Dixon: Mais testes evitariam prova acidentada no Texas

Neozelandês acredita que mais quilometragem no novo layout do Texas Motor Speedway permitiria que a Indy tivesse tempo suficiente para definir configurações de downforce e que evitaria a corrida em bloco do último sábado

Dixon: Mais testes evitariam prova acidentada no Texas
Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda
Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda
Scott Dixon, Ford Chip Ganassi Racing
Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda, Takuma Sato, Andretti Autosport Honda crash
Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda, Takuma Sato, Andretti Autosport Honda crash
Scott Dixon, Chip Ganassi Racing Honda, Takuma Sato, Andretti Autosport Honda crash

Scott Dixon estava lado a lado de Will Power, quando Takuma Sato passou pela grama e rodou para cima do carro #9. O acidente resultou no abandono de Sato e Dixon e também envolveu Max Chilton e Conor Daly.

Falando em Le Mans, onde estará correndo com um dos Ford GTs da Chip Ganassi Racing no fim de semana, Dixon disse ao Motorsport.com: "Nós já vimos isso: é uma linha muito tênue entre a criação de grandes corridas e estar em uma 'pack race' novamente.

"Ninguém - exceto talvez os espectadores - queriam ver como a corrida acabou do Texas. Visualmente, provavelmente foi bastante emocionante, mas para os pilotos não foi tão agradável. Fazia muito tempo que eu não via uma corrida com muitos carros saindo."

Além de melhorar o sistema de drenagem, as mudanças no Texas teve a diminuição da inclinação das curvas 1 e 2 e no alargamento da pista. Algumas equipes testaram neste layout em abril, mas Dixon disse que o teste não forneceu nenhuma indicação clara de como a pista evoluiria.

"É difícil porque sempre há muitas peças no quebra-cabeça", disse ele. "A melhor coisa que todos poderiam ter feito seria mais testes lá."

"Infelizmente, quando fizemos em abril, muitos pilotos não correram."

Dixon acrescentou que, em 2018, a IndyCar teria mais liberdade para fazer alterações nos níveis de downforce. Atualmente, com as equipes correndo com aerokits dos fabricantes, tais mudanças tendem a desencadear em lutas políticas se a Chevrolet ou a Honda perceberem que estão prestes a ficarem em desvantagem ou a perder uma vantagem.

"Acho que é por isso que vai ser muito melhor com o aerokit universal em 2018", disse Dixon, "Porque então a IndyCar pode avançar muito mais facilmente e fazer ajustes. Então isso será positivo. Agora, uma mudança afeta um fabricante muito mais do que o outro."

compartilhar
comentários
Gaúcho Matheus Leist testa carro da Andretti em Road America
Artigo anterior

Gaúcho Matheus Leist testa carro da Andretti em Road America

Próximo artigo

Leist é o mais rápido entre novatos em teste da Indy

Leist é o mais rápido entre novatos em teste da Indy
Carregar comentários