Marko afirma que Red Bull e Honda chegaram a acordo para 2022

Segundo o consultor da equipe austríaca, tudo depende de um posicionamento da FIA para confirmar o negócio

Marko afirma que Red Bull e Honda chegaram a acordo para 2022

A Fórmula 1 pode estar próxima de manter em quatro o número de fornecedora de motores para a categoria. Segundo o consultor da Red Bull, Helmut Marko, a marca austríaca chegou a um acordo com a Honda para assumir o programa de desenvolvimento de unidades de potência. Porém, tudo depende ainda de um fator determinante: um posicionamento da FIA sobre o congelamento dos motores a partir de 2022.

Nos últimos meses, a Red Bull vinha negociando com a Honda e, segundo informado por Marko à publicação alemã Auto Motor und Sport, as discussões foram concluídas e as partes chegaram a um acordo favorável à marca austríaca.

Leia também:

O único problema que a Red Bull ainda tem pela frente é a FIA. Como a equipe não possui o conhecimento e os recursos para seguir desenvolvendo o motor mais três ou quatro anos, ela depende que a Federação aprove o congelamento das unidades. Caso isso seja confirmado, a Red Bull passa a ser sua própria fornecedora.

Segundo Marko, a FIA deve oficializar sua posição até a próxima semana, mas acredita que não deve ter problemas já que as outras montadoras se posicionaram a favor: "É de senso comum essa decisão".

"Tudo está acordado entre nós [Red Bull e Honda]. O momento está aí. Mas ainda não temos um acordo final até que a FIA prove por escrito que a paralisação no desenvolvimento dos motores entrará em vigor".

O anúncio da saída da Honda da F1 no final deste ano pegou a categoria de surpresa e a Red Bull com um grande problema nas mãos: buscar uma nova fornecedora de motores, sendo que o panorama não estava a seu favor.

Enquanto a Mercedes havia deixado claro que não tinha como fornecer motores para mais duas equipes, já que produzia para outras quatro, a Ferrari estava em situação similar, já que passaria de três para cinco, mas não fechou as portas, afirmando que tudo dependia da proposta da marca.

Já a Renault, que passaria a fornecer motores apenas para ela em 2021, era uma outra situação. A montadora francesa era parceira da Red Bull até o final de 2018, mas esse relacionamento teve um divórcio conturbado e a equipe temia refazer o acordo, apesar da grande chance de não ter outra saída.

Em meio a esse dilema, surgiu a possibilidade que a Red Bull via como a mais interessante: assumir o programa da Honda e passar a desenvolver o seu próprio motor. Mas com a tecnologia cara e complexa da era turbo híbrida, a marca via essa opção como provável apenas sob uma condição: que a FIA congelasse o desenvolvimento dos motores a partir de 2022.

Enquanto a Mercedes se colocou a favor dessa possibilidade de imediato, a Ferrari e a Renault se posicionaram contra, apesar da montadora italiana mudar de visão posteriormente. Segundo Marko, até a marca francesa, que era a mais determinada em sua posição contrária, acabou mudando de ideia, passando a apoiar o congelamento, o que deixa um caminho favorável para a Red Bull.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

Ultrapassagens  caem em 2020; saiba quais foram os GPs mais e menos manobras

PODCAST: Chico Serra fala de rivalidade com Piquet, amizade com Senna e briga com Boesel

 

compartilhar
comentários
Domenicali: "Hamilton não me confirmou se vai renovar ou não com Mercedes"

Artigo anterior

Domenicali: "Hamilton não me confirmou se vai renovar ou não com Mercedes"

Próximo artigo

Chefe da Haas diz que Grosjean não recebeu crédito que merecia na F1

Chefe da Haas diz que Grosjean não recebeu crédito que merecia na F1
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Redação Motorsport.com