Fórmula 1
14 nov
-
17 nov
Evento encerrado
28 nov
-
01 dez
Evento encerrado
Fórmula E
R
ePrix de Santiago
17 jan
-
18 jan
Próximo evento em
34 dias
NASCAR Cup
08 nov
-
10 nov
Evento encerrado
15 nov
-
17 nov
Evento encerrado
Stock Car Brasil
08 nov
-
10 nov
Evento encerrado
22 nov
-
24 nov
Evento encerrado
MotoGP
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
15 nov
-
17 nov
Evento encerrado

Qualidade, regras e educação estão no coração do centro de controle de combustível do WEC

compartilhar
Qualidade, regras e educação estão no coração do centro de controle de combustível do WEC
13 de set de 2019 16:59

Saiba como a Total age desde a saída do combustível de sua sede até a chegada às equipes do WEC e ELMS

Quando foi que ouvimos falar sobre testes de combustível com alguma irregularidades em seus resultados ? Raramente!

No entanto, sua implementação do início ao fim da cadeia produtiva e operação nas competições pelas equipes é rotineira e representa uma tarefa incessante.

O objetivo dos controles é amplo: além de garantir a qualidade e a confiabilidade dos produtos fornecidos aos competidores do WEC e da European Le Mans Series (ELMS), a Total é rigorosa na verificação das amostras e também possibilita garantir a equidade nos campeonatos e a operação adequada desse elemento de desempenho padronizado para todos os combustíveis.

Oferecer um produto impecável aos competidores

Para falar sobre tudo isso, conversamos com Thomas Fritsch. O papel do jovem engenheiro francês é garantir que tudo o que é fornecido pela Total para as equipes quando chegam ao circuito cumpra os regulamentos e permaneça sistematicamente nas especificações do que saiu do local de produção e não foi "poluído", alterando a composição do produto entre deixar a fábrica e ser disponibilizado para uma equipe.

Total

Total

Photo by: Total

Cromatógrafo, uma ferramenta de precisão

Como parte do controle de qualidade, garantimos que a integridade dos tambores seja sempre impecável. O combustível é analisado antes de ser levado, os tambores são lacrados e, quando chegam à pista, são entregues aleatoriamente por Thomas Fritsch para um controle de qualidade do produto antes de ser entregue às equipes.

"Temos dois analisadores, porque Le Mans é complicado ter um único analisador", descreve ele em frente à máquina usada para realizar a cromatografia em fase gasosa. "É um equipamento que está em teste de inspeção técnica, uma máquina na qual o combustível é injetado, que é aquecido e passado por uma coluna. Este mede cerca de 50 metros", explica ele pacientemente.

Essa coluna é oca e possui cavidades, como uma esponja. Sua porosidade significa que pequenas moléculas passarão rapidamente e grandes serão retidas por essas cavidades esponjosas, separando as diferentes moléculas de combustível. Na saída da coluna, obtemos um gráfico semelhante a um encefalograma, com picos que, quanto mais intensos, altos e amplos forem, serão significativos de uma importante concentração da molécula.”

Este cromatógrafo obtido é a impressão digital do combustível. "Dois combustíveis não podem ter o mesmo cromatograma, porque sempre têm uma composição que pode variar um pouco, assim como dois seres humanos não podem ter a mesma impressão digital", compara Romain Aubry.

Mas vamos voltar ao combustível. Essa impressão digital criada se torna a referência para um evento inteiro, como a semana das 24 horas de Le Mans. Também é importante garantir a equidade dos produtos fornecidos aos concorrentes e servir de base para todos os futuros controles comparativos.

"O tambor não é designado especificamente para uma equipe antes dos eventos. Em um evento como as 6 Horas de Spa, levamos cerca de 40.000 litros (40m3 de produto) conosco", explica o diretor técnico da Total Competition. "Quando eles saem da fábrica, os tambores não são designados para ninguém em particular e são levados aleatoriamente para as equipes quando chegam à pista.

Total

Total

Photo by: Total

Rigor e garantia de igualdade a todos

Como garantir que a máquina de cromatografia seja removida adequadamente entre dois testes?

"Realizamos muitos trabalhos preliminares para descobrir como os combustíveis devem estar quentes e não deixar vestígios", explica Thomas Fritsch. "Nos baseamos em nosso laboratório de manufatura, onde temos métodos muito precisos e fazemos um acompanhamento. Comparo meus dados com o que temos em laboratório, otimizando para ser o mais eficiente possível em termos de tempo de análise, fiz cerca de cem testes na semana anterior às 24 horas de Le Mans.”

“Cada análise leva menos de 10 minutos, então o dispositivo deve esfriar por cerca de 5 minutos", diz o engenheiro. Isso permite a análise da amostra a cada 15 minutos. É por isso que a Total possui dois analisadores para Le Mans, onde a demanda é alta. O resto do tempo, uma das máquinas transforma o WEC e a outra, o ELMS. Uma terceira máquina é transportada para todos os fins para antecipar qualquer possível falha.

Como fornecedor técnico, a Total atua como controladora de combustível. "Isso não é controle interno. Fazemos o controle de qualidade do produto aleatório quando o combustível chega à pista. Depois disso, somos o braço analítico da FIA. Essa é uma competência delegada pela FIA e pelo ACO".

Não há noção de diferenciação de combustível entre as equipes: são as especificidades do combustível genérico que contam, assim como no WRC, onde a operação é a mesma que no WEC e onde a Total também é o fornecedora exclusivo de combustível.

Como um controle antidoping, mas educacional!

No WEC, os comissários intervém, decidindo no final das classificações ou da corrida coletar uma amostra dos carros designados aleatoriamente. Durante as 24 horas de Le Mans, três amostras são coletadas na presença do comissário com um representante da equipe.

"Um para nós, uma para a FIA e outro para o competidor. O mesmo princípio de um teste antidopagem: A, B, C", sorri Thomas Fritsch. "Eu pego uma e emito um certificado de conformidade no final da sessão, validando que o combustível corresponde ao lote que foi fabricado e fornecido. Verificamos novamente que a pegada de combustível está sobreposta e que corresponde 100% à da base tínhamos na fábrica e saímos para a pista antes do final de semana. É a maneira de saber que a equipe não usou mais nada ou acrescentou nada.”

Total

Total

Photo by: Total

No caso de uma anomalia e uma diferença entre a amostra e a referência, Thomas emite um certificado de "não conformidade". O competidor pode indicar que ele não concorda com este resultado e que uma análise do B seja realizada, ou que outra amostra é retirada do carro.

Educar as equipes sobre os riscos de comprometimento de combustível faz parte do cotidiano de Thomas e Romain. "Um barril de combustível que fica lá a tarde toda sob o sol se adultera no topo porque o combustível começa a vaporizar no barril. E, quando se abre, torna-se uma verdadeira garrafa de champanhe. A parte leve se tornou gasosa e, em seguida, o combustível não será mais o mesmo. O equilíbrio entre a fração leve e a fração mais pesada não será mais o mesmo. As condições climáticas podem afetar a qualidade do combustível.

No geral, a porcentagem de rejeições de teste é muito rara. Os erros costumam estar relacionados à falta de precisão no gerenciamento de combustível, que pode diferir dependendo do uso de carros em vários campeonatos", defende, no entanto, ciente do alto nível de padrões estabelecido pela Total.

"O que interessa à ACO e à FIA no WEC é profissionalizar o campeonato", conclui Romain. "O trabalho que estamos fazendo no ELMS está incentivando as equipes a virem nos ver por conta própria e nos pedir para verificar suas amostras, porque não têm certeza de que fizeram a limpeza corretamente. Duas ou três equipes - geralmente os que já foram ferrados uma vez! - são quase sistematicamente. O ELMS tornou-se altamente profissionalizado.”

Total

Total

Photo by: Total

Próximo artigo
Radar verde-amarelo: vice-campeonato no mundial de kart é ponto alto do fim de semana

Artigo anterior

Radar verde-amarelo: vice-campeonato no mundial de kart é ponto alto do fim de semana

Próximo artigo

VÍDEO: Piloto capixaba imita Mansell e empurra carro até linha de chegada

VÍDEO: Piloto capixaba imita Mansell e empurra carro até linha de chegada

Sobre esta matéria

Categoria Geral