Newey afirma que não planeja saída da F1 ou da Red Bull tão cedo

‘Mago’ da Red Bull completa 65 anos nesta terça-feira e afirma que não se vê parando com seu trabalho

Adrian Newey, Red Bull Racing

Adrian Newey, Red Bull Racing

Red Bull Content Pool

O lendário projetista da Red Bull, Adrian Newey, disse que não está pensando em se afastar da Fórmula 1 no futuro próximo.

Newey, que comemora seu 65º aniversário nesta terça-feira, foi creditado como sendo uma parte essencial para transformar a Red Bull em uma máquina vencedora de campeonatos após sua chegada em 2006.

Leia também:

Ele inicialmente fez seu nome na F1 com seu primeiro cargo de diretor técnico na Leyton House antes de se mudar para a Williams e depois para a McLaren, projetando carros que ganharam seis títulos de construtores e seis de pilotos.

Mas embora Newey tenha estado muito menos envolvido no trabalho diário de design do que antes, tendo liberdade para prosseguir outros projetos, ele continua a ser um trunfo chave e disse que não tem intenção de deixar a F1 ainda depois de assinar um novo acordo no início deste ano.

“Com certeza”, ele respondeu quando questionado pelo Motorsport.com se ainda gosta de fazer parte da Red Bull.

“Quando me juntei à Williams e à McLaren, eram duas grandes equipes que tinham vencido corridas e campeonatos muito antes de eu chegar, por isso havia muito pouca necessidade no lado da infraestrutura.

“Considerando que era um risco de carreira na época, e foi por isso que entrei na Red Bull, eu só queria esse tipo de envolvimento novamente, de estar no desenvolvimento da equipe desde o início.  

Newey on the pitwall in 2006, his first season with Red Bull

Photo by: Red Bull GmbH and GEPA pictures GmbH

Newey on the pitwall in 2006, his first season with Red Bull

“Nesse sentido, tendo estado envolvido no início com Christian e Helmut [Marko], como desenvolvemos a equipe, então por que eu iria querer abandonar isso?”

Newey disse que a temporada de 2014, quando a Mercedes se tornou a força dominante com seus novos motores turbo híbridos, enquanto a Red Bull ficou presa aos motores não competitivos da Renault, foi o único ponto que ele considerou abandonar.

“A única vez que chegou perto foi em 2014 e por motivos completamente diferentes”, explicou. “Muito simplesmente, naquela altura, tínhamos uma unidade de potência que não estava funcionando, o que acontece, claro.”

“E não parecia haver um grande desejo do fabricante de estar no nível mais alto, não dos rapazes [da fábrica], mas do nível mais alto de investir para reverter isso.”

“Então, você está em uma posição um pouco deprimente onde, como todos sabemos, para ganhar campeonatos você precisa ter os três fatores-chave: piloto, chassi e motor, e se um deles for fraco, você não vence."

DRUGOVICH e BORTOLETO na mesma equipe de F1? Brasileiros falam sobre 2024 e ALÉM na ASTON e MCLAREN

Podcast #261 - Show de Casagrande, ascensão de Massa e o futuro da Stock

 

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte do nosso canal no WhatsApp: clique aqui e se junte a nós no aplicativo!

Be part of Motorsport community

Join the conversation
Artigo anterior Relembre quando a F1 corria (e decidia títulos) entre Natal e Ano Novo
Próximo artigo F1: Ferrari é a primeira a ligar motor de 2026 e vive clima otimista para 2024

Top Comments

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Sign up for free

  • Get quick access to your favorite articles

  • Manage alerts on breaking news and favorite drivers

  • Make your voice heard with article commenting.

Motorsport prime

Discover premium content
Assinar

Edição

Brasil