F1: Corridas classificatórias devem flexibilizar teto orçamentário em até R$3,3 milhões

Flexibilização do teto foi um pedido das equipes de maior orçamento para lidar com os possíveis gastos extras com acidentes através do novo formato

F1: Corridas classificatórias devem flexibilizar teto orçamentário em até R$3,3 milhões

A Fórmula 1 está próxima de oficializar a introdução dos testes das corridas classificatórias para a temporada de 2021. E o último empecilho enfrentado pela categoria para a aprovação do projeto, já foi superado: a compensação financeira pelas provas extras e seu impacto no teto orçamentário.

Para este ano, o teto foi calculado em 145 milhões de dólares (R$810 milhões), mas o orçamento não contava com a introdução de três corridas classificatórias, de curta duração, nos GPs em Silverstone, Monza e Interlagos, e as equipes pediam à F1 uma compensação e uma flexibilização, prevendo quaisquer tipo de problemas, como acidentes.

Leia também:

As equipes da ponta, Mercedes, Red Bull e Ferrari, eram as que mais pediam essa flexibilização, já que tiveram que mexer em toda a sua estrutura para operar dentro do limite, já que a introdução de três novas corridas aumenta naturalmente os gastos para todo o grid.

Por outro lado, as equipes pequenas também pediam a compensação financeira, mas eram contra a flexibilização do teto, por temer que as rivais poderiam usar esse valor extra em busca de mais performance, ajudando a manter a diferença ao longo do grid.

Mas, conforme noticiado pelo Motorsport.com no início de abril, esse empecilho foi superado após a F1 apresentar uma proposta financeira aprovada por unanimidade, e agora começam a surgir os valores propostos pela categoria.

Segundo divulgado pelo portal RaceFans, cada equipe receberá um pagamento de 75 mil dólares (R$420 mil) por corrida classificatória, visando cobrir o custo de participação.

E pensando na possibilidade de danos por acidente, cada equipe que sofrer problemas significativos poderá gastar até 200 mil dólares (R$1,1 milhão) por corrida além do teto orçamentário, totalizando 600 mil dólares (R$3,3 milhões).

Mas, para viabilizar esse gasto extra, as equipes terão que comprovar que o carro teve que parar nos boxes ou abandonar devido a danos causados dentro da corrida.

A proposta deve ser votada na próxima semana, durante a reunião da Comissão da F1 e, posteriormente, sancionada pelo Conselho Mundial do Esporte a Motor da FIA.

O modelo consiste em uma mudança no formato tradicional de fim de semana, com a classificação passando para a sexta-feira em três ocasiões, nos GPs da Grã-Bretanha, Itália e São Paulo. O resultado desta sessão forma o grid de largada para a corrida classificatória do sábado.

Essa prova terá duração de 100 quilômetros, ou seja, um terço de um GP tradicional, e seu resultado formará o grid de largada para a prova do domingo.

PÓDIO: CAOS em Ímola! TRETA de Bottas e Russell, 'TRAPALHADA' de Hamilton e tudo do GP

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações, para sempre ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #098 – TELEMETRIA: A verdade sobre motor Honda e tudo sobre o GP da F1 em Ímola

 

compartilhar
comentários
F1 - Russell pede desculpas a Bottas após acidente em Ímola: "Não foi o meu dia de maior orgulho"

Artigo anterior

F1 - Russell pede desculpas a Bottas após acidente em Ímola: "Não foi o meu dia de maior orgulho"

Próximo artigo

F1: Wolff admite que Bottas está dando “passos para trás” na carreira

F1: Wolff admite que Bottas está dando “passos para trás” na carreira
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Redação Motorsport.com