Extreme E Enel X Island X Prix

Como as equipes se preparam para os desafios únicos de uma etapa do Extreme E X-Prix

As corridas do Extreme E são realizadas em locais únicos, das dunas do deserto da Arábia Saudita aos leitos dos rios glaciais na Groenlândia. A preparação para cada evento representa um grande desafio para os competidores na série off-road totalmente elétrica.

Claudia Hurtgen, Mattias Ekstrom, ABT CUPRA XE

Ao contrário da maioria das corridas e ralis convencionais, as equipes não têm experiência anterior dos locais nem acesso aos dados anteriores. Alguns locais anfitriões, como a Groenlândia, nunca tiveram uma prova de automobilismo antes. E sem nenhum teste durante a temporada, os competidores não podem nem mesmo tentar reproduzir as condições que enfrentarão.

“Nesta primeira temporada, é realmente muito difícil fazer a preparação porque estamos todos aprendendo [à medida que avançamos]”, disse Xavi Serra, chefe de desenvolvimento técnico da Abt Cupra Racing. A equipe de Serra atualmente está em quinto lugar na classificação do Extreme E depois que sua dupla de pilotos com Jutta Kleinschmidt e Mattias Ekstrom terminou em segundo no Island X-Prix.

“No entanto, passamos por uma avaliação pré-evento a partir do formato da corrida em si e seus ajustes esportivos em comparação com as corridas anteriores, horários para alocar as sessões de sexta a domingo, previsões do tempo, atualizações de tecnologia e uma espécie de suposição de terreno.”

Todas as equipes estão equipadas com o mesmo carro off-road elétrico Odyssey 21 como seu veículo base, enquanto a flexibilidade nos regulamentos da carroceria permite alguma diferenciação, como a estratégia de Cupra de antecipar seu próximo SUV elétrico Tavascan.

Jutta Kleinschmidt, Mattias Ekstrom, ABT CUPRA XE

Jutta Kleinschmidt, Mattias Ekstrom, ABT CUPRA XE

Photo by: Charly Lopez / Motorsport Images

Mas, como as máquinas de corrida são transportadas ao redor do mundo por via marítima no St Helena, e de acordo com a série que visa não deixar marcas no meio ambiente, os testes pré-evento são impossíveis.

As equipes recebem apenas informações limitadas sobre cada percurso do X-Prix antes do fim de semana, colocando uma importância extra em sua breve oportunidade de reconhecer a rota na chegada.

Serra disse: “Como os carros iam de rodada em rodada no St Helena, não houve chance de testar entre as primeiras quatro rodadas".

“Mais do que simulação pré-evento, o que fazemos é o máximo possível de análise de dados na base após cada rodada para consolidar os aprendizados e estar mais bem preparados para aumentar gradualmente nosso nível de desempenho com o passar da temporada."

“As informações que recebemos com antecedência são muito pequenas e muito próximas do [evento], então o reconhecimento é primordial e temos que estar bem preparados."

“Os engenheiros e pilotos precisam se concentrar e tirar o máximo proveito do pouco tempo disponível para avaliar a pista durante o tempo de reconhecimento.”

Os primeiros campeões do Extreme E serão decididos no Jurassic X-Prix, no Reino Unido, de 18 a 19 de dezembro.

Jutta Kleinschmidt, Mattias Ekstrom, ABT CUPRA XE

Jutta Kleinschmidt, Mattias Ekstrom, ABT CUPRA XE

Photo by: Zak Mauger / Motorsport Images

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation

Vídeo relacionado

Artigo anterior Stock Car: Confira horários e como assistir a final em Interlagos
Próximo artigo ANÁLISE: Como a F1 se perdeu nas próprias regras na Arábia Saudita

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil