Wolff chama novas regras da F1 de 2022 de “terremoto” e vê desafio “formidável” ficar no topo em 2021

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, disse que sua equipe enfrentará um desafio "formidável" para permanecer no topo da Fórmula 1 este ano, antes do "terremoto" de novos regulamentos de 2022

Wolff chama novas regras da F1 de 2022 de “terremoto” e vê desafio “formidável” ficar no topo em 2021

A Mercedes vem de sete títulos de construtores e pilotos consecutivos na Fórmula 1 e é a favorita para 2021, com as equipes carregando seus carros pela segunda temporada.

Mas o chefe da equipe, Toto Wolff, diz que as dificuldades de um teto de gastos, aliadas à dor de cabeça de preparar todos os carros novos para 2021, fazem com que sua equipe se prepare para um período difícil.

“Para nós, será um ano interessante, porque precisamos nos estruturar de uma forma diferente do que fizemos antes, devido ao limite de gastos,” disse Wolff ao Motorsport.com sobre suas ideias para a temporada que está por vir.

Leia também:

“Estamos enfrentando este desafio formidável de regulamentações ligeiramente ajustadas para 2021 e um grande terremoto de mudanças nos regulamentos para 2022.”

“Há fatores que estão trabalhando contra nós e que nos motivam muito e fatores que estão trabalhando para nós, porque acreditamos que temos uma boa organização. Mas, no geral, abraçamos a mudança e sempre fizemos isso no passado. Portanto, a organização está muito ansiosa para 2022.”, acrescentou.

Embora a Mercedes ainda não tenha finalizado um novo contrato com Lewis Hamilton, uma certeza que ela tem é que o próprio Wolff renovou para permanecer como chefe da equipe pelos próximos três anos.

Wolff sempre deixou claro o quanto estava empenhado em fazer o melhor pela Mercedes, embora permaneça atento a um plano de sucessão em algum momento.

“Gosto das conexões que tenho dentro da equipe e, enquanto achar que posso contribuir, esse é o meu papel”, disse.

“Mas, da mesma forma, tenho que ter certeza de que não estou criando um gargalo na liderança da equipe. E essa é minha responsabilidade com nossos funcionários, com a Mercedes e com os acionistas da Mercedes: olhar o momento em que posso entregar o bastão a alguém que seja melhor do que eu.”

Os atrasos na finalização dos detalhes da permanência de Wolff a bordo foram causados pela chegada da INEOS como acionista da equipe, com a propriedade da equipe sendo revisada.

No final, a equipe foi dividida de três com a matriz da Mercedes Daimler, INEOS e Wolff.

Perguntado por que demorou tanto para fechar um novo acordo com o CEO da Daimler, Ola Kallenius, Wolff disse: “Meu relacionamento com Ola, Daimler, o conselho e as várias pessoas que trabalham para a Daimler é o melhor que pode ser.”

“Olhar para o futuro nem sempre é tão simples como apenas renovar um contrato de trabalho, porque se trata de falar sobre a relação dos acionistas no futuro. E isso é algo que leva tempo.”

“Em todas as outras estruturas corporativas ou negócios, não é de um dia para o outro que você simplesmente encontra uma solução para todas as questões de governança e futura participação acionária. Então, é o jeito normal das coisas."

Nova parceria com ThePlayer.com, a melhor opção para apostas e diversão no Brasil

Registre-se gratuitamente no ThePlayer.com e acompanhe tudo sobre Fórmula 1 e outros esportes! Você confere o melhor conteúdo sobre o mundo das apostas e fica por dentro das dicas que vão te render muita diversão e também promoções exclusivas. Venha com a gente!

F1: Entenda como HAMILTON, RUSSELL e RAIKKONEN são os mais ameaçados com SUSPENSÃO em GPs de 2021

 

compartilhar
comentários
F1 confirma GP em Ímola para abril, adia Austrália e adianta GP do Brasil
Artigo anterior

F1 confirma GP em Ímola para abril, adia Austrália e adianta GP do Brasil

Próximo artigo

F1 e equipes chegam a acordo por pré-temporada de três dias no Bahrein em março

F1 e equipes chegam a acordo por pré-temporada de três dias no Bahrein em março
Carregar comentários