Série Pensamento dos líderes
Assunto

Série Pensamento dos líderes

Wolff abre o jogo sobre futuro da F1: "É o lugar que eu quero ficar"

Comandante da equipe de maior sequência vitoriosa da F1 prevê futuro da categoria e se o futuro do automobilismo será elétrico

Wolff abre o jogo sobre futuro da F1: "É o lugar que eu quero ficar"

Com a aposentadoria de Frank Williams neste ano, Toto Wolff é agora o chefe da equipe de maior sucesso na Fórmula 1. Sua gama de responsabilidades no automobilismo para a Mercedes também inclui a Fórmula E, em que os rivais BMW e Audi anunciaram recentemente sua retirada. Então, como o chefe da equipe heptacampeã mundial vê o futuro de ambas as séries e qual é a sua visão sobre como será o automobilismo de amanhã?

Para esta edição de #ThinkingForward, falamos com Toto sobre o futuro papel dos fabricantes no esporte, o eventual confronto entre as corridas híbridas e elétricas pelo domínio e se a F1 deveria ter um teto salarial para os pilotos.

Leia também:

Começamos com a Fórmula 1 e com tudo o que aconteceu este ano, o Pacto de Concórdia, o limite de orçamento, o reinício das corridas bem-sucedido, Wolff acha que a F1 está em melhor forma agora devido às lições aprendidas com essa crise? E isso ajudará a moldar seu futuro?

TW: Bem, obviamente, este foi um ano difícil do ponto de vista esportivo. Mas o mais importante, de um ponto de vista pessoal, acho que nenhum de nós vai sair de 2020 na véspera de Ano Novo e dizer, ‘foi ótimo’. Mas acho que, assim como a mentalidade da equipe, você aprende o máximo com as situações dolorosas. E nesse aspecto, concordo com você que o esporte sairá mais forte disso. Conseguimos montar o calendário e isso graças à colaboração positiva da FIA, FOM e das equipes. E reduzimos todos os custos. Somos um dos poucos esportes no mundo que tivemos condições de fazê-lo. E acredito que isso vai nos fortalecer no futuro.

Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG, collects the Constructors trophy for Mercedes

Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG, collects the Constructors trophy for Mercedes

Photo by: Steven Tee / Motorsport Images

Do ponto de vista estratégico, um futuro de sucesso para a Fórmula 1 é obviamente onde as equipes, FIA e Fórmula 1 estão todas alinhadas no que querem que o esporte seja. E os fãs acham esse produto e as personalidades envolventes. Cinco anos atrás, acho que nenhum de nós realmente teria dito que estávamos naquele caminho. Mas é esse agora o caminho em que estamos?

TW: Acho que estamos em uma trajetória muito boa, contra todas as probabilidades, ainda estamos crescendo, na TV normal, gratuita e paga. E temos tido muito sucesso com a cooperação da Netflix, onde alcançamos novos públicos. A mídia social está crescendo muito; o esporte que mais cresce globalmente. O público que mais cresce é o público de 15 a 36 anos. E podemos ver e sentir isso a cada dia com nosso crescimento de jovens seguidores.

Eu diria a esse respeito, estamos em uma posição muito melhor do que há cinco anos. A tomada de decisão não é mais de curto prazo e errática como no passado. Mas estamos tomando decisões na escala de tempo de médio a longo prazo, o que evita a polêmica em torno de "quem tem vantagem amanhã ou hoje?" E acho, no geral, um lugar muito melhor.

Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG

Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Uma das grandes coisas que vai mudar a cara da Fórmula 1 é o limite de custo, já vimos alguns impactos de curto prazo; a aliança entre Ferrari e Haas está mudando, por exemplo, com o homem do chassi Simone Resta sendo transferido para a Haas e a equipe fazendo alianças com pilotos, como Mick Schumacher.

TW: Simone Resta foi colocado para equipes parceiras no passado, como Sauber Alfa Romeo. E ele é provavelmente um dos engenheiros muito fortes do ramo. E a esse respeito, isso é claramente um grande ganho para a Haas, como foi com a Sauber no passado. Portanto, no geral, as relações que as equipes têm umas com as outras - sejam parcerias, como a que você mencionou, ou cooperações, como temos com a McLaren, onde somos fornecedores de unidades de energia - acho que isso é importante para as economias de escala. Acho que essas equipes se beneficiam dos enormes custos de desenvolvimento que foram investidos pelos fabricantes ao longo dos anos.

Por outro lado, podemos refinanciar alguns de nossos custos operacionais. É uma situação em que todos ganham e acho que esse é o caminho a seguir. Obviamente, precisamos considerar fabricantes ou equipes que não têm esse tipo de relacionamento hoje e não acabam em uma situação em que haja uma grande discrepância. Portanto, precisamos alinhar as visões de longo prazo hoje, provavelmente 80% das equipes têm essas parcerias. Espero que, no futuro, todos tenham benefícios diferentes das razões que mencionei antes.

Nyck De Vries, Mercedes Benz EQ

Nyck De Vries, Mercedes Benz EQ

Photo by: Alastair Staley / Motorsport Images

Falando sobre o papel dos fabricantes, vimos algum movimento nos principais campeonatos este ano: a Honda decidiu que a F1 não se encaixa mais no projeto. Na Fórmula E, vimos a retirada da BMW e da Audi. Você vê isso como parte do fluxo e refluxo natural dos fabricantes em campeonatos? Ou é o início de uma reavaliação maior do valor do automobilismo para o setor automotivo?

TW: Acho que há alguns motivos para ir e vir. E o mais importante é o retorno do investimento. Se você não for capaz de gerar retornos, seja no lado da marca ou do marketing, ou na transferência de tecnologia, ou simplesmente em termos financeiros, mais cedo ou mais tarde as pessoas no conselho dirão: ‘Bem, por que estamos fazendo isso?’ E isso é absolutamente claro. Você precisa tirar algo disso. Se seus retornos não forem bons o suficiente para o padrão da indústria, ou comparados com as outras atividades que você implantou, um dia, você vai desligar essas atividades. E, além disso, se não der certo e nem mesmo o lado da marca se beneficiar disso, se eu estivesse no conselho, também consideraria fazer isso.

Mas a diferença entre como nós (Mercedes) vemos as coisas no automobilismo é que consideramos o esporte como nosso DNA; estamos construindo carros de rua e carros de corrida, e o primeiro carro da Mercedes era na verdade um carro de corrida. Não mudamos de ideia todos os anos com base no sucesso ou no fracasso. Já passamos por vários períodos de dor como Mercedes na Fórmula 1, como fornecedora de motores, mas também como equipe. Quando você olha para os anos de 2010 a 2013, três temporadas completas, não éramos competitivos, e apenas em 2013 as chances mudaram um pouco antes de sermos bem-sucedidos em 2014.

Há uma coisa que todo o capital e todos os recursos não podem comprar na Fórmula 1: o tempo. Você precisa ter paciência, precisa ter uma visão de longo prazo para colher os benefícios no futuro. No nível do conselho, as pessoas vêm e vão ou balançam com o que os mercados querem - a história da eletricidade - as empresas podem balançar dessa forma. E eu aceito isso totalmente; se eu estivesse na situação deles, consideraria isso. Mas a Daimler nunca foi assim. E é por isso que estamos na F1 hoje e obviamente com o sucesso que tivemos. Poderíamos ter saído do esporte em 2013 se não tivéssemos sido capazes de enfrentar os anos dolorosos.

Stoffel Vandoorne, Mercedes Benz EQ, EQ Silver Arrow 02

Stoffel Vandoorne, Mercedes Benz EQ, EQ Silver Arrow 02

Photo by: Sam Bloxham / Motorsport Images

Olhando para a Fórmula E especificamente, muitos fabricantes participaram da última temporada, mas a atual empresa de veículos elétricos de referência, a Tesla, não compete no esporte. Isso afeta o pensamento sobre a necessidade de fazer parte de uma categoria de corridas elétricas?

TW: Por que os fabricantes ou empresas automotivas estão competindo em corridas de automóveis ou investindo em plataformas de marketing ou branding? Porque eles simplesmente desejam agregar valor de brand equity e às suas empresas. Eles querem ser percebidos de uma determinada maneira. Comprar um carro é uma tarefa emocional; muitas vezes é explicado por um pensamento racional ‘Estou comprando este carro porque é livre de carbono’. Mas, na verdade, estou comprando este carro porque quero que o mundo saiba como me vejo, em vez de quem eu realmente sou. Portanto, é tudo um exercício de marketing. E Tesla faz isso. Elon Musk é o principal marqueteiro e líder de torcida de sua empresa. Ele representa a ponta, a inovação, o empreendedorismo e é uma estrela do rock, pode-se dizer. E eles foram os pioneiros em mobilidade elétrica. Eles não precisam de plataformas de marketing porque a Tesla e seu proprietário e CEO defendem seu marketing.

Empresas com uma história muito mais longa no setor automobilístico, sempre jogaram nas plataformas de marketing para carregar o fator emocional em sua marca. E nesse aspecto, essas plataformas têm relevância. A Mercedes se beneficiou definitivamente nos últimos anos do nosso sucesso na Fórmula 1, somos esportivos, temos uma imagem esportiva hoje, somos vistos como dinâmicos. É tudo em torno do trabalho em equipe, a mentalidade por trás dele e em uma plataforma global. Você adiciona a isso o fator mais importante, bons carros, então tudo funciona interligado. E os benefícios da marca, benefícios de marketing e vendas de carros e suas margens serão beneficiados por essas atividades. Portanto, tudo se resume à sua decisão. Quais são as plataformas de marketing que gostaria de utilizar? E como posso carregar o fator emocional na decisão de comprar um carro?

Toto Wolff, Mercedes AMG F1 Director of Motorsport

Toto Wolff, Mercedes AMG F1 Director of Motorsport

Photo by: Mercedes AMG

A estratégia da Fórmula 1, por sua vez, é trabalhar com combustíveis sustentáveis ​​e usar carros híbridos. Como isso parece para os fabricantes? E você ainda produzirá veículos com motor de combustão interna daqui a 10, 15 anos ou mais?

TW: Acho que o que vimos nos últimos anos é que você não pode prever onde a indústria estará em 2030. Os dados de hoje, e mesmo os mais dinâmicos, mostram que, em vez de ter 30% de veículos elétricos em 2025, teremos 30% dos veículos elétricos até 2030. Estamos vendo um grande impulso nos biocombustíveis e combustíveis sintéticos, o que reduziria tremendamente as emissões dos carros a gasolina se a energia vier de fontes sustentáveis. Então, eu acredito que você não pode realmente julgar hoje onde a indústria de carros ficará em 2030. E há fabricantes de automóveis premium, como a Daimler, que ainda estão investindo em motores de combustão interna, porque em combinação com esses combustíveis sustentáveis, é uma pegada de carbono muito melhor do que alguns dos veículos elétricos atuais, onde o recurso de energia é fornecido por carvão ou gás.

A esse respeito, acredito que na Fórmula 1, trata-se de transferência de tecnologia, devemos estar liderando o pacote com combustíveis e biocombustíveis sustentáveis ​​em colaboração com nossos fornecedores de combustível, em colaboração com nossas empresas-mãe, e ao mesmo tempo estar abertos para transferência de tecnologia na área elétrica, mas precisamos ter uma visão holística. A Fórmula 1 é uma plataforma de entretenimento baseada em tecnologia de ponta. Precisamos olhar para a densidade de energia para aplicações no campo dos carros de rua. E precisamos olhar para a densidade de potência para o fator de entretenimento Fórmula 1. E não há uma resposta fácil para essa pergunta.

Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1, 2nd position, and Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1, 3rd position, congratulate each other on the grid

Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1, 2nd position, and Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1, 3rd position, congratulate each other on the grid

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Toto, de acordo com uma pesquisa recente, os fãs apoiavam muito um limite de orçamento na Fórmula 1 para as equipes (75%), mas estavam um pouco divididos em termos de limite de salário do piloto, (40% em a favor, 36% contra). Você acha que é algo que pode realmente funcionar e é certo para a Fórmula 1?

Esse, é claro, é um tema muito polarizador, um tema polêmico. Acho que precisamos fazer tudo para tornar a Fórmula 1 sustentável, e precisamos parar as equipes com mais recursos competindo em campos diferentes do que aqueles que atualmente têm custos limitados. Portanto, se você diz que há um limite de custo no chassi, acho que precisamos ter um limite de custo ou congelamento no lado da unidade de potência. E se isso for mantido, o dinheiro vai ser aplicado em outras áreas, as pessoas vão competir no mercado e seus salários vão chegar a alturas astronômicas para as melhores pessoas. E da mesma forma do lado do piloto.

Eu acredito que os pilotos de Fórmula 1 são os melhores do mundo, eles deveriam ser pagos como a maioria dos superstars do esporte no mundo, mas devemos olhar para as ligas esportivas americanas. E você pode dizer que a NFL e a NBA tornaram suas ligas e times sustentáveis ​​ao atingir metas de equilíbrio ou lucratividade. E nós, como Fórmula 1, só seremos sustentáveis ​​e geraremos interesse para os proprietários de equipe que desejam que essas franquias sejam lucrativas se chegarmos a um consenso geral sobre os custos e, nesse relacionamento, precisamos olhar para o custo do piloto da mesma forma como foi tratado nos EUA.

Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG, and the Mercedes team celebrate another succesful World Championship campaign

Toto Wolff, Executive Director (Business), Mercedes AMG, and the Mercedes team celebrate another succesful World Championship campaign

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Finalmente, Toto, você conquistou tanto com a Mercedes nos últimos sete anos. Onde você se vê daqui a sete anos?

TW: Novamente, é difícil fazer previsões. Mas eu amo o esporte. Eu adoro corridas de automóveis, adoro a plataforma. E vejo um grande potencial para a Fórmula 1 daqui para frente. Temos um componente de liderança adicional como Stefano Domenicali chegando, Chase ainda está lá. E, a esse respeito, acredito que todos nós, todos os stakeholders, podemos realmente conduzir o esporte para um futuro brilhante. Estamos vendo o sucesso que tivemos nos últimos um ou dois anos. E acredito que em sete anos, o esporte poderá estar em uma posição fantástica. E isso significa que as equipes serão sustentáveis ​​do ponto de vista financeiro e tecnológico e proporcionarão ótimo entretenimento.

Então, este é o lugar que eu quero ficar. Tenho orgulho de ser co-proprietário com a Mercedes desta equipe. Mas meu papel no futuro pode mudar. Sendo o chefe da equipe agora no meu oitavo ano e quero fazer isso por um tempo, mas talvez faça a transição para algum tipo de outra função executiva nos próximos anos. Eu não tomei a decisão ainda. Trata-se de identificar a estrutura organizacional do futuro, desenvolver os indivíduos e só assim poderei mudar meu papel.

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

 

 

 

 

compartilhar
comentários
VÍDEO: McLaren se despede de Sainz e manda recado para Ferrari

Artigo anterior

VÍDEO: McLaren se despede de Sainz e manda recado para Ferrari

Próximo artigo

F1: Ricciardo sugere mudança na pista de Abu Dhabi

F1: Ricciardo sugere mudança na pista de Abu Dhabi
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Toto Wolff
Autor James Allen