Fórmula 1
R
GP da Austrália
12 mar
-
15 mar
Próximo evento em
54 dias
19 mar
-
22 mar
Próximo evento em
61 dias
02 abr
-
05 abr
Próximo evento em
75 dias
16 abr
-
19 abr
Próximo evento em
89 dias
30 abr
-
03 mai
Próximo evento em
103 dias
07 mai
-
10 mai
Próximo evento em
110 dias
21 mai
-
24 mai
Próximo evento em
124 dias
R
GP do Azerbaijão
04 jun
-
07 jun
Próximo evento em
138 dias
11 jun
-
14 jun
Próximo evento em
145 dias
25 jun
-
28 jun
Próximo evento em
159 dias
R
GP da Áustria
02 jul
-
05 jul
Próximo evento em
166 dias
R
GP da Grã-Bretanha
16 jul
-
19 jul
Próximo evento em
180 dias
30 jul
-
02 ago
Próximo evento em
194 dias
R
GP da Bélgica
27 ago
-
30 ago
Próximo evento em
222 dias
03 set
-
06 set
Próximo evento em
229 dias
R
GP de Singapura
17 set
-
20 set
Próximo evento em
243 dias
24 set
-
27 set
Próximo evento em
250 dias
08 out
-
11 out
Próximo evento em
264 dias
R
GP dos Estados Unidos
22 out
-
25 out
Próximo evento em
278 dias
29 out
-
01 nov
Próximo evento em
285 dias
12 nov
-
15 nov
Próximo evento em
299 dias
R
GP de Abu Dhabi
26 nov
-
29 nov
Próximo evento em
313 dias

Chico Landi, 1º brasileiro da história da Fórmula 1, morria há 30 anos

compartilhar
comentários
Chico Landi, 1º brasileiro da história da Fórmula 1, morria há 30 anos
Por:
, Editor
7 de jun de 2019 18:12

Vítima de um ataque cardíaco, Landi faleceu em 7 de junho de 1989

Há exatos 30 anos, em 7 de junho de 1989, o Brasil perdia um pioneiro no automobilismo mundial: Chico Landi.

Filho de italianos, Francisco Sacco Landi nasceu em São Paulo em 1907 e foi o primeiro brasileiro a pilotar na Fórmula 1.

Leia também:

Chico Landi disputou seis GP's na categoria máxima do automobilismo, fazendo sua estreia na Itália em 1951, e se despedindo da categoria na Argentina em 1956.

Landi pilotou pela Escuderia Bandeirantes, Milano e Maserati, tendo como melhor resultado um quarto lugar justamente na que seria sua última prova, na Argentina, em 1956.

Na prova de estreia, Chico Landi correu com uma Ferrari alugada, que durou apenas uma volta após problemas na transmissão.

Durante a falta de combustível na Segunda Guerra Mundial, a empresa do ex-piloto, a Francisco Landi & Cia Ltda. criou o gasogênio, que, através de incentivos governamentais, foi amplamente usado em carros particulares e de transporte público.

Este equipamento, era instalado nos veículos para produzir o combustível popularmente conhecido como "gás pobre", usado como substituto da gasolina. O grave racionamento de combustíveis durante a guerra, provocou a suspensão das corridas de automóveis no país. Para que estas tivessem continuidade, o gás pobre passou a ser usado como combustível também no automobilismo.

Chico Landi foi diretor do Autódromo de Interlagos até 1985 e era visto como referência na categoria, sempre citado por Emerson Fittipaldi.

Próximo artigo
Mercedes confirma participação em 2ª temporada da série da F1 no Netflix

Artigo anterior

Mercedes confirma participação em 2ª temporada da série da F1 no Netflix

Próximo artigo

Hamilton bate e Leclerc faz o melhor tempo da sexta-feira no Canadá

Hamilton bate e Leclerc faz o melhor tempo da sexta-feira no Canadá
Carregar comentários

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Gustavo Faldon