Série Pensamento dos líderes
Assunto

Série Pensamento dos líderes

Organizar corrida de F1 é como um show do Coldplay, diz promotor do GP do México

Conforme o mundo emerge da pandemia e as pessoas valorizam sair e desfrutar de experiências ao vivo mais uma vez, parece que a F1 está no topo da lista de desejos. O fim de semana do GP dos Estados Unidos em Austin teve recorde de 400.000 espectadores e o do México também esgotou, impulsionado pelo herói local Sergio Pérez

Nesta edição da série #ThinkingForward, falamos com o promotor do GP do México, Federico González Compeán, sobre o negócio de sediar um GP, como a série da Netflix Drive to Survive está atraindo novos públicos e as semelhanças entre a promoção da Fórmula 1 e um show do Coldplay ou da Madonna.

Há um ano, o circuito do GP do México estava silencioso. Os prédios principais, os boxes e o F1 Paddock Club estavam sendo usados como um hospital improvisado com até 9.000 pacientes da Covid-19 sendo tratados onde as equipes de F1 e os convidados corporativos normalmente estariam.

Este ano o GP do México está de volta em alta, com lotação esgotada e esperando outro capítulo emocionante no duelo pelo campeonato entre Lewis Hamilton e Max Verstappen. Notavelmente, tamanha é a paixão pelo esporte no México, quando eles tiveram que cancelar o evento de 2020, apenas 5% dos portadores de ingressos pediram seu dinheiro de volta; o restante adiou sua reserva para 2021.

Max Verstappen, Red Bull Racing and Federico Gonzalez, Mexican GP Promoter with Alebrijes Sculpture.

Max Verstappen, Red Bull Racing and Federico Gonzalez, Mexican GP Promoter with Alebrijes Sculpture.

Photo by: Manuel Goria / Motorsport Images

“Houve um período em 2020 em que não sabíamos se Checo seria capaz de estar no grid. Mas, finalmente, ele conseguiu esse espaço na Red Bull para que as pessoas começassem a ficar entusiasmadas e quando as corridas começaram a acontecer e Checo estava cada vez melhor, as vendas aumentaram ", disse Gonzalez. “Achei que tinha entendido, ao vender este evento, que há um fã ferrenho da Fórmula 1. Eu sei que eles querem a arquibancada número 10, linha 11, assento B, C e D. Mas então você também tem um novo público muito grande que está vindo para o esporte, graças, por exemplo, à série da Netflix, que foi uma grande coisa que aconteceu. E você também tem outros que vem porque têm empatia por Checo, que é um herói para o México.”

Com 23 GPs confirmados no calendário de 2022, está claro que há uma forte demanda por locais de hospedagem de corridas. Surpreendentemente, devido ao sucesso do GP dos Estados Unidos em Austin, os ingressos gerais para o GP de Miami de maio de 2022 já se esgotaram. A chave para isso é o impacto econômico que o GP traz para um país e cidade anfitriã.

“Os números que temos de entidades terceiras são que a corrida costuma arremessar US$ 700 milhões para a economia do país. A cada corrida chega a 9.000 funcionários e criamos uma filial de valor para o México”, afirmou Gonzalez. “30% do comércio para a corrida vem de fora da Cidade do México, então acho que é muito bom para o turismo, para o emprego.”

Alejandro Soberon, President and CEO for CIE Group and President of Formula 1 Gran Premio de Mexico and Federico Gonzalez, General Director of Formula 1 Gran Premio de Mexico.

Alejandro Soberon, President and CEO for CIE Group and President of Formula 1 Gran Premio de Mexico and Federico Gonzalez, General Director of Formula 1 Gran Premio de Mexico.

Photo by: Mark Sutton / Motorsport Images

Gonzalez e sua equipe vêm para a promoção de GPs de uma formação diferente para muitos; ele é produtor de teatro, apresentando musicais como Lion King, Cirque de Soleil e grandes concertos. A empresa que ele lidera, a CIE, é a terceira maior promotora do mundo, vendendo 8 milhões de ingressos todos os anos. Então, qual é a percepção dele sobre o futuro modelo de negócios de um promotor nos próximos cinco a dez anos?

Federico Gonzalez, Mexican GP Promoter and Chase Carey, Chief Executive Officer.

Federico Gonzalez, Mexican GP Promoter and Chase Carey, Chief Executive Officer.

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

“Está em nosso sangue como promotores, vendemos ingressos, trabalhamos no show business e deixamos os outros fazerem o show”, disse Gonzalez. “Então, para nós, a indústria de shows, a indústria do teatro, a indústria da F1, os pilotos, e eles são os mesmos nesse aspecto, eles são o mesmo que um ator ou cantor. É apenas um estágio diferente. Este palco tem 4,3 quilômetros de extensão e o outro tem 20 por 10 metros, com dançarinos e assim por diante. Mas é essencialmente o mesmo. Então você tem que entender como promotor que você faz parte da experiência dos espectadores. Não posso acrescentar nada ao Checo, à Mercedes ou à Ferrari. Não fazemos parte dessa indústria. Não decidimos qual música Madonna ou Coldplay vão cantar. Não decidimos quem está guiando o carro, mas podemos criar um ambiente completo e uma experiência completamente nova. Fazemos parte da experiência das pessoas. Esse é o nosso objetivo principal.”

compartilhar
comentários
NASCAR 21: Ignition é lançado oficialmente e já está disponível
Artigo anterior

NASCAR 21: Ignition é lançado oficialmente e já está disponível

Próximo artigo

Secretária do GP de Singapura de F1 é nomeada vice-presidente de esportes da FIA na Ásia

Secretária do GP de Singapura de F1 é nomeada vice-presidente de esportes da FIA na Ásia
Carregar comentários