o grid, partindo de 15º e fechando a prova na sexta posição.

Rubens Barrichello, 2009

Rubens Barrichello, 2009
35/35

Foto de: XPB Images

O último pódio brasileiro em Montecarlo ficou a cargo de Rubinho, em 2009, pilotando pela Brawn GP, equipe formada às pressas após a Honda desistir de seguir na F1. Surpreendentemente, o carro da equipe foi o mais veloz durante a primeira parte do campeonato, o que deu a Barrichello a chance de lutar por vitórias. Em Mônaco Rubinho foi segundo colocado.

 

Próximo artigo
F1: Mercedes usará halo vermelho em homenagem a Lauda em Mônaco

Artigo anterior

F1: Mercedes usará halo vermelho em homenagem a Lauda em Mônaco

Próximo artigo

F1 confirma minuto de silêncio antes de GP de Mônaco em homenagem a Lauda

F1 confirma minuto de silêncio antes de GP de Mônaco em homenagem a Lauda
Carregar comentários