WEC quer introduzir DRS nos carros privados da LMP1 em 2018

Sistema de asa móvel deve ser uma das novidades para as equipes privadas da LMP1 a partir de 2018; objetivo dos organizadores do Mundial de Endurance é aumentar o grid da classe

WEC quer introduzir DRS nos carros privados da LMP1 em 2018
#13 Rebellion Racing Rebellion R-One AER detail
#4 ByKolles Racing CLM P1/01: Simon Trummer, Pierre Kaffer, Oliver Webb
#42 Strakka Racing Gibson 015S Nissan: Nick Leventis, Jonny Kane, Danny Watts
#12 Rebellion Racing Rebellion R-One AER: Nicolas Prost, Nick Heidfeld, Nelson Piquet Jr.
#4 ByKolles Racing CLM P1/01: team members at work to repair damage sustained in free practice
Podium LMP1: first place Matheo Tuscher, Dominik Kraihamer, Alexandre Imperatori, Rebellion Racing, second place RNicolas Prost, Nick Heidfeld, Nelson Piquet Jr., Rebellion Racing, third place Simon Trummer, James Rossiter, Oliver Webb, ByKolles Racing
#12 Rebellion Racing Rebellion R-One AER: Nicolas Prost, Nick Heidfeld, Nelson Piquet Jr.
#44 Manor Oreca 05 Nissan: Tor Graves, Matt Rao, Roberto Merhi
#44 Manor Oreca 05 Nissan: Tor Graves, Matt Rao, Roberto Merhi
#36 Signatech Alpine A460: Gustavo Menezes, Nicolas Lapierre, Stéphane Richelmi

O Mundial de Endurance prepara mais novidades para a divisão principal do campeonato, a LMP1. Além do sistema de tokens e do aumento da classe híbrida de 8MJ para 10MJ, a organização do campeonato tem mais mudanças para 2018, mas agora para as equipes privadas: a implantação do sistema de asa móvel e redução no peso dos carros, que diminuiria de 855kg para 830kg.

Com isso, o ACO (Automóvel Clube do Oeste) e a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) pretendem incentivar mais equipes privadas a ingressarem na divisão - atualmente apenas dois times privados estão na LMP1: a Rebellion, com dois carros, e a ByKolles, com um.

Além disso, a largura dos carros será aumentada na dianteira em 10mm para dar mais aderência e melhorar os tempos de volta dos carros privados, que não utilizam sistemas híbridos.

Os times privados da LMP1 também não terão restrição na quantidade de motores por temporada e no formato do motor em si - tudo isso a partir de 2017. Outras mudanças incluem a introdução de um fluxômetro de combustível único e a remoção do medidor de torque atual.

“Queremos cuidar dessa divisão, pois é importante para as corridas de endurance ter equipes privadas capazes de competir em alto nível em vez de ficar nas sombras", disse o diretor técnico da FIA, Bernard Niclot, disse ao Motorsport.com.

“Temos olhado para diversas áreas e hoje podemos destacar o que estará disponível para as próximas temporadas para que as equipes possam ter carros velozes.", afirmou.

O ACO e FIA  ainda não tornaram públicas as alterações, o que deve acontecer na próxima terça-feira.

Novo motor para a LMP2

A Gibson Technologies apresentou um novo motor para a LMP2 - a fabricante será fornecedora única da divisão a partir da próxima temporada. A unidade, denominada GK428, é um V8 de 4,1 litros aspirado.

O desenvolvimento deste motor foi iniciado no meio do ano passado e já completou 57 horas (cerca de 10 mil quilômetros) em simulações de durabilidade. 20 unidades do novo motor já estão em processo de produção e quatro unidades serão disponibilizadas em agosto - uma para cada fabricante de chassi da próxima temporada – ORECA, Onroak, Dallara and Multimatic/Riley.

Mais seis motores estarão prontos em outubro e outros dez serão disponibilizados para testes no dia 1º de dezembro.

compartilhar
comentários
Sistema de tokens e classe de 10MJ entram na LMP1 em 2018

Artigo anterior

Sistema de tokens e classe de 10MJ entram na LMP1 em 2018

Próximo artigo

24 Horas de Le Mans de 2017 já tem data definida

24 Horas de Le Mans de 2017 já tem data definida
Carregar comentários