Sem Pérez, F1 terá recorde de quase 51 anos quebrado em Silverstone

compartilhar
comentários
Sem Pérez, F1 terá recorde de quase 51 anos quebrado em Silverstone

Principal categoria do automobilismo mundial voltará a não ter representante da América Latina desde GP da Alemanha de 1969

Muito se fala sobre a definição de uma categoria efetivamente mundial, quando o assunto é o calendário da F1 atual, após os cancelamentos dos GPs do Canadá, Estados Unidos, México e Brasil, restando à categoria correr na Europa e na Ásia na parte final da temporada.

A Covid-19 também trouxe outra raridade à tona neste fim de semana em Silverstone, palco do GP da Grã-Bretanha de 2020. Com a ausência de Sergio Pérez, pela primeira vez, desde o dia 3 de agosto de 1969, a F1 não terá um representante sequer da América Latina no grid de largada.

Leia também:

A data em questão foi o GP da Alemanha de 1969, nos 22.835 km do antigo traçado de Nurburgring, em que o único representante do continente, o mexicano Pedro Rodríguez não participou, já que a Ferrari decidiu se retirar por ser contra a presença dos carros da F2 no mesmo evento. O neozelandês Chris Amon, também da escuderia, não correu.

A pole e vitória ficaram com o belga Jacky Ickx, que superou Jackie Stewart em 57 segundos. Bruce McLaren fechou o pódio, recebendo a bandeira quadriculada 3min21s depois do vencedor. Outros tempos, mas com algo em comum.

Racing Point e Red Bull lideram, Hulkenberg vive saga para voltar à F1 e Drugovich é pole na F2

PODCAST: Bastidores do futuro do GP do Brasil e os ambientes de F1 favoritos de Reginaldo Leme

 

VÍDEO: Veja o acidente de Albon no 2º treino da F1 na Grã-Bretanha

Artigo anterior

VÍDEO: Veja o acidente de Albon no 2º treino da F1 na Grã-Bretanha

Próximo artigo

Mercedes bota ordem na casa e Bottas lidera TL3 em Silverstone antes da classificação

Mercedes bota ordem na casa e Bottas lidera TL3 em Silverstone antes da classificação
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1