Lamborghini quer continuar na liderança; veja como

compartilhar
comentários
Lamborghini quer continuar na liderança; veja como
7 de jan de 2020 21:34

A marca italiana dos supercarros quer manter o sucesso na próxima década

Julgada por qualquer forma como uma marca de alto luxo, a Lamborghini está em alta. O ano de 2019 provou ser o mais forte em vendas da história de 56 anos da companhia, com entregas globais 56% maiores na primeira metade do ano fiscal versus o mesmo período de 2018, uma grande parte disso pela alta demanda do SUV Urus. 

A marca de Sant´Agata, Itália, também está no topo do ranking de veículos de produção na famosa Nürburgring, marco atingido por Marco Mapelli e seus 6:44:97 com um Aventador SVJ em julho de 2018. A divisão de competições da companhia também conquistou diversos prêmios, como o de construtores da IMSA GTD e o International GT Open em 2019. 

Mas como muitas fabricantes de exóticos, a Lamborghini também passou por tumultos no passado - um lembrete de que nesse mercado voraz e competitivo dos automóveis, prosperidade não é algo garantido. O crescimento da companhia é o resultado de diversos fatores que não só contribuíram para o posicionamento atual, mas também um ponto para continuar o sucesso na próxima década. Vamos olhar alguns deles. 

Mais que apenas um rosto bonito

Design bem chamativo e motores potentes sempre foram marcas da Lamborghini desde que o primeiro 350 GT com motor V12 saiu da fábrica em 1964. Mas em uma era em que os sedãs familiares tem 700 cv, os carros exóticos não podem descansar. Com isso, modelos como o Huracán Evo Spyder não são notados apenas por sua silhueta e performance em linha reta, mas também pelas tecnologias integradas sofisticadas que fazem dessas máquinas extremamente performáticas e bons carros para usar diariamente. 

"Isso é fundamental", disse Maurizio Reggiani, chefe do escritório técnico da Lamborghini, durante o Pebble Beach Concours Concept Law. "Estes sistemas no carro nos permitem interpretar a expectativa do motorista. Por exemplo, se selecionado o modo Sport, você provavelmente procura diversão. Então o sistema de esterço do eixo traseiro e vetorizador de torque mantém o controle em uma condução de drift se o motorista quiser, e os sistemas são projetados para dar confiança necessária para levar o carro ao limite. Se selecionar o modo Strada, sabemos que ele quer o carro mais estável e fácil de dirigir". E isso significa que a distribuição de torque, rigidez da suspensão, controles de estabilidade e outros ajustes foram configurados para acomodar. 

Enquanto isso é algo fundamental para a companhia - além dos motores aspirados V10 e V12 - a marca também está indo para novos lados, utilizando um V8 biturbo 4.0 V8 no Urus, que tem muito torque desde as rotações mais baixas. Foi a primeira vez em que a Lamborghini utilizou um motor de indução forçada e, junto com o motor turbo, trouxe as pinças de freios com 10 pistões e discos de carbono de 17,3", levando um SUV de 2.200 kg aos 100 km/h em 3,6 segundos e a fazer voltas mais rápidas que um Gallardo. 

Isso explica o sucesso do Urus e de outros esportivos, como o Huracán e o Aventador, populares nos últimos anos. De fato, estamos falando de uma produção limitada a 8.500 unidades nos próximos anos para manter as vendas estáveis e a exclusividade da marca. 

Curadoria de imagem

Criar um produto competitivo é uma coisa, mas o marketing efetivo é outra. Para a Lamborghini, este é outro elemento dos negócios da fabricante que se destaca diante dos concorrentes. Propagandas como o "Lamborghini Real Lover", que usa o coração para capturar a essência da marca que faz dos italianos tão competitivos, deixando claro que a companhia tem uma grande noção de qual é a sua audiência e o motivo pelo qual eles cuidam tanto de seus carros. 

E isso vai além dos comerciais. As plataformas sociais como o Instagram tem mais seguidores que a Ferrari em cerca de 30% com 24,6 milhões de seguidores, o que permite ao fabricante mostrar seu design e conectar sua marca a uma imagem, desde um piloto profissional ou alguém que simplesmente aprecia a figura. 

Há outros aspectos de marketing para se considerar, que servem como uma base adicional de compartilhamento assim como uma outra forma de conectar o lifestyle (aspiracional ou outros) com os produtos da companhia. A marca começou uma parceria com a Lego que deu origem a novos conjuntos para o Urus e Huracán. 

Liderança

Enquanto diversas destas peças estão em seus lugares há algum tempo, o crédito deve ser dado ao atual CEO da Lamborghini, Stefano Domenicali, por conduzir o barco para o percurso atual. 

Nascido e criado em Ímola, na Itália, Donemicali passou sua infância no Autodromo Enzo e Dino Ferrari, ajudando no paddock durante os finais de semana de corrida, e seu currículo inclui um tempo no começo da equipe Ferrari de Fórmula 1 antes dele ir para a Audi em 2014. 

"São as pessoas que mais significam para mim em nosso negócio. São incrivelmente apaixonadas e dedicadas", disse Stefano Domenicali

Dois anos depois, ele substituiu Stephan Winkelmann na Lamborghini. E haviam diversas coisas para continuar. Durante 11 anos, Winkelmann levou a companhia a um crescimento, eventualmente dobrando as vendas anuais e expandindo a linha de trabalho em cerca de 50%. Também cuidou do lançamento de dois de três modelos da Lamborghini vende atualmente. Considerando o recorde deste ano, parece que Domenicali está indo bem na sua função. 

"Sempre planejamos que o Urus contribuiria para dobrar a produção, e estamos indo bem neste sentido", disse durante o Luxury London em abril. "Mas isso pra mim tem a ver com as pessoas: são 1.750 funcionários no fim de 2018, com 70% contratados nos últimos 5 anos. As pessoas são a parte mais importante de nosso negócio. Eles são incrivelmente apaixonados e dedicados". 

O que o futuro reserva

Olhando para frente, um sucessor do Aventador, um novo GT 2+2 e a eletrificação da linha estão no topo da lista. "Supercarros são diferentes dos normais, mas a eletrificação será parte de nosso mercados, então é fundamental que isso esteja em nossas pesquisas e desenvolvimento para os carros do futuro", explicou Domenicali. "O primeiro passo para a eletrificação será a hibridização na próxima geração de super carros, assim como no Urus". Então enquanto o limitado Sian não terá seu design em modelos do futuro, seus conjunto híbrido - que combina o motor 6.5 aspirado V12 com um sistema híbrido leve de 48 volts para ter 819 cv - pode mostrar o que teremos sob o capô. 

É salvo dizer que os próximos lançamentos da Lamborghini seguirão a tradição da marca em produzir máquinas que fazem corações baterem mais rápido e atrair olhos na mesma força. "No futuro, nosso portfólio irá se manter supersport", ele concluiu. "Este é o foco que precisamos manter". 

 
 
Próximo artigo
Chevrolet Onix Plus tem vendas suspensas por risco de incêndio

Artigo anterior

Chevrolet Onix Plus tem vendas suspensas por risco de incêndio

Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Automotivo