Renault diz que não fará “promessas loucas” para ter Alonso

Diretor da equipe, Cyril Abiteboul diz que não faz sentido contratar um piloto que se sinta frustrado com a atual situação da Renault

Renault diz que não fará “promessas loucas” para ter Alonso
Cyril Abiteboul, Renault Sport F1 Team Managing Director
Cyril Abiteboul, Renault Sport F1 Managing Director
Cyril Abiteboul, Managing Director, Renault Sport F1 Team
Jolyon Palmer, Renault Sport F1 Team RS17
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17
Sergey Sirotkin, Renault Sport F1 Team RS17
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17
Jolyon Palmer, Renault Sport F1 Team RS17
Jolyon Palmer, Renault Sport F1 Team RS17
Sergey Sirotkin, Renault Sport F1 Team RS17
Sergey Sirotkin, Renault Sport F1 Team RS17
Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17

A Renault garante que não fará nenhuma “promessa louca” na tentativa de contratar o astro Fernando Alonso para a temporada de 2018 da F1, já que pretende trazer à sua equipe apenas pilotos que estão dispostos a se comprometer a longo prazo.

Alonso, que vive fase de frustração na McLaren-Honda, já foi especulado em um potencial retorno à Renault, time pelo qual conquistou seus dois títulos mundiais, em 2005 e 2006.

Mas, apesar de se tratar de uma mudança que faz sentido para as duas partes, o diretor esportivo da Renault, Cyril Abiteboul, acredita que seria tentar conseguir um acordo com base em promessas que vão além ao que pode ser de fato conquistado em 2018, já que isso poderia dar espaço a novas frustrações caso as expectativas não sejam atingidas.

“Não estou aqui para arriscar a sorte com alguém. Não vivo no passado”, disse, ao Motorsport.com, Abiteboul, se a Renault estava pronta para um piloto com Alonso em 2018.

“Comecei a trabalhar na F1 quando Flavio [Briatore] e Fernando estavam juntos nesta equipe, então tenho apego emocional a este período. Mas as circunstâncias mudaram. Precisamos ter uma formação que seja a correta para o futuro. Não acho que, no ano que vem, estaremos em posição para lutar pelo campeonato. Então, precisamos de um piloto que possa nos apoiar nesta briga pelo campeonato, mas também que esteja pronto para esperar até quando isso acontecer.”

Nenhuma loucura

Enquanto está cauteloso sobre os planos de 2018, Abiteboul não tem dúvidas de que, no entanto, ter pilotos de ponta em seu time é essencial para que a Renault volte a ser vitoriosa.

“Não há um piloto que vai te fazer mudar do Grupo 2 para o Grupo 1, isso é certo. Mas, quando você está no Grupo 1, espere por algumas corridas, talvez por um ano, e, assim que houver estabilidade, cada detalhe vai contar.”

“Acho que, depois de certo ponto de estabilidade, vamos procurar por um piloto em vez de focar na equipe/carro. Se você olhar para o nosso desenvolvimento, espero que estejamos em posição de ser uma equipe de ponta em dois anos.”

“As regras estarão mais estabilizadas e todos estarão em um nível mais parecido. E, neste momento, será crucial ter um piloto que seja capaz de dar aquela última contribuição para ser o melhor. Será importante e pretendemos desempenhar esse papel, mas não temos a intenção de fazer coisas malucas. Sabemos de nossa situação e precisamos fazer projeções.”

Momento de espera

Alonso concordou com a McLaren que não fechará com ninguém até que as duas partes comecem as negociações, no verão europeu. A Renault também pretende esperar por mais algum tempo para definir sua dupla de pilotos.

Nico Hulkenberg tem um contrato de longa duração e já teve apresentações de destaque nesta temporada, enquanto que Jolyon Palmer chegou pela primeira vez ao Q3 no Bahrein.

Abiteboul disse: “Queremos ser justos com nossos pilotos. Preciso ver como nossa dupla está desempenhando e entregando resultados. Sinceramente, a temporada teve apenas algumas corridas, então não quero dizer nada a respeito de algum piloto em particular – então, este é o primeiro elemento.”

“Então, acho que é importante que haja sincronia entre o piloto e o pacote em termos de potencial, porque não faz sentido trazer um piloto que se sinta frustrado com a situação.”

“Com Nico, fechamos um acordo de longa duração e entendemos aonde isso vai nos levar. Somos muito transparentes a respeito de nossa situação, mas ele também sabe o que estamos fazendo para melhorar nos anos seguintes.”

“Mas Nico também é capaz. Ele está em um ponto da carreira onde pode fazer projeções para si mesmo. Isso é algo que deve ser levado em consideração.”

compartilhar
comentários
Wehrlein quer voltar a correr na Race of Champions

Artigo anterior

Wehrlein quer voltar a correr na Race of Champions

Próximo artigo

Grupo Estratégico da F1 deve discutir plano de ajuda à Honda

Grupo Estratégico da F1 deve discutir plano de ajuda à Honda
Carregar comentários