Fórmula 1
14 nov
-
17 nov
Evento encerrado
28 nov
-
01 dez
Evento encerrado
Fórmula E
R
ePrix de Santiago
17 jan
-
18 jan
Próximo evento em
32 dias
NASCAR Cup
08 nov
-
10 nov
Evento encerrado
15 nov
-
17 nov
Evento encerrado
Stock Car Brasil
22 nov
-
24 nov
Evento encerrado
13 dez
-
15 dez
Evento encerrado
MotoGP
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
15 nov
-
17 nov
Evento encerrado

OPINIÃO: Nova morte em Interlagos ilustra irresponsabilidade no motociclismo brasileiro

compartilhar
comentários
OPINIÃO: Nova morte em Interlagos ilustra irresponsabilidade no motociclismo brasileiro
Por:
15 de abr de 2019 14:15

Acidente fatal de Mauricio Paludete é o mais recente de sequência rotineira de problemas sérios em Interlagos

Para alguém que cobre motociclismo, não cabe apenas dar atenção àquilo que é bom ou àquilo que é legal. É preciso também falar do que não é agradável, mas necessário para que um dia tenhamos no Brasil campeonatos fortes e corridas seguras para os participantes. Só assim poderemos no futuro formar jovens pilotos de bom nível para campeonatos na Europa e oferecer boa segurança aos pilotos que arcam com os custos de competir por diversão.

O risco sempre será inerente ao motociclismo. Por muitos motivos: velocidade, falhas mecânicas, quedas dos mais variados tipos e as limitações do corpo humano. Por mais seguro que seja um autódromo e por melhor que sejam os equipamentos de segurança, há sempre o risco, por exemplo, de um atropelamento – algo tão temido no motociclismo quanto uma batida em ‘T’ no automobilismo por ser a circunstância que mais expõe a integridade de um piloto.

Leia também:

Entretanto, atender a requisitos de segurança não é nem de longe o caso da pista de Interlagos. Localizada no centro comercial do Brasil (a cidade de São Paulo), o circuito tem uma importância significativa para um campeonato como o Superbike Brasil – que realiza nesta temporada sete de suas dez etapas no local.

Maior campeonato de motovelocidade do Brasil, o Superbike conta com presença forte da Honda, transmissão televisiva e pilotos de renome internacional como Alexandre Barros (5x quarto colocado na MotoGP e com sete vitórias), Eric Granado (campeão europeu de Moto2 em 2017) e, neste ano, o australiano Anthony West (238 participações no mundial e duas vitórias nas 250cc/Moto2).

Mas apesar do investimento e do bom nível técnico, o evento ainda peca bastante na segurança. A morte de Mauricio Paludete é apenas mais uma frente às péssimas estatísticas dos últimos anos. Interlagos matou em 2017 Sérgio dos Santos na Curva do Sol e em 2018, também no S do Senna, Rogério Munera. Ambos competindo no Superbike Brasil.

Frente à média, não é preciso ser um expert para entender que algo não está certo. Nada foi aprendido nas tragédias dos últimos anos?

Parece que não. Interlagos continua a ser utilizado no mesmo layout e com raras barreiras de ar nas áreas de escape. Por exemplo, no ponto onde Paludete bateu havia uma proteção de pneus coberta, o que classifica o local como ‘grau D’ de acordo com as regulamentações oficiais da Federação Internacional de Motociclismo. Indo de A a E (em ordem decrescente), pistas de grau D (de acordo com o artigo 3 das regras de homologação) só podem receber corridas de eBikes, jamais de Superbikes de 1000cc. (O regulamento, em inglês, pode ser encontrado aqui)

O artigo 4.8 do mesmo regulamento diz que “o comprimento final das áreas de escape será definido tendo em conta o traçado das pistas, a topografia, a linha de corrida e a inclinação” por meio de um cálculo tendo em vista a velocidade das motos. Porém, não é preciso fazer um cálculo para entender que a área de escape no S do Senna é insuficiente para motos que chegam a mais de 250 km/h no fim da reta dos boxes – e sem proteções de ar, lembremos.

Outra falha de segurança grave cometida pelo campeonato é na Curva do Café. Interlagos foi utilizada pela MotoGP apenas uma vez – no longínquo ano de 1992 – e o mundial foi o responsável pela criação da chicane do Café, feita para diminuir a velocidade das motos tendo em vista a pequena área de escape no local e no S do Senna, curva seguinte. 27 anos depois, o Superbike Brasil não utiliza a chicane e os pilotos passam ao lado do muro no Café a quase 200 km/h. Mesmo o traçado alternativo do Bico de Pato para motos, feito na reforma de Interlagos em 2014, também não é utilizado.

E recordemos: a chicane do Café foi desenhada pela FIM antes do acidente que deixou Wayne Rainey paraplégico (1993), antes da morte de Daijiro Kato em Suzuka (2003, em uma dinâmica similar à do acidente em Interlagos de ontem), antes dos atropelamentos fatais de Shoya Tomizawa e Marco Simoncelli (2010 e 2011) e antes da morte de Luis Salom (2016). Ou seja, muito antes do nível de segurança da atualidade, o que nos faz entender a precarização do tema para a organização do evento, comandada pelo piloto Bruno Corano.

Organização essa que é feita fora da chancela da Confederação Brasileira de Motociclismo. A rixa entre as duas entidades vem de alguns anos, com um lado reclamando da ausência de auxílio do outro. Fato é que o Superbike Brasil é mais atrativo para marcas e pilotos, enquanto o Brasileiro de Motovelocidade – que não foi realizado em 2016 e 2017 – tem um nível técnico consideravelmente mais baixo.

Mas a raiz do problema começa na falta de cobrança. O Brasil não tem pistas próprias para corridas de moto. O que fazer? Lutar para modernizar os autódromos e aumentar a segurança em todos os pontos perigosos, o que demanda esforço, tempo e custo – e aí entendemos por que a motovelocidade mata pilotos rotineiramente no Brasil. Quem estaria interessado em cobrar isso e arcar com essa despesa?

O que não está certo é estourar champanhe no pódio após acidentes como o de ontem como se nada tivesse acontecido. Um piloto morreu e poucas pessoas do meio manifestaram pesar publicamente antes da audiência cobrar explicações sobre o acidente.

E nessa tentativa de abafar acidentes sérios o motociclismo brasileiro continuará sendo uma prática amadora aos olhos de quem só ouve falar da modalidade eventualmente, quando algo grave acontece.

Chegou a hora de mudar em vez de assistir a acidentes fatais passivamente sem senso de humanidade como ocorre atualmente. Dinheiro não é tudo.

O motociclismo nacional precisa do Superbike Brasil, mas o Superbike Brasil precisa mudar.

Próximo artigo
Piloto da SuperBike Brasil morre após forte acidente em Interlagos

Artigo anterior

Piloto da SuperBike Brasil morre após forte acidente em Interlagos

Próximo artigo

Radar verde-amarelo: Enzo Fittipaldi e Sérgio Jimenez vencem no fim de semana

Radar verde-amarelo: Enzo Fittipaldi e Sérgio Jimenez vencem no fim de semana
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Geral
Autor Gabriel Lima