Relembre pilotos da F1 que chegaram em primeiro, mas não venceram

A lista de pilotos que não venceram corridas em que cruzaram a linha de chegada na frente inclui Hunt, Prost, Senna, Schumi, Hamilton e Vettel

Relembre pilotos da F1 que chegaram em primeiro, mas não venceram
Carregar reprodutor de áudio

O caótico GP do Brasil de 2003 de Fórmula 1 é lembrado, entre outras coisas, pelo forte acidente de Fernando Alonso. O piloto encontrou uma roda do Jaguar de Mark Webber e não pôde evitar o golpe, com a bandeira vermelha acionada e a corrida encerrada antes da distância prevista.

Mas talvez a coisa mais incrível que aconteceu naquele dia foi que o resultado da corrida mudou depois da cerimônia de pódio, que tinha apenas dois pilotos, já que Alonso, terceiro, não pôde estar lá.

Leia também:

Naquele dia, Kimi Raikkonen se tornou o sétimo piloto da história a alcançar sua segunda vitória na Fórmula 1 logo depois da primeira. No entanto, seria algo temporário, já que a revisão dos comissários acabou dando o triunfo ao italiano Giancarlo Fisichella.

É uma das 13 vezes em que, na história moderna da categoria, o piloto que cruzou a linha de chegada em primeiro não foi o verdadeiro vencedor. O Motorsport.com relembra todos esses casos na galeria abaixo. Confira:

GP do Canadá de 1973
GP do Canadá de 1973
1/13
Howden Ganley não é um nome que muitos se lembram na história da Fórmula 1, embora seu momento de maior destaque tenha coincidido com a estreia do Safety Car na categoria. Em Mosport, Ganley de repente se viu atrás do Porsche 914 que havia sido ordenado por rádio para ficar à frente do carro #25 de Ganley, por engano, pois o neozelandês da equipe de Frank Williams não era o líder. A entrada do carro de segurança ocorreu após um acidente de François Cevert e Jody Scheckter, que havia deixado restos no asfalto e exigia a presença de comissários na pista. Uma vez que a corrida foi reiniciada, Ganley guiou como nunca em sua vida e se tornou o vencedor. No entanto, uma vez que o erro de tempo foi corrigido, Peter Revson foi declarado vencedor. Ganley ficou em sexto.

Foto de: David Phipps

GP da Grã-Bretanha de 1976
GP da Grã-Bretanha de 1976
2/13
James Hunt e Niki Lauda eram o foco principal da temporada de 1976 e Brands Hatch teve um pódio que não seria oficial. Porque Hunt quebrou uma suspensão em sua McLaren em um acidente causado na primeira curva após o contato entre Lauda e seu companheiro de equipe na Ferrari, Clay Regazzoni. O britânico retornou aos boxes usando uma área de escape sem completar toda a volta do circuito e venceria a corrida mais tarde. No entanto, houve protestos de várias equipes, que foram inicialmente rejeitados, embora a Ferrari insistisse e levasse o caso ao tribunal da FIA, o que desqualificaria Hunt quase dois meses depois. Isso deixou a luta pelo título em Fuji mais dramática.

Foto de: LAT Images

GP da Itália de 1978
GP da Itália de 1978
3/13
A morte de Ronnie Peterson trouxe luto à corrida em Monza e se Mario Andretti, seu parceiro na Lotus, quisesse alguma coisa, teria sido uma vitória para a equipe em um dos seus dias mais sombrios. E foi o que ele fez, derrotando Gilles Villeneuve ou pelo menos essa foi a ordem na chegada. No entanto, ambos foram penalizados com um minuto por terem queimado a largada, dando o triunfo a Niki Lauda, então piloto de Brabham.

Foto de: Ercole Colombo

GP do Canadá de 1980
GP do Canadá de 1980
4/13
Didier Pironi cruzou a linha de chegada em primeiro no seu Ligier, no dia 27 de setembro de 1980 em Montreal, mas poucos se lembram disso. Nas fotos, Alan Jones aparece como o vencedor, apesar de ter cruzado a linha de chegada quase 40 segundos depois do homem mais rápido do dia, que foi punido em um minuto por ter queimado a largada.

Foto de: LAT Images

GP do Brasil de 1982
GP do Brasil de 1982
5/13
Nelson Piquet perdeu muito líquido durante o GP do Brasil de 1982, como você pode ver na foto. Mas não apenas ele, mas também seu Brabham. O brasileiro caiu no pódio em Jacarepaguá, assim como aconteceu nos resultados finais. Keke Rosberg, que também desceu do pódio para ajudá-lo, teria o mesmo destino, porque apesar de terem passado a linha de chegada em primeiro e segundo, ambos foram desclassificados porque seus carros não atingiram o peso mínimo regulamentar. Alain Prost (Renault), um espectador da cena do seu terceiro degrau no pódio, foi o vencedor.

Foto de: LAT Images

GP de San Marino de 1985
GP de San Marino de 1985
6/13
As histórias de desclassificações para carros com peso mínimo não eram incomuns na década de 1980. Depois que Alain Prost venceu no Rio de Janeiro, quando Nelson Piquet e Keke Rosberg foram punidos, em 1985 foi o francês quem perdeu o peso, perdendo a vitória que alcançara com a McLaren em Ímola, em um dia em que vários ficaram sem combustível, incluindo Ayrton Senna. O outro piloto da Lotus, Elio de Angelis, que cruzou a linha de chegada em segundo, seria declarado vencedor após a exclusão de Prost pelos dois quilos que faltavam na balança oficial.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP do México de 1987
GP do México de 1987
7/13
A história desta corrida no Autódromo Hermanos Rodríguez é na verdade dividida por uma bandeira vermelha na volta 30, causada pelo acidente de Derek Warwick no início da Peraltada. Nigel Mansell liderou até então e Nelson Piquet passou a linha de chegada primeiro após as 63 voltas. Os tempos agregados da primeira e da segunda metades deram a Mansell uma vitória confortável, reduzindo assim a diferença para Piquet no campeonato mundial, com duas etapas restantes. No entanto, seria sua última corrida naquele ano antes de sofrer o acidente na classificação do GP do Japão.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP do Japão de 1989
GP do Japão de 1989
8/13
Um dos episódios mais controversos da história da Fórmula 1 está incluído nesta lista, o último 1-2 de Ayrton Senna e Alain Prost como companheiros de equipe da McLaren. Após o acidente de ambos na aproximação à chicane, Senna voltou à pista empurrado pelos comissários, depois parou nos boxes, mudou a asa dianteira quebrada e acabou vencendo a corrida. O brasileiro foi punido e o herdeiro da vitória seria o italiano Alessandro Nannini, da Benetton, que alcançara um segundo lugar já digno de crédito, mas que, graças à exclusão de Senna, alcançaria sua única vitória na Fórmula 1 naquele dia.

Foto de: LAT Images

GP do Canadá de 1990
GP do Canadá de 1990
9/13
Em Montreal, 10 anos depois, o fato de um piloto ter cruzado a linha de chegada primeiro e não levar a vitória foi repetido. A queima de largada aconteceu com Didier Pironi em 1980 e em 1990 com Gerhard Berger. No entanto, o beneficiário foi seu companheiro de equipe, Ayrton Senna, que, sabendo da punição, não resistiu muito quando o austríaco fez a manobra para a ponta. Berger chegou a 45 segundos à frente de Senna, mas nem assim conseguiu terminar no pódio.

Foto de: Sutton Motorsport Images

GP da Bélgica de 1994
GP da Bélgica de 1994
10/13
Michael Schumacher dominou uma edição muito particular do GP da Bélgica em Spa-Francorchamps, porque, como aconteceu em outros circuitos naquele ano após o trágico GP de San Marino, foram feitas modificações em algumas curvas rápidas. Em 1994, a combinação Eau Rouge e Raidillon se tornou uma chicane que tornaria a pista realmente mais lenta. Mas isso tem pouco a ver com o motivo desta corrida estar nesta lista, já que Michael Schumacher depois que Rubens Barrichello liderou. O único piscar de olhos do alemão ocorreu na volta 19, quando rodou e se recuperou rapidamente. Depois de celebrar no pódio, Schumacher seria desclassificado, por irregularidades no assoalho.

Foto de: LAT Images

GP do Brasil de 2003
GP do Brasil de 2003
11/13
As expressões na foto contam a história. Giancarlo Fisichella achou que havia vencido a corrida com um final abreviado em Interlagos, depois da bandeira vermelha causada pelo forte acidente de Mark Webber e momentos depois com Fernando Alonso, em uma das áreas mais rápidas do circuito. O piloto da Jordan, ultrapassou a McLaren de Kimi Raikkonen depois de um erro do finlandês antes de completar a volta 54. Quando a prova foi encerrada, na volta 56, mais de 75% da distância foi completada, os resultados foram dados por duas voltas antes da bandeira vermelha, então Kimi comemorou sua segunda vitória na Fórmula 1, mas dias depois em Paris e sob a revisão de Charlie Whiting, concordou que o resultado foi o da volta 54, quando Fisichella havia assumido a liderança.

Foto de: XPB Images

GP da Bélgica de 2008
GP da Bélgica de 2008
12/13
O final dramático do GP da Bélgica de 2008, com o duelo entre Lewis Hamilton e Kimi Raikkonen pela vitória, foi épico. No entanto, na foto acima, você pode ver o momento em que, forçado pela trajetória de Raikkonen na chicane final, Hamilton corta a curva por dentro. Hamilton cruzaria a linha de chegada primeiro e comemoraria como vencedor, mas seria penalizado em 25 segundos por seu corte na pista. Isso o deixaria em terceiro, com a vitória de Felipe Massa. Essa punição acabaria adicionando drama ao GP do Brasil meses depois.

Foto de: XPB Images

GP do Canadá de 2019
GP do Canadá de 2019
13/13
O caso mais recente ocorreu no ano passado, quando Sebastian Vettel foi punido com cinco segundos por retornar à pista de maneira insegura, na opinião dos comissários, depois de perder o controle de sua Ferrari na curva 3 do circuito de Gilles Villeneuve, quando defendeu a liderança contra Lewis Hamilton. O britânico, sabendo da punição, também não levou o duelo muito mais longe, enquanto Vettel não teve velocidade suficiente para superar a sanção que o deixou em segundo no resultado final. A raiva do alemão o levou a trocar as placas no parque fechado. Vettel teria que esperar até Singapura para sua primeira e única vitória da temporada de 2019.

Foto de: Steve Etherington / Motorsport Images

VÍDEO: Veja como e por que a Aston Martin voltará à Fórmula 1 em 2021

PODCAST Motorsport.com: Há vida feliz no automobilismo fora da Fórmula 1?

 

.

compartilhar
comentários
Memória: relembre as oito largadas mais caóticas da história da F1
Artigo anterior

Memória: relembre as oito largadas mais caóticas da história da F1

Próximo artigo

Pai de Latifi empresta R$ 318 mi para refinanciar Williams na F1

Pai de Latifi empresta R$ 318 mi para refinanciar Williams na F1
Carregar comentários