Polícia analisa circunstâncias de acidente que matou Hayden

De acordo com informações preliminares, piloto americano teria atravessado preferencial e cruzado caminho de carro

Polícia analisa circunstâncias de acidente que matou Hayden
Nicky Hayden, Honda World Superbike Team
2006 MotoGP World Champions photoshoot: MotoGP champion Nicky Hayden
Podium: champagne for Nicky Hayden
Nicky Hayden decal on the car of Kasey Kahne, Hendrick Motorsports Chevrolet
Podium: third place Nicky Hayden, Repsol Honda Team
Nicky Hayden, Repsol Honda Team
Carregar reprodutor de áudio

A polícia italiana ainda investiga as circunstâncias do acidente que provocou a morte de Nicky Hayden, campeão mundial da MotoGP em 2006.

Na última quarta-feira (17), Hayden foi atropelado por um carro enquanto andava de bicicleta perto da região de Rimini, na Itália. O americano, de 35 anos, colidiu com o para-brisas do veículo e sofreu severos traumas na cabeça e no tórax, que causaram seu óbito nesta segunda.

Segundo o jornal italiano Corriere di Romagna, o Ministério Público já está em posse de alguns vídeos de câmeras de segurança que mostram imagens do acidente – e indicam que o piloto desrespeitou um sinal de “Pare” no cruzamento.

“Nicky Hayden não para quando vê a placa e, atingido pelo carro, voa longe depois do choque violento. As imagens são fortes e mostram um drama que acontece em um instante. Dois destinos que se encontram no momento errado, no lugar errado”, detalha o jornal. 

As imagens confirmariam a versão prestada pelo motorista do carro, um homem de 30 anos, que foi liberado após esclarecimentos no local e um exame de bafômetro que não apontou a presença de álcool em seu organismo.

Ainda de acordo com o jornal, a polícia cogita a possibilidade de Hayden estar distraído no momento, especialmente porque usava fones de ouvido e estava em posse de um iPod.

A família de Hayden contratou o advogado Moreno Maresi para acompanhar de perto as investigações e a reconstituição do acidente. Eles ainda estão com dúvidas a respeito da velocidade do carro no momento do atropelamento. 

compartilhar
comentários
Schwantz se recusou a acompanhar Hayden em passeio
Artigo anterior

Schwantz se recusou a acompanhar Hayden em passeio

Próximo artigo

Barros: Hayden é o exemplo de que trabalhando se chega longe

Barros: Hayden é o exemplo de que trabalhando se chega longe
Carregar comentários