Fórmula 1
14 nov
-
17 nov
Evento encerrado
28 nov
-
01 dez
Evento encerrado
Fórmula E
R
ePrix de Santiago
17 jan
-
18 jan
Próximo evento em
34 dias
NASCAR Cup
08 nov
-
10 nov
Evento encerrado
15 nov
-
17 nov
Evento encerrado
Stock Car Brasil
08 nov
-
10 nov
Evento encerrado
22 nov
-
24 nov
Evento encerrado
MotoGP
01 nov
-
03 nov
Evento encerrado
15 nov
-
17 nov
Evento encerrado
Dakar 2019: Moto
Assunto

Dakar 2019: Moto

Conheça Nicola Dutto, primeiro piloto paraplégico do Dakar

compartilhar
comentários
Conheça Nicola Dutto, primeiro piloto paraplégico do Dakar
Por:
6 de jan de 2019 14:58

Italiano conta como foi processo de recuperação física e psicológica para voltar a competir até chegar ao maior rali do mundo

Nicola Dutto ficou paraplégico após queda em 2010, no Campeonato Europeu Baja e retornou à competição apenas dois anos depois, com um assento especial. Neste mês de janeiro ele vai estrear no Dakar.

A vida mudou para Dutto, 49, há sete anos em uma rota perto do rio Tagliamento, em Pordenone. O italiano disputava o Campeonato Europeu Baja e foi catapultado a 150 km/h em um voo para o desconhecido.

Dutto reconhece que era um dos seus medos. Que ele estava angustiado quando parou para pensar sobre isso depois de ver os casos de Albert Llovera e Isidre Esteve, mas "quando você está dentro, você não tem outra opção: você acelera ou desiste". A fratura na sétima vértebra dorsal foi o que causou a temida paraplegia.

Mas naquela tarde no final de março, Dutto quebrou vários ossos e teve que ficar nove meses no hospital e superar várias intervenções. Ninguém teria dito a ele que em 2012 ele competiria novamente em uma moto.

Desde então, ele teve que superar seus medos, fazer uma intensa reabilitação e criar coragem. Dutto conta ao Motorsport.com: "Quando você sofre uma lesão, a vida muda radicalmente, você precisa aprender a controlar seu corpo e a última coisa que eu pensava era voltar para a moto."

Em 2011, ele decidiu se inscrever para Baja California 1.000, como um teste, com um buggy e com sua esposa, Elena. Ele teve a transmissão quebrada após 700 quilômetros no meio do deserto e teve que esperar por assistência.

"Passamos a noite sob as estrelas em um rio seco. Ela acendeu o fogo e de lá algo curioso aconteceu: quando nos casamos escrevemos nas alianças “Entre a poeira e as estrelas", que é uma pequena frase que eu sempre tenho em mente, porque de manhã você está sob a poeira quando saímos a cada 30 segundos e então, a noite estrelada é como se te recebesse com um abraço."

Inspiração

Dutto viu o caso de Doug Henry, três vezes campeão do AMA motocross que ficou paraplégico em 2007, e disse a si mesmo: "Por que não? Se eu gosto, eu continuo e ando de moto com meus amigos novamente."

No final de 2011, ele comprou o mesmo modelo com o qual ficou paraplégico, uma Suzuki 450 RMX, e começou a adaptá-la com uma barra, graças a um amigo mecânico seguindo as fotos que eles tinham da moto de Henry. Em meados de fevereiro, em uma tarde de sábado, ele andou em torno de seu bairro.

"Eu comecei e pensei que era um idiota, mas o medo desapareceu depois de 200 metros, assim que entendi qual era o novo ponto de equilíbrio e era como se esses dois anos nunca tivessem acontecido."

Um novo começo

No final, entre passeios com amigos, o inseto voltou a mordê-lo. Em sua mente, o Baja Aragón 2012 foi desenhado e do outro lado do telefone estava a voz de Julián Villarrubia (quatro Dakars), amigo e rival de sua época no Cross Country. Assim, com a ajuda de Julian, ele se tornou o primeiro piloto paraplégico a completar o Baja em uma moto.

"Eu queria chorar, rir, eu não imaginava um apoio daquele nível na Espanha, nós éramos o 15º do geral, mas eu quebrei um fusível e terminei em 20º."

Superação

Dutto teve que quebrar barreiras e desde o verão de 2012, quando voltou a competir regularmente na KTM Itália.

"A mentalidade esportiva ajuda muito, especialmente a do piloto off-road que está acostumado a enfrentar dificuldades todos os dias. No momento em que você aceita sua nova condição, é como se tivesse passado com a moto em um obstáculo e continuado."

Em março de 2017 ele estreou pela primeira vez no deserto no Merzouga Rally. Lá, no sudeste marroquino, ele teve seu complicado batismo com Julián e Pablo Toral, seus escudeiros. Apesar de cair "cerca de 30 vezes por estágio", Dutto alcançou a meta e apenas pulou uma das etapas devido a problemas intestinais. Poucos meses depois, ele completou o Rally OiLibya do Marrocos em sua totalidade.

"Eu pratico esqui desde os três anos de idade no Piemonte, e a sensação é de esquiar na neve fresca, no primeiro dia em que comecei a chorar. Então fico com raiva quando caio, porque faço isso na parte mais lenta, por estupidez.”

Dutto é capaz de manter o equilíbrio até um mínimo de 20 km/h, seus companheiros de equipe o ajudam a parar a motocicleta. As palavras de Villarrubia falam por si: "É uma emoção especial vê-lo na moto e ser o único que torna a aventura possível. Isso vale mais do que o salário de um piloto profissional.”

Pablo Toral, Nicola Dutto y Julián Villarrubia tras terminar el Afriquia Merzouga

Pablo Toral, Nicola Dutto y Julián Villarrubia tras terminar el Afriquia Merzouga

Próximo artigo
Toyota se coloca na obrigação de vencer Dakar em 2019

Artigo anterior

Toyota se coloca na obrigação de vencer Dakar em 2019

Próximo artigo

Dakar tem início com vitória brasileira; saiba como foi o primeiro dia

Dakar tem início com vitória brasileira; saiba como foi o primeiro dia
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Dakar
Evento Dakar
Autor Sergio Lillo