Haas diz que desistiu de apoio a Grosjean na Indy após acidente: "Não poderia dar-lhe dinheiro para sair e se matar"

Gene Haas, dono da equipe norte-americana, planejava apoiar o francês em seu projeto na Indy este ano

Haas diz que desistiu de apoio a Grosjean na Indy após acidente: "Não poderia dar-lhe dinheiro para sair e se matar"

Gene Haas, dono da equipe norte-americana Haas, revelou que retirou o apoio a Romain Grosjean após o francês sofrer um acidente brutal na Fórmula 1, no GP do Bahrein, em novembro do ano passado.

O acidente de Grosjean nos estágios iniciais do GP do Bahrein não teve apenas consequências físicas para o ex-piloto de F1, que sofreu ferimentos principalmente nas mãos. Além disso, a Haas tomou uma decisão drástica sobre o futuro do piloto.

Leia também:

Embora a equipe americana já tivesse anunciado que não contaria nem com Grosjean nem com Kevin Magnussen em 2021, Gene Haas planejava apoiar o francês em seu projeto na Indy. 

A Haas, que tem experiência em automobilismo nos Estados Unidos, além de possuir uma equipe na Nascar, planejava apoiar Grosejean e preparar sua transição da F1 para a Indy. Mas tudo mudou depois daquela noite de corrida em Sakhir.

"Ele nos perguntou se poderíamos patrociná-lo na Indy e acho que no início estavávamos bastante dispostos a fazer isso", comentou Gene Haas recentemente à revista Racer. "Mas quando ele sofreu o acidente no Bahrein, fiquei feliz por ele não ter se matado." 

"Tendo o carro totalmente destruído, não poderia estar mais do que feliz por ele ter sobrevivido ao acidente”, relatou o dono da equipe.

“Não sei...ele tem mulher e três filhos e eu apenas disse a ele que não poderia dar-lhe dinheiro para sair e se matar. Achei que ele precisava estar em casa e cuidar da família. Ele se livrou de uma boa. Se você realmente entende o que aconteceu ali ... se aquele carro tivesse batido alguns graus de um lado ou do outro, ele não teria conseguido sair dali e teria morrido. Ele teve muita sorte ", acrescentou.

"A equipe também teve muita sorte. Eu não suportaria o fato de que haveria uma viúva com filhos. Não podia. Então eu disse 'Não, fique em casa, não posso mais ajudá-lo." 

Mesmo assim, Grosjean manteve seus planos e vai competir na Indy em 2021 com a Dale Coyne - equipe que Alex Palou estreou em 2020. Grosjean, inclusive, já completou um dia de teste no circuito Barber Motorsport Park na última quarta-feira (24).

"Grosjean é um ótimo piloto. Ele teve ótimos dias em que me fez pensar que era tão bom quanto qualquer outra pessoa. Ele adora guiar e essa é sua escolha. Só não quero fazer parte de uma má decisão. Foi o dia de mais sorte de toda a história da Haas na F1, graças ao fato de Grosjean ter sobrevivido e praticamente sem ferimentos", insistiu Haas.

“Não foi tão terrível que ele saltou das chamas, mas pelo fato de que o halo ficou preso entre as grades de proteção. Se fosse um pouco menor, seu capacete não teria entrado e ele teria morrido. Foi por pouco”, concluiu.

EXCLUSIVO: BAND fecha com COMENTARISTAS da F1 e STOCK; VEJA os nomes

Podcast #090 – Corridas aos sábados e tetos: revolução imposta pela Liberty pode tirar DNA da F1?

 

 

compartilhar
comentários
F1: Pérez conta com sua experiência para vencer Verstappen

Artigo anterior

F1: Pérez conta com sua experiência para vencer Verstappen

Próximo artigo

F1: Ferrari crê que problemas de velocidade em reta foram corrigidos

F1: Ferrari crê que problemas de velocidade em reta foram corrigidos
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1 , IndyCar
Pilotos Romain Grosjean
Equipes Haas F1 Team
Autor Sergio Lillo