Grosjean substitui Button como diretor da GPDA

Após saída da Fórmula 1, piloto britânico entrega cargo a francês da Haas em organização dos pilotos

Grosjean substitui Button como diretor da GPDA
Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Jenson Button
(L to R): Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 with Alex Wurz, Williams Driver Mentor / GPDA Chairman
The car of Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Romain Grosjean, Haas F1 Team
Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Alex Wurz, Williams driver coach
Carregar reprodutor de áudio

Jenson Button não é mais diretor da GPDA. No cargo desde 2013 ao lado do alemão Sebastian Vettel, o piloto trabalhava para defender os interesses de seus colegas dentro da Fórmula 1.

Porém, com a sua saída da McLaren no fim do ano passado, o piloto dará lugar a partir de agora a Romain Grosjean da Haas, que foi votado pelos membros da associação durante o GP da Rússia.

"Estou orgulhoso por ter sido eleito pelos meus colegas como diretor do GPDA", disse Grosjean.

"Nós, pilotos de corrida, nem sempre temos a mesma opinião, mas como grupo estamos unidos em querer o melhor para o nosso esporte.”

"Acredito que temos um importante papel e um dever de coordenar uns aos outros e apoiar as partes interessadas na evolução do esporte."

Presidente da GPDA, o austríaco Alexander Wurz elogiou Button por seus esforços e deu as boas-vindas a Grosjean.

"Foi um prazer trabalhar com Jenson nos últimos anos, já que ele sempre colocou os interesses dos pilotos e do esporte em primeiro lugar", disse Wurz.

"Nos últimos anos, Romain tem sido um membro muito ativo da GPDA.”

"Ele tem muita energia e pensa muito sobre o nosso esporte. Sebastian [Vettel] e eu damos a ele as boas-vindas e temos certeza que ele será uma ótima adição à associação."

compartilhar
comentários
Bottas é 10º que mais demorou a vencer na F1; veja lista
Artigo anterior

Bottas é 10º que mais demorou a vencer na F1; veja lista

Próximo artigo

Novo chefe da F1 lamenta Alonso na Indy 500: “não é o ideal”

Novo chefe da F1 lamenta Alonso na Indy 500: “não é o ideal”