F1: O dia que Button "fez chover" em corrida de quatro horas no Canadá

Relembre uma das melhores pilotagens dos últimos tempos na Fórmula 1; do último lugar à vitória, a trajetória do britânico na prova mais longa da história da categoria

F1: O dia que Button "fez chover" em corrida de quatro horas no Canadá

GP do Canadá de 2011, a melhor corrida do século para muitos. Com quatro horas de duração, Jenson Button fez as escolhas certas em uma prova complicada com chuva e, mais importante, demonstrou que sabia ser paciente e jogar a longo prazo. Característica marcante do britânico campeão mundial de 2009.

Os números daquele dia foram extraordinários e diferentes. Quando teremos novamente uma velocidade média de 74 km/h para o vencedor e uma corrida que dure oficialmente mais de quatro horas? Button ultrapassou os limites ao fazer seis visitas aos boxes, incluindo um drive-thru, e duas voltas lentas para substituir pneus furados.

Leia também:

De fato, em um estágio da etapa ele foi três vezes ao pit stop - colocando intermediários e retirando-os novamente, mais o drive-thru - quando muitos dos pilotos que estavam à frente na pista não haviam parado de jeito nenhum.

No total, ele passou 2m21s de sua corrida no pitlane, número alto em comparação com, por exemplo, os 47s do quinto colocado Vitaly Petrov, que terminou com apenas duas paradas. Ele também sobreviveu ao contato com Lewis Hamilton, Fernando Alonso e Pedro de la Rosa.

Uma de suas voltas se estendeu por 3m05s. E talvez o mais surpreendente de tudo: da volta 37 à 40, ele ficou entre 21º e último. Ainda assim, ganhou a corrida.

"É demais para aceitar", disse-me o chefe de engenharia da McLaren, Paddy Lowe, no início das comemorações. "Ainda não consigo acreditar que realmente vencemos aquela corrida, vindo de trás! Na verdade, estávamos tão na retaguarda que o safety car estava prestes a entrar [nos boxes] e ainda não tínhamos alcançado o pelotão. Então estávamos piores do que da última vez..."

Início: Safety car, pneus de chuva

The cars underneath marquees during the red flag period

The cars underneath marquees during the red flag period

Photo by: Rainer W. Schlegelmilch

Sebastian Vettel e Red Bull estavam em sua melhor forma no início de 2011, vencendo cinco das seis primeiras corridas e perdendo apenas na China para Lewis Hamilton, à epoca na McLaren. O alemão conquistou a pole para a prova do Canadá, enquanto Button foi apenas o sétimo.

Embora a chuva da manhã de domingo tivesse parado antes da largada, a visibilidade ainda poderia ficar comprometida. Por isso, a corrida começou com quatro voltas sob safety car para que os pilotos drenassem um pouco da água antes que a pista fosse liberada.

Button terminou a primeira volta ainda na sétima colocação. Na seguinte, ele ganhou uma posição quando Hamilton escapou. Lewis ficou ansioso para recuperá-la e, quando Button errou ligeiramente a chicane final no final da volta sete, ele fez uma ultrapassagem ambiciosa por seu companheiro de equipe na reta dos boxes.

Tínhamos visto a dupla correr várias vezes no passado sem nenhum drama. Desta vez, não foi bem assim, e o contato foi feito quando Hamilton foi espremido no pit wall. Button disse apenas viu rapidamente uma cor em seus espelhos e pensou que era sua própria asa traseira.

"Os dois pilotos entendem o que aconteceu", explicou o chefe da equipe da McLaren na época, Martin Whitmarsh. "Lewis estava tentando ultrapassar. Jenson não o viu por dentro, e houve o contato. Acho que Lewis aceitou isso."

"É muito fácil para os pilotos culpar os companheiros de equipe e todas essas coisas, mas acho que o espírito entre os dois é forte o suficiente para suportar esse tipo de incidente."

O aro da roda traseira direita de Hamilton foi quebrado e o pneu soltou. Seu engenheiro disse-lhe para parar e evitar possíveis consequências para a caixa de câmbio.

Ao sair do cockpit Lewis fez questão de olhar para a suspensão dianteira e traseira - e até deu um chute! Ele estava claramente frustrado por ter que abandonar o que pensava ser um carro reparável. No entanto, dada a roda quebrada, a probabilidade era de que a FIA tivesse ordenado que ele parasse na pista de qualquer maneira.

Lewis Hamilton, McLaren MP4-26 Mercedes, retired, leaps the barrier after parking his damaged car

Lewis Hamilton, McLaren MP4-26 Mercedes, retired, leaps the barrier after parking his damaged car

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Whitmarsh não se arrependeu: "Se ele tivesse conseguido voltar, o aro destruído teria caído, o que poderia ser perigoso."

"Você pode debater se deveríamos ter continuado, mas somos responsáveis ​​pela segurança dos pilotos, temos que tomar uma decisão responsável. Isso foi uma reação instintiva."

Já Button teve um furo no pneu traseiro esquerdo e teve que "rastejar" até os boxes para trocar.

Parada 1, volta 8, mudança para intermediários. Pos: 14

Em uma tentativa de salvar a corrida, a McLaren colocou pneus intermediários no carro do britânico. O safety car tornou a escolha um pouco menos arriscada, o que ajudou a pista a secar mais. No entanto, mais um contratempo: durante o período de bandeira amarela, Button ultrapassou o limite de velocidade e isso lhe rendeu uma penalidade de drive-thru.

Parada 2, volta 13: drive-thru. Pos: 15

Depois de cumprir a punição, ele estava em 15º lugar quando cruzou a linha na saída do pit e no final da volta havia conquistado a posição de Sebastien Buemi. Na seguinte, ultrapassou Pastor Maldonado e Adrian Sutil e ainda ganhou mais uma quando Rubens Barrichello foi aos boxes.

Houve uma breve janela onde os intermediários pareciam uma escolha acertada e o ritmo de Button encorajou outros a pararem, incluindo Fernando Alonso e os pilotos da Mercedes Michael Schumacher e Nico Rosberg. No entanto, a chuva começava a cair novamente.

Neste período, Button chegou ao oitavo lugar na volta 18, mas sua corrida estava prestes a dar muito errado, e ele não alcançaria a frente do pelotão novamente até a volta 50.

Jenson Button, McLaren MP4-26 Mercedes, leaves the pits after making a pit stop for a new front wing

Jenson Button, McLaren MP4-26 Mercedes, leaves the pits after making a pit stop for a new front wing

Photo by: Rainer W. Schlegelmilch

"Ele foi o primeiro carro a ir para os intermediários", disse Lowe. "Alguns outros seguiram o exemplo. Foi um péssimo plano e tivemos que voltar para os de chuva"

Button foi aos boxes na volta 19 quando as condições climáticas fizeram com que o safety car fosse despachado novamente.

Parada 3, volta 19, intermediários para chuva. Pos: 11

Button caiu três posições e estava em 11º ao entrar na fila do safety car, logo ganhando outra posição quando Schumacher foi aos boxes. Depois de mais algumas voltas com chuva, bandeira vermelha e corrida interrompida por um bom tempo.

Bandeira vermelha, volta 24, pneus de chuva. Pos: 10

Durante o intervalo, o britânico encontrou tempo para conversar com Hamilton sobre a colisão deles e "limpar" o ambiente da equipe. Enquanto isso, a McLaren teve tempo para questionar a mudança precoce para os intermediários - e a má sorte de voltar para os de chuva assim que o safety car saiu.

"Houve muitos arrependimentos quando nos sentamos durante a suspensão da corrida", Disse Lowe. "Estávamos pensando: por que fizemos isso? Havia um safety car, colocamos os de pista molhada de volta e eles sinalizaram a bandeira vermelha. Então, na verdade, voltamos para P10 e poderíamos ter sido P6, com uma troca de pneus grátis."

"Você pode fazer muitas análises profundas sobre o que aconteceu, o que pode ter acontecido, o que você deveria ter feito antes", disse Whitmarsh. "Na verdade, é preciso se concentrar no fato de que há uma corrida. Paramos por um longo tempo e tínhamos uma hora e 14 minutos restantes. Sabíamos que muito poderia acontecer, e é claro que certamente aconteceu... "

Button tinha um novo conjunto de compostos de chuva para a relargada, enquanto outros ficaram com pneus gastos. Após de nove voltas de safety car, a pista foi finalmente liberada no final da volta 34. Button passou à frente de Pedro de la Rosa, que então tocou na traseira da McLaren e perdeu a asa dianteira de seu Sauber. Desta vez, a sorte estava do lado do britânico e ele escapou sem danos.

Muitos carros no pelotão de trás foram direto para os boxes e colocaram pneus intermediários no reinício da prova. Button entrou no final da primeira volta de corrida, assim como Nick Heidfeld e Paul Di Resta à frente.

Parada 4, volta 35, chuva para intermediários. Pos: 15

A McLaren recolocou os intermediários limpos que Button havia usado no início da corrida. A parada o fez cair para 15º, mas com outros carros parando, ele logo se recuperou para 11º. Alonso fez o pit stop uma volta depois e saiu à frente, mas os pneus do britânico estavam aquecidos e ele imediatamente tentou ultrapassar o espanhol, até terem um contato e o piloto da Ferrari rodar.

"Jenson estava por dentro", disse Whitmarsh. "Fernando pode não tê-lo visto, mas acho que provavelmente sabia. Se você não der espaço, vai ter um acidente."

Fernando Alonso, Ferrari F150

Fernando Alonso, Ferrari F150

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Parada 5, volta 37, furo, intermediários para intermediários: Pos 21

Mais uma vez, Button tinha um pneu furado. Ele enfrentou outra longa volta aos boxes, onde coletou um conjunto de novos intermediários. Com a Ferrari de Alonso atolada no meio-fio, o safety car foi acionado novamente, o que recuperou um pouco do tempo perdido.

O piloto estava agora em 21º, o último colocado dentre os que ainda corriam. E para piorar, não conseguiu chegar a tempo à fila do safety car. Quando a bandeira verde foi sinalizada no final da volta 40, ele cruzou a linha ainda a 2,4s do HRT de Vitantonio Liuzzi, em vez de estar logo atrás.

Button correu algumas voltas muito rápidas para alcançá-lo e estava em bom ritmo no reinício. Ele logo ultrapassou Liuzzi e nas voltas seguintes deixou para trás Narain Karthikeyan, Jarno Trulli, Jerome D'Ambrosio, Timo Glock, de la Rosa e Buemi.

As paradas de di Resta e Sutil deram-lhe mais algumas posições, deixando-o em 12º na 45ª volta. Pouco depois, ultrapassou Maldonado e Jaime Alguersuari.

Agora, a janela para pneus de pista seca estava começando a se abrir. Webber e Barrichello foram os primeiros carros à frente de Button a parar, na volta 50, e o britânico foi chamado aos boxes uma volta depois.

Jenson Button, McLaren MP4/26

Jenson Button, McLaren MP4/26

Photo by: Sutton Images

Parada 6, volta 51, intermediários para supersofts. Pos 10

A equipe, encorajada pelos rápidos tempos de setor de Webber, chamou o piloto ao pit stop, caindo brevemente da oitava para a décima posição. Restavam-lhe apenas supersofts gastos, enquanto dos rivais à frente apenas Schumacher tinha a vantagem de um novo conjunto.

"Poderíamos ter ido uma volta antes, como Webber fez", disse Lowe. "Ele escolheu a volta certa e estávamos nos criticando por não ter feito isso. Tínhamos planejado a volta 51 e Webber arriscou em um movimento inicial bastante agressivo, mais do que pensamos."

"Nós apenas observamos e imediatamente vimos que ele estava estabelecendo tempos verdes nos setores. Isso confirmou nosso plano de trazer Jenson. O surpreendente é que ninguém mais foi aos boxes naquele ponto. Vettel deu mais duas voltas, isso foi curioso."

Quando outros pararam, Button logo começou a escalar o pelotão novamente, ajudado pelo fato de que nos pneus secos ele pareceu encontrar um "equipamento extra" que mais ninguém tinha.

"Por alguma razão, nosso carro funcionou bem nessas condições", disse Lowe. "Na maior parte do tempo, fomos dois segundos por volta mais rápidos do que todos, o que deve ter deixado a Red Bull um pouco chocada."

Todos pararam algumas voltas depois do britânico, mas era tarde demais - ele pulou para o quinto lugar. Kamui Kobayashi estava com ritmo fraco à sua frente e Jenson logo o ultrapassou. Assim, a partir da volta 55, a classificação era esta:

1. Vettel

2. Schumacher: -8,7s

3. Webber: - 9.0s

4. Button: - 15,4s

Só naquela volta ele havia tirado quatro segundos surpreendentes de Vettel, que ainda estava lutando com os pneus de pista seca. Na volta seguinte, mais dois segundos próximo ao líder, ao mesmo tempo em que travava a batalha Schumacher/Webber.

Sebastian Vettel, Red Bull Racing RB7 leads Jenson Button, McLaren MP4-26

Sebastian Vettel, Red Bull Racing RB7 leads Jenson Button, McLaren MP4-26

Photo by: Motorsport Images

Em seguida, outro safety car por conta de um acidente de Heidfeld. Embora já estivesse com ritmo para alcançar Vettel, isso tornou a vida de Button ainda mais fácil, pois a diferença entre os carros desapareceu. No entanto, ele tinha o retardatário D'Ambrosio entre ele e Webber.

"No final, o azar de Sebastian foram esses carros de segurança que minaram sua vantagem", disse Lowe.

Depois de três voltas sob bandeira amarela, a pista foi liberada no final da volta 60, com exatamente dez para acabar. Jenson passou por D'Ambrosio e ficou na cola da Red Bull de Webber, que errou na 64ª e deu a chance de Button ultrapassá-lo. O britânico ainda tomou o segundo lugar de Schumacher na volta seguinte e estabeleceu o tempo mais rápido: 1m18.866s.

"Nessas condições, o piloto precisa acreditar no que está fazendo e estar confiante", disse Whitmarsh. "Ele fez um trabalho fantástico. Ele estava dirigindo de maneira fantástica, iria ultrapassar qualquer um que estivesse em seu caminho."

A cinco voltas do final, ele estava 3,1 segundos atrás de Vettel. E assim a diferença foi caindo para 1,6, 1,3, 1,1, apesar do alemão melhorar seu ritmo dramaticamente. No início da última volta, a margem era de apenas 0,9.

"Sabíamos que ele tinha que colocar pressão sobre Sebastian", disse Whitmarsh. "Ele estava muito bem no ano, sem cometer erros, mas nunca sob tanta pressão. Ele estava acelerando demais para tentar manter a vantagem sobre Jenson."

Vettel finalmente cedeu - ele escapou na Curva 5 e perdeu a liderança. Button passou e terminou 2,7s à frente.

Podium: race winner Jenson Button, McLaren MP4-26 Mercedes, 2nd position Sebastian Vettel, Red Bull Racing RB7 Renault and 3rd position Mark Webber, Red Bull Racing RB7 Renault, celebrate on the podium

Podium: race winner Jenson Button, McLaren MP4-26 Mercedes, 2nd position Sebastian Vettel, Red Bull Racing RB7 Renault and 3rd position Mark Webber, Red Bull Racing RB7 Renault, celebrate on the podium

Photo by: Andy Hone / Motorsport Images

"Parece que eu passei mais tempo nos boxes do que na reta principal", observou o piloto. “Os caras fizeram um ótimo trabalho com a estratégia. Em alguns pontos nós definitivamente tivemos sorte, especialmente com a bandeira vermelha, mas fizemos muito bem indo para os secos".

"O carro estava funcionando muito bem nessas condições complicadas, então gostei muito de estar na pista", completou.

"Acho que a lição é que você não desiste até o último segundo da corrida, continue acelerando", Disse Whitmarsh. "Foi uma corrida de montanha-russa, em suma. Nós apenas mantivemos o foco e encontramos um caminho, tentando fazer as chamadas certas para os pit stops para colocar os pneus no momento certo. Nós tiramos o melhor proveito disso como equipe, mas Jenson foi o cara que realmente teve que dirigir com decisão."

Félix da Costa diz que Marko é "MATADOR" implacável e fala sobre "CHANCE PERDIDA" na F1

Assine o canal do Motorsport.com no Youtube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like (joinha) nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

PODCAST: Erro de Hamilton mostra um campeão sob pressão?

 

compartilhar
comentários
Ferrari: "Poles seguidas não representam verdadeiro desempenho na F1"

Artigo anterior

Ferrari: "Poles seguidas não representam verdadeiro desempenho na F1"

Próximo artigo

Alonso sentiu que estava "perdendo tempo" na F1 antes de hiato

Alonso sentiu que estava "perdendo tempo" na F1 antes de hiato
Carregar comentários