MotoGP
18 out
-
20 out
Evento encerrado
25 out
-
27 out
Evento encerrado
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
15 nov
-
17 nov
Evento encerrado

GUIA MOTOGP: 10 perguntas a serem respondidas na temporada 2019

compartilhar
comentários
GUIA MOTOGP: 10 perguntas a serem respondidas na temporada 2019
Por:
7 de mar de 2019 11:01

Não sabe o que esperar da MotoGP neste ano? Não tem problema, utilize dez perguntas chave para saber no que ficar de olho no campeonato

A MotoGP retorna neste final de semana. Criado em 1949, o Mundial de Motovelocidade entra em sua 71ª temporada trazendo muitos destaques em sua categoria principal. Mas você sabe no que prestar atenção enquanto acompanha as corridas deste ano?

Se não, não tem problema. Confira abaixo um guia em dez perguntas para saber no que ficar ligado!

Leia também:

(Não quer ver em formato 'galeria'? Clique em 'lista' aqui ao lado)

Galeria
Lista

A Yamaha voltou?

A Yamaha voltou?
1/10

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Tendo como base os testes, parece que sim. Para este ano, o time mudou o diretor técnico de seu projeto após o fiasco de 2018, e as aparências dizem que os problemas de eletrônica e aceleração foram enfim solucionados. Maverick Viñales comandou o último teste, feito no Catar (local da primeira etapa) com propriedade após ter ido bem também no primeiro treino, na Malásia. Valentino Rossi e a dupla do novo time satélite, a Petronas SRT, Franco Morbidelli e Fabio Quartararo, também surpreenderam. Entretanto, Sepang e Losail sempre foram pistas que favoreceram a Yamaha. Será que em condições e traçados diferentes o ritmo se mantém? A terceira etapa, disputada em Austin - terra da Honda e de Márquez - será a prova de fogo.

Alguém poderá parar Marc Márquez?

Alguém poderá parar Marc Márquez?
2/10

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

É complicado. Mas não é impossível. Depois de operar ombro no fim do ano passado, Márquez não se mostrou 100% confortável com a condição física no início dos testes na Malásia. No Catar, parecia melhor no cronômetro. Entretanto, a conexão do 93 com a RC213V ainda parece afiadíssima, o que é evidenciado por sua superioridade frente aos companheiros de moto e por suas fortes simulações de corrida em Losail – pista que normalmente é ‘calcanhar de Aquiles’ da Honda. Em resumo: quem quiser derrota-lo, terá que fazer uma temporada errando muito pouco ou nenhuma vez. Márquez está no seu auge e tem um talento ímpar. Batê-lo vai requisitar um enorme esforço.

A Ducati é a melhor moto do grid?

A Ducati é a melhor moto do grid?
3/10

Foto de: Ducati Corse

Durante o último ano essa era a principal crença do paddock da MotoGP. Márquez ganhou o título com antecedência, mas consideráveis oportunidades foram perdidas por Dovizioso e Lorenzo durante 2018. Neste ano, a montadora fechou o top-4 do primeiro teste em Sepang, já em Losail teve um resultado muito mais discreto. Muitos acreditam que escondeu o jogo. Será? Vejamos no domingo se a primorosa criação do genial Gigi Dall’Igna continua tão veloz quanto deu a entender que era no último ano.

O décimo mundial vem aos 40?

O décimo mundial vem aos 40?
4/10

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

É difícil, mas Valentino Rossi não desiste da missão. Ele não quer se aposentar da MotoGP sem antes de conquistar seu décimo mundial. Por isso, mesmo quarentão, o italiano se comprometeu por mais dois anos com a Yamaha. Terceiro no mundial do ano passado, o Doutor mostrou pelo ritmo no último dia do teste no Catar que ainda tem lenha para queimar, e o resultado de 2018 mostra sua maior qualidade neste estágio da carreira: a consistência. Mas será o suficiente contra as ‘crianças’ de um grid cada vez mais jovem? Pode ser que sim, e já quase deu certo. Nunca duvide de Valentino Rossi.

Dovi é capaz de liderar um time formado para si ao título?

Dovi é capaz de liderar um time formado para si ao título?
5/10

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Tendo o desafeto Lorenzo ao lado nos dois últimos anos, Andrea Dovizioso teve a motivação perfeita para ir de um piloto mediano a um convincente vencedor de corridas. Agora, com a saída do espanhol, o italiano ganha espaço com a chegada do amigo pessoal Danilo Petrucci – declaradamente um segundo piloto - à Ducati. Mas será que Dovi conseguirá manter alto o desenvolvimento da Desmosedici com tantas expectativas depositadas nele? Com Lorenzo ao lado (ganhando seis vezes mais do que ele, lembre), Andrea não tinha pressão em seus ombros como tem agora. Como será que ele irá se comportar?

Quanto tempo Jorge Lorenzo levará para se adaptar à Honda?

Quanto tempo Jorge Lorenzo levará para se adaptar à Honda?
6/10

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Depois de enxotado da Ducati por falta de resultados no início do ano passado, Lorenzo fez o presidente da montadora, Claudio Domenicali, engolir sua decisão ao vencer duas corridas seguidas e assinar um contrato com a Honda nos dias seguintes a sua demissão. Mas lhe levou um ano e meio até sua primeira vitória com a Ducati. Quanto tempo levará até que o tricampeão seja competitivo com a Honda? Sua preparação não começou bem, após diversas contusões, mas não dá para duvidar do 99 (a Ducati que o diga). Entretanto, poderá ele chegará ao nível de Márquez? A ver.

Danilo Petrucci está na forca?

Danilo Petrucci está na forca?
7/10

Foto de: Gold and Goose / Motorsport Images

Essa já dá para responder antes mesmo da temporada começar. Está sim. O piloto, que teve brilhos isolados nos últimos dois anos pela Pramac, foi a aposta da Ducati para ocupar o lugar de Lorenzo no time no momento em que o espanhol dava impressões de que jamais se adaptaria à Desmosedici. No fim, Lorenzo se adaptou à moto e venceu três GPs em 2018, mas a Ducati já havia escolhido o tirar do time (se arrependimento matasse...), o que só fez a pressão sobre Petrucci aumentar ainda mais. Afinal, valeu a pena dar um ‘pé na bunda’ em um tricampeão mundial para ter um piloto para servir de escudeiro para Dovizioso? Nem a Ducati sabe. Por isso, seu contrato tem duração de apenas um ano. Ou seja, antes mesmo de começar, ‘Petrux’ tem por sua cabeça o prêmio mais valioso do paddock para 2020: um lugar na Ducati.

A Suzuki fez uma moto capaz de lutar por vitórias?

A Suzuki fez uma moto capaz de lutar por vitórias?
8/10

Foto de: Suzuki

O resultado dos testes diz que sim. Álex Rins tem ritmo para almejar mais do que pódios eventuais nesta temporada. Basta utilizar o bom equilíbrio da GSX-RR aliado à boa experiência adquirida em 2018. E sua evolução foi a olhos vistos: o espanhol caiu em três das quatro primeiras provas, mas foi ao pódio em três das últimas quatro provas. Seu companheiro, o estreante Joan Mir (campeão da Moto3 em 2017), também pode surpreender, apesar de não ter mostrado ainda a mesma velocidade.

É o ano do crescimento da KTM?

É o ano do crescimento da KTM?
9/10

Foto de: KTM

A KTM não veio para brincar em 2019. O time austríaco contará com quatro motos de especificação bastante similar no grid deste ano, adicionando a seu plantel a experiente equipe Tech3 (ex-Yamaha), além de Dani Pedrosa como piloto de testes oficial. A montadora – única que corre com chassi tubular de alumínio e suspensão WP (o resto dos times usa Öhlins) – vem com a árdua missão de fazer sua moto estar mais frequentemente no top-10. Recursos não faltam, e a aquisição do talentoso bicampeão de Moto2, Johann Zarco, também vem para somar. Mas será o suficiente? Em seu terceiro ano, o time precisa colher mais frutos do que colheu no ano passado apesar do surpreendente e inesperado pódio de Pol Espargaró no GP de Valência, última etapa de 2018.

Um ex-Ferrari é capaz de dar jeito na ‘zona’ da Aprilia?

Um ex-Ferrari é capaz de dar jeito na ‘zona’ da Aprilia?
10/10

Foto de: Aprilia Racing

A pequena fabricante de Noale tem para 2019 a chegada Massimo Rivola, ex-membro da Ferrari e da Toro Rosso na Fórmula 1, para ajudar o chefe do time – Romano Albesiano – a cuidar da gerência da equipe. Com o ‘jogo’ distribuído entre Albesiano e Rivola (lado técnico e organizacional, respectivamente, pelo que se comenta), o time tem uma boa chance de dar a volta por cima após um ano muito desanimador em 2018. Na pista, a Aprilia também tem novidades: a chegada do veloz – porém imprevisível – Andrea Iannone ao lado de Aleix Espargaró no time principal, e de um novíssimo time de testes com o britânico Bradley Smith. O ex-KTM correrá em cinco corridas neste ano como wildcard ao lado de sua participação na MotoE – novo campeonato de motos elétricas criado neste ano.

 

Próximo artigo
GALERIA: Fotos dos pilotos de MotoGP e suas motos para 2019

Artigo anterior

GALERIA: Fotos dos pilotos de MotoGP e suas motos para 2019

Próximo artigo

Petrucci diz que Ducati o fez acreditar mais em si mesmo

Petrucci diz que Ducati o fez acreditar mais em si mesmo
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria MotoGP
Autor Gabriel Lima