Após reunião, GP da Turquia fica próximo de retornar à F1

Presidente do país se encontrou com Chase Carey, diretor do grupo Liberty Media, e um acordo “já foi feito em princípio”

Após reunião, GP da Turquia fica próximo de retornar à F1
Carregar reprodutor de áudio

O circuito de Istambul está preparado para garantir seu retorno ao calendário da F1, segundo o empresário que administra o local, após uma reunião entre o diretor executivo da categoria, Chase Carey, e o presidente do país.

Recep Tayyip Erdogan recebeu Carey, que estava representando os novos proprietários da F1, o grupo Liberty Media, no palácio presidencial em Ancara, na última terça-feira (11).

Também estavam presentes o operador da pista, Vural Ak, o chefe da entidade automobilística da Turquia, Serkan Yazici, assim como o ministro dos esportes e da juventude, Akif Cagatay Kilic e o secretário geral e porta-voz da presidência, Ibrahim Kalin.

Após a reunião, Ak confirmou que um acordo “já foi feito em princípio”, mesmo que ainda não haja nada oficializado no papel.

“Tivemos um encontro em Ancara com o presidente e Chase Carey, do grupo Liberty Media, a quem eu já havia pessoalmente convidado para vir à Turquia antes”, disse.

“Tudo o que posso dizer no momento é que as reuniões foram muito boas e já fizemos um acordo em princípio, mesmo que o contrato ainda não tenha sido assinado.”

A força por trás do acordo

Há cinco anos, o empresário Ak, que é proprietário da firma de aluguel de carros Intercity, comprou o circuito de Istambul Park, que foi construído em 2004 com um custo de US$ 250 milhões.

Ele tentou entrar em acordo com Bernie Ecclestone em 2013, mas Ak alegou que o ex-mandatário da categoria pedia uma quantia de US$ 26 milhões, o que seria válido apenas para o primeiro ano.

A Turquia ingressou no calendário da F1 em 2005, sendo que a Curva 8 do circuito, feita em quatro tomadas diferentes, foi elogiada pelos pilotos como um dos pontos mais desafiadores da categoria.

Seu último GP foi em 2011, já que, depois disso, uma disputa financeira encerrou seu contrato, já que o governo se negou a fornecer fundos para o evento.

O calendário da F1 para o ano que vem já perdeu o GP da Malásia, e o grupo Liberty expressou seu comprometimento ao retorno dos GPs da Alemanha e da França – isso significaria que o calendário poderia ter 22 eventos caso o GP da Turquia de fato retorne.

compartilhar
comentários
Williams admite erros estratégicos durante GP da China
Artigo anterior

Williams admite erros estratégicos durante GP da China

Próximo artigo

Alonso fica de fora do GP de Mônaco para correr na Indy 500

Alonso fica de fora do GP de Mônaco para correr na Indy 500