Série Pensamento dos líderes
Assunto

Série Pensamento dos líderes

Por que os principais chefes de F1 estão pensando em um "futuro maior"

A Liberty Media tem sido a dona da Fórmula 1 há cinco anos. Conversamos com Greg Maffei, CEO da Liberty, e Stefano Domenicali, CEO da F1, sobre como as coisas mudaram e os planos para o futuro da categoria

Por que os principais chefes de F1 estão pensando em um "futuro maior"
Carregar reprodutor de áudio

Greg Maffei: A Fórmula 1 nunca esteve tão saudável em todos os indicadores. O interesse dos fãs está incrivelmente elevado. Temos uma grande competição nas pistas e temos ajudado as equipes. Quando entramos na Manor, a 11ª equipe tinha acabado de ser vendida em liquidação por uma libra (R$ 5,99). E hoje, não creio que se possa comprar uma equipe por menos de US$ 500 milhões (R$ 2,39 bilhões), talvez US$ 700 milhões (R$ 3,35 bi). Você pode ir tentar. Mas vai ser difícil. É um aumento incrível no valor. E em parte, isso se deve às coisas que foram postas em prática para tentar criar mais competição nas pistas, que também reforça a saúde dessas equipes. Você precisava ter um ecossistema saudável de equipes para que funcionasse. E eu acho que todas essas coisas estão acontecendo, e você está vendo o aumento do interesse dos fãs também. Na TV, pessoalmente, nunca tínhamos tido eventos maiores. Muito bom.

 

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Stefano, o principal marco em termos de aumento do valor das equipes foi o limite de custo, algo que muitos pensavam que nunca teríamos visto na F1.

Stefano Domenicali: Absolutamente. Penso que a visão que Greg teve, junto com Chase (Carey), a quem precisamos dar um grande crédito, foi a necessidade de ter uma descontinuidade em relação ao que já aconteceu antes. E descontinuidade significa ter o profissionalismo com uma maneira diferente de fazer negócios esportivos. Era a visão de tornar o negócio da Fórmula 1 sustentável do ponto de vista financeiro. Podemos falar de receitas que poderiam ser mais altas, mas o custo é algo que você tem a certeza. Portanto, a única maneira de garantir que a margem seja maior é controlar o que você gasta. Portanto, esse foi um marco muito grande que mudou completamente a visão do esporte e dá credibilidade ao sistema. Negócios sustentáveis significam que as equipes podem investir e crescer. Todos os elementos agora são seguros e financeiramente fortes. Podemos pensar em um futuro maior. Pensar no futuro maior significa que precisamos respeitar o que tem sido a Fórmula 1, mas entrar em novos mercados que potencialmente nos permitirão crescer; não apenas financeiramente, mas em termos de consciência e paixão pelo esporte. Estamos falando de um esporte que precisa ter o elemento de emoção; queremos focar a atenção principal na pista. Então grandes corridas, assegurando que os pilotos, que representam para nós as jóias, tenham a chance de lutar entre si, abrindo a possibilidade através das mídias sociais de ter a chance de vê-las. É importante entrar em contato com a nova geração. Precisamos criar diferentes narrativas para diferentes tipos de fãs. Acho que nunca houve um influxo de dinheiro de novos patrocinadores entrando no esporte assim desde que a publicidade do tabaco foi proibida em meados dos anos 2000. Praticamente toda equipe de F1 com quem você fala, eles estão quase recusando patrocinadores agora.

 

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

GM: Eu acho que eles estão, sá um limite de espaço no carro para colocar outro logotipo. O crescimento do interesse de pessoas que realmente entendem a tecnologia tem sido uma parte enorme e como isso tem aumentado o interesse entre as comunidades tecnológicas no Vale do Silício - veja quantos dos carros agora têm um patrocinador da área tecnológica, se não múltiplos patrocinadores. Isso abriu um espaço, mas também temos fãs que são mais casuais e apreciam talvez as histórias dos pilotos, as personalidades. Depois há a crescente juventude de nossos fãs, por uma pesquisa (Motorsport Network Global F1 Fan Survey 2021) nós reduzimos a idade média em quatro anos. Isso abriu um monte de produtos de consumo e um monte de outros tipos de marcas que o acham atrativo. Portanto, tivemos realmente muita sorte em ter todo tipo de interesse dos patrocinadores.

SD: Pense apenas na profundidade das criptomoedas. Temos 10 marcas diferentes de criptomoedas. E posso dizer que os negócios de software são exatamente os mesmos. [É] muito saudável. Isso significa que, pela primeira vez, não há necessidade de ter qualquer tipo de empréstimo que costumava ser normal no passado, para garantir que as equipes estivessem vivas. Portanto, elas são muito sólidas. E isto é uma grande recompensa por seu investimento em nós. E esta é a razão pela qual acreditamos que a comunidade das equipes tem que ser respeitada. Hoje não é um problema ter mais equipes, porque temos uma lista; algumas delas são mais eloquentes do que outras, mas muitas pessoas e investidores gostariam de estar na Fórmula 1. Mas é preciso protegê-la. Portanto, este é realmente mais um sinal de um sistema muito saudável.

Max Verstappen, Red Bull Racing RB18.

Max Verstappen, Red Bull Racing RB18.

Photo by: Red Bull Content Pool

Então, você tem o número certo de equipes agora com dez?

SD: Acho que sim. Qualquer um que queira entrar tem que ser realmente significativo.

GM: Sobre o público jovem, creditamos à Netflix por abri-la a muitas pessoas. Mas o que é fascinante é quantas dessas pessoas entraram de diferentes maneiras. A mídia social tem uma parte enorme. Jogos: você pode jogar com Lando Norris e correr na mesma pista que o Lando. Isso é muito atrativo para muitos fãs jovens. Isso não existia há sete anos, realmente não foi planejado. E assim abrir o esporte, tornando-o mais atrativo. Sim, tem elementos de exclusividade, com certeza. Mas há elementos que todos os torcedores podem tocar. Outro de seus objetivos era o crescimento do esporte nos Estados Unidos. Vimos Miami ser acrescentada este ano. No próximo ano, teremos uma terceira corrida nos Estados Unidos, em Las Vegas. Que outras áreas no futuro você quer impulsionar?

SD: Há outras áreas do mundo que querem ter a Fórmula 1. E eu acho que uma área que queremos desenvolver é a área africana porque este é um campeonato mundial. Portanto, acho que estamos trabalhando muito para garantir que esta seja uma área onde teremos um Grande Prêmio muito em breve. E depois há o interesse no Extremo Oriente. E não queremos perder o interesse, naturalmente, na Europa, porque nascemos aqui. E vamos ficar aqui porque ouço muitas vozes, sabe, isso não é verdade. A beleza da situação hoje é que temos muitas opções.

Uma das principais estratégias futuras é a mudança que vamos ter em 2026, para combustíveis 100% sustentáveis. Estaremos efetivamente mostrando esta tecnologia no maior espetáculo esportivo anual do mundo. E isso tem que ser transformador.

SD: Eu diria que sim. E eu acho que queremos ser realistas. Queremos ver as coisas acontecendo de imediato. E acreditamos que é uma opção que permitirá às fabricantes serem credíveis em uma dimensão que também será lucrativa para elas. Com todo respeito, pensar que a eletrificação atingirá o mundo inteiro dentro de dois anos - sabemos que isso não é possível. Portanto, também do ponto de vista técnico, a escolha estratégica de ser sustentável com motores híbridos, acreditamos ser a opção certa. E esta é a razão pela qual temos muito interesse de outras fabricantes em vir conosco.

GM: O esporte obviamente tem muitos atributos positivos, pensamos que podemos ser positivos indo a lugares como a África e expandindo o público, e expandindo o interesse pelo automobilismo em todo o mundo. Esse não é necessariamente o lugar onde vamos ganhar mais dinheiro. Mas se você investir a longo prazo, pensamos que é a oportunidade certa. Pensando em sustentabilidade. No caso dos EUA, eu sei muito bem que existem 250 milhões de carros nos EUA, 200 milhões dos quais circulam. Eles duram em média cerca mais de 11 anos, as pessoas compram carros usados. Na melhor das hipóteses, temos de 15 a 17 milhões de carros novos por ano. Se você fizer as contas, mesmo que um terço ou metade sejam elétricos, vai levar muito tempo até que você faça alguma coisa para limpar os 200 milhões de carros existentes. A realidade é que se quisermos realmente atacar o carbono, encontrar outras formas de abastecer os 200 milhões de carros existentes é realmente a resposta certa e a melhor. Não estou dizendo que vamos curar tudo isso. Mas se pudermos contribuir para esse conhecimento, se pudermos contribuir com nosso trabalho sobre combustíveis sustentáveis, acho que é um ponto positivo.

Financial Times and Motorsport Network event
Financial Times and Motorsport Network event
1/7

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Financial Times and Motorsport Network event
Financial Times and Motorsport Network event
2/7

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Financial Times and Motorsport Network event
Financial Times and Motorsport Network event
3/7

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Financial Times and Motorsport Network event
Financial Times and Motorsport Network event
4/7

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Financial Times and Motorsport Network event
Financial Times and Motorsport Network event
5/7

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Financial Times and Motorsport Network event
Financial Times and Motorsport Network event
6/7

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Financial Times and Motorsport Network event
Financial Times and Motorsport Network event
7/7

Foto de: Steven Tee / Motorsport Images

Falamos de cinco anos desde que a Liberty Media comprou a Fórmula 1, e você entregou muitas coisas que disse que ia entregar. E quanto aos próximos cinco anos?

GM: Nós temos o benefício da administração de uma empresa de 72 anos. Portanto, pensamos no longo prazo e no que ela fará. Temos muito interesse agora. Queremos sustentar o crescimento desse interesse de forma mais ampla. E fazer coisas como ir para a África e fazer coisas sobre sustentabilidade é tudo pensando em como crescer esta franquia de 72 anos nos próximos cinco anos e nos cinco anos que vão além disso. Há uma enorme quantidade de impulso agora que gostaríamos de capitalizar sobre isso. Não apenas financeiramente, mas para a amplitude do esporte.

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #180 – ‘Autossabotagem’ da Ferrari pode fazê-la perder título da F1 em 2022?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
FIA anuncia saída do diretor-executivo da F1 Peter Bayer; substituta é ex-conselheira de Wolff na Mercedes
Artigo anterior

FIA anuncia saída do diretor-executivo da F1 Peter Bayer; substituta é ex-conselheira de Wolff na Mercedes

Próximo artigo

F1: Entenda o foco recente da Red Bull no desenvolvimento do carro

F1: Entenda o foco recente da Red Bull no desenvolvimento do carro