Dakar Dakar

Dia Mundial da Paz: Dakar abre o ano com 68 nacionalidades em competição

Com russos driblando regras, super desafio dá a largada no mundo esportivo de 2023. Veja onde assistir no Brasil

Brasileiros no Dakar 2023

No momento em que o mundo assiste perplexo a crises importantes, como o Rússia contra Ucrânia, o Dakar voltará a unir a comunidade internacional no Dia Mundial da Paz, neste 1º de janeiro, data celebrada desde 1968 como marco de um novo ciclo para o entendimento entre as nações.

O editor recomenda:

E o Rally Dakar, que larga justamente neste domingo para o primeiro dos 15 dias da prova, vai além disso: em uma amostra de força e diversidade, o maior desafio do automobilismo internacional reúne profissionais de 68 nacionalidades espalhados pelas equipes dos 455 veículos inscritos, destacando a presença de 54 mulheres na gigantesca caravana, segundo dados da ASO, organizadora da corrida.

“Este é meu primeiro Dakar e é sensacional ver a diversidade espalhada por todo o acampamento aqui na Arábia Saudita”, disse Lucas Moraes, atual bicampeão do Rally dos Sertões que vai fazer sua estreia na categoria principal, disputada pelos carros.

“Isso é uma coisa bem especial no Dakar. O convívio com todos os tipos de pessoas, pilotos, mecânicos, homens e mulheres, de diversas origens e modos de pensar. O bivouac, nosso acampamento, é quase uma ONU do esporte. Por cerca de 20 dias estamos aqui juntos, competindo. Mas há um elo que nos liga, que é participarmos de algo maior, de um desafio incrível com os melhores atletas e profissionais de todo o mundo. Isso é único e contagiante”, completa o piloto.

190 países

A costura internacional promovida pelo Dakar conta com a exibição da prova para o mundo inteiro: 70 canais de TV atingirão 190 países. No Brasil, flashes da corrida e reportagens especiais poderão ser vistos pela ESPN, com o locutor Thiago Alves e o comentarista Edgard Mello Filho, e também nos boletins diários da repórter Letícia Datena nos canais Band e Bandsports. Assinantes do Star+ acompanharão imagens comentadas em inglês e espanhol.

Até pela origem da prova e força do rally naquele país, a França é a nação dominante, com 194 representantes, entre profissionais de todas as áreas. Espanhóis vêm a seguir (119) e holandeses formam o terceiro maior grupo (90). O Brasil contará com 11 representantes (veja lista abaixo).

Russos, mas nem tanto

A universalidade da prova e a simbologia de sua data de largada, no entanto, não estão imunes às dificuldades da geopolítica internacional. Como em outros esportes, as equipes russas seriam banidas caso não condenassem a agressão à Ucrânia.

A saída para alguns competidores daquele país foi se inscreverem por outras nacionalidades. É o caso de Denis Krotov, que disputará o Dakar como piloto do Quirguistão, e seu companheiro Konstantin Zhiltosv, navegador que se inscreveu sob a bandeira de Israel. Já o navegador Alexey Kuzmich correrá sem indicar nacionalidade, usando apenas o emblema da Federação Internacional do Automóvel (FIA).

Estrela russa e campeão nos quadriciclos em 2017, Sergei Kariakin protestou firmemente contra a imposição e decidiu não competir. Da mesma forma, a Kamaz, fábrica campeã por 19 vezes entre os caminhões, retirou suas equipes do Dakar.

Representante ucraniano

A Federação Internacional de Motociclismo foi menos maleável que sua correspondente dos automóveis, proibindo a participação de qualquer russo. Por isso, não haverá nascidos naquele país na categoria de duas rodas.

Apesar disso, muitos cidadãos circulam pelo Dakar com passaporte emitidos na Rússia. A Ucrânia será representada pelo navegador Dmytro Tsyro, que disputará a categoria Protótipos Leves ao lado da holandesa Anja Van Loon, uma das 54 mulheres que participam de alguma forma da aventura.

Além de Lucas Moraes, o Brasil conta com outros bons destaques (veja foto feita por Marcelo Machado de Melo, da agência brasileira Fotop). É o caso do piloto maranhense Marcelo Medeiros, da equipe TAG Racing, que é tetracampeão do Sertões e tenta a vitória na categoria Quadriciclo.

Rodrigo Luppi e o experiente navegador Maykel Justo são nomes fortes entre os UTVs de produção. O navegador Gustavo Gugelmin, bicampeão entre os UTVs, tenta agora um bom resultado entre os Protótipos Leves, ao lado do talentoso piloto norte-americano Austin Jones. Na mesma categoria, Pâmela Bozzano será a primeira piloto brasileira na competição, ao lado do navegador Carlos “Cadu” Sachs.

Papa comentou a data

Em uma mensagem distribuída pelo Vaticano na segunda semana de dezembro, o Papa Francisco comentou antecipadamente o Dia Mundial da Paz, mas externou a preocupação internacional com as crises em andamento, incluindo também a retomada da Covid-19.

“Na realidade, esta guerra, juntamente com todos os outros conflitos espalhados pelo globo, representa uma derrota não apenas para as partes diretamente envolvidas mas também para a humanidade inteira”, disse ele, referindo-se ao conflito Rússia-Ucrânia.

“E enquanto para a Covid-19 se encontrou uma vacina, para a guerra ainda não se encontraram soluções adequadas. Com certeza, o vírus da guerra é mais difícil de derrotar do que aqueles que atingem o organismo humano”, continuou o sumo pontífice.

Diversidade em Números

O Dakar e suas nacionalidades na Arábia Saudita

Nações representadas: 68
Maior grupo: franceses, 194 profissionais
Estreantes: 150 profissionais
Mulheres: 54 profissionais
Brasileiros: 11 (pilotos e navegadores)

Veículos e Categorias
Carros: 73 (1)*
Motos: 125
Quadriciclos: 19 (1)
Protótipos Leves: 47 (5)
UTVs: 46 (4)
Caminhões: 56
Clássicos: 89
Total: 455 veículos
*Nota: entre parênteses, competidores brasileiros naquela categoria.

45ª Edição do Rally Dakar
8.549km de percurso total. Especiais somam 4.706km
(Data / locais / total do dia / especial)
Prólogo: 31/12 – Sea Camp – 10 km / 10 km
01/01 – Sea Camp –> Sea Camp – 603 km / 368 km
02/01 – Sea Camp –> Al-'Ula – 590 km / 431 km
03/01 – Al-'Ula –> Ha'il – 669 km / 447 km
04/01 – Ha'il –> Ha'il – 573 km / 425 km
05/01 – Ha'il –> Ha'il – 646 km / 375 km
06/01 – Ha'il –> Ad Dawadimi – 876.68 km / 466 km
07/01 – Ad Dawadimi –> Ad Dawadimi – 641.47 km / 473 km
08/01 – Ad Dawadimi –> Riyadh – 722.41 km / 407 km
09/01 – Descanso – Riyadh
10/01 – Riyadh –> Haradh – 710 km / 439 km
11/01 – Haradh –> Shaybah – 623 km / 114 km
12/01 – Shaybah –> Empty Quarter – 426 km / 275 km
13/01 – Empty Quarter –> Shaybah – 375 km / 185 km
14/01 – Shaybah –> Al Hofuf – 669 km / 154 km
15/01 – Al Hofuf –> Dammam – 414 km / 136 km

ÚLTIMO GP de Clark; Hill e P. Rodríguez, datas BIZARRAS e +: corridas da F1 em fins de ano

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com debate os piores do ano na F1 2022

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Guia do Dakar: tudo sobre o desafio, os favoritos e os brasileiros em 2023
Próximo artigo Ekstrom põe Audi na ponta no Prólogo do Dakar 2023; Medeiros é 2º nos quadriciclos

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil