CEO da Liberty Media nega venda da F1 para grupo árabe: "20 bilhões de dólares? Pediria muito mais!"

Greg Maffei explicou motivos fiscais que tornam venda da F1 pouco atrativa

Greg Maffei, CEO, Liberty Media Corporation

O CEO da Liberty Media, negou os rumores de que um fundo de investimento saudita teria feito uma oferta de 20 bilhões de dólares (aproximadamente R$95 bilhões) para a compra da Fórmula 1, negando que a categoria esteja à venda e que, mesmo que estivesse, pediria um valor mais alto que isso.

As primeiras notícias sobre essa oferta surgiram no começo do ano, afirmando que a abordagem do Fundo de Investimento PIF teria sido feita ainda em 2022. Mas, em entrevista ao Walker Webcast, Greg Maffei, CEO da Liberty, negou a possibilidade.

Leia também:

"Somos uma empresa C Corp [uma corporação tributada separadamente de seus proprietários, de acordo com a lei fiscal americana]. Isso significa que, se vendermos uma divisão, pagamos imposto de renda corporativo e, então, todos os rendimentos que seriam distribuídos aos nossos acionistas também estariam sujeitos aos impostos".

"Se fôssemos separar a Fórmula 1, criaríamos uma empresa separada, esperando um período suficiente de tempo sem planos ou intenções de venda, para solidificar os negócio para o futuro, evitando os impostos corporativos. Então a forma como estamos estruturados hoje e a questão do imposto, faz com que ela não esteja à venda".

Além de deixar a posição da Liberty Media bem clara, Maffei ainda fala sobre a valorização do produto - comprado de Bernie Ecclestone em 2017 por 'apenas' 4,2 bilhões de dólares (R$20 bilhões) - e como que o valor projetado de 20 bilhões não representa a realidade em uma possível venda.

"Se quiséssemos ser vendedores, ou mesmo se considerássemos isso, teríamos que executar uma operação de spin-off [a criação de uma nova empresa ou produto a partir de seu negócio atual]. Além disso, há outros motivos pelos quais faríamos isso. Mas não é apenas para venda. Mas a forma na qual estamos estruturados, isso seria pouco atrativo".

"Já disse isso antes publicamente: os sauditas são nossos parceiros em algumas coisas. Temos uma corrida lá, a Aramco é uma das patrocinadoras, mas eles nunca nos contataram. E, francamente, 20 bilhões de dólares não seria um valor interessante. O produto está avaliado hoje em 17, 18 bilhões, então por que 20 bilhões? Pediria muito mais! Estamos bem otimistas quanto ao futuro".

Rico Penteado abre o jogo sobre Michael Schumacher

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com debate se já há como comparar Verstappen e Senna na F1?

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Sainz estabelece prazo para negociar contrato com Ferrari e nega rumores sobre Audi
Próximo artigo F1: R. Schumacher diz que Alonso será o rival de Verstappen na Áustria em vez de Pérez

Principais comentários

Ainda não há comentários. Seja o primeiro a comentar.

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil