Fórmula 1 GP da Bélgica

F1: Por que sprint na Bélgica representa um desafio para as equipes

Equipes terão apenas uma única sessão para fazer decisões cruciais de configuração

Carlos Sainz, Ferrari F1-75, Fernando Alonso, Alpine A522, Lewis Hamilton, Mercedes W13, Sergio Perez, Red Bull Racing RB18, George Russell, Mercedes W13, the rest of the field at the start

As equipes de Fórmula 1 enfrentam um desafio complicado em Spa neste fim de semana, já que o GP da Bélgica é disputado pela primeira vez no formato sprint.

Leia também:

Assim como nos eventos anteriores de 2023, isso significa que a configuração do carro é 'congelada' após o TL1, quando o grid se encaminha para a classificação, e quaisquer alterações posteriores desencadearão uma largada no pitlane para a sprint e para o GP em si.

As equipes já têm experiência com o novo formato, que foi usado no Azerbaijão e na Áustria. No entanto, será particularmente desafiador em Spa, onde os carros são especialmente sensíveis aos níveis de downforce e arrasto, bem como à altura dos monopostos.

Normalmente, na pista belga, os engenheiros têm três sessões de treinos para fazer experiências, observando a velocidade em linha reta de seus rivais imediatos, antes de escolher a melhor solução para a classificação. Desta vez, eles terão apenas uma única sessão, após a qual terão que fazer essas decisões cruciais de configuração.

Se errarem, seus carros podem ficar desalinhados pelo resto do fim de semana, deixando seus pilotos incapazes de se defenderem na longa subida de Eau Rouge e Raidillon ou sem velocidade nas curvas do resto da pista.

As equipes geralmente reagem à posição em que acham que seus carros provavelmente começarão, por exemplo, quando as equipes com penalidades no grid preferem usar menos downforce e velocidade máxima em linha reta para facilitar sua passagem pelo grid. A abordagem alternativa é se concentrar mais no sinuoso Setor 2.

Eau Rouge track action

Ação na pista de Eau Rouge

Foto de: Erik Junius

As equipes dificultarão suas vidas trazendo novas peças que terão de conhecer e otimizar na única sessão de treinos. Todos se movem em direção a uma especificação de arrasto mais baixa para Spa, o que geralmente envolve asas novas ou dutos de freio adaptados aos requisitos da pista.

Algumas equipes também terão atualizações gerais sobre as quais terão de aprender - a Alpine, por exemplo, terá um novo assoalho neste fim de semana.

Spa também é apenas a terceira corrida com a nova construção de pneus da Pirelli introduzida no GP da Inglaterra, sendo que o C2 mais duro só foi visto anteriormente em Silverstone, e o C4 mais macio só foi usado na Hungria, e assim as equipes ainda estão aprendendo sobre eles.

Para aumentar a diversão, as previsões do tempo sugerem que há uma grande chance de chuva na sexta-feira, o que tornará ainda mais difícil fazer essas escolhas cruciais no resto do fim de semana, já que o downforce extra tem um apelo óbvio em condições de chuva.

"A maior preocupação para nós é um TL1 molhado, o que acontece com frequência ao longo dos anos", disse o diretor de desempenho da Aston Martin, Tom McCullough. "Obviamente, estamos indo um pouco mais cedo este ano, antes da pausa de agosto."

"Você vai depender muito de suas ferramentas de simulação. Ainda estamos aprendendo com esses pneus, e você vai direto para um fim de semana em que se compromete com sua configuração de baixo combustível, alto combustível e molhado, tudo em uma única sessão em uma pista bastante singular."

O engenheiro-chefe de corrida da AlphaTauri, Jonathan Eddolls, ressalta que a equipe italiana tem uma tarefa mais difícil do que as outras, já que o recém-chegado Daniel Ricciardo ainda está aprendendo a pilotar o AT04.

"Acho que todos os fins de semana de sprint são mais desafiadores", diz ele. "Você precisa dar mais ênfase ao seu trabalho pré-evento e no simulador e se você tiver um bom simulador, poderá começar a correr."

"Obviamente, para Daniel, será um desafio maior. Ele ainda está aprendendo sobre o carro. Vamos para um nível de downforce muito diferente e para uma pista muito diferente, com pneus mais duros e temperaturas mais baixas."

"Acho que tentaremos deixar a configuração o mais próxima possível para começar e, depois, daremos a ele as voltas e ajustaremos o equilíbrio, provavelmente com o equilíbrio aerodinâmico durante o TL1."

Sergio Perez, Red Bull Racing RB18

Sergio Perez, Red Bull Racing RB18

Foto de: Mark Sutton / Motorsport Images

Eddolls reconhece que as equipes costumam adotar abordagens diferentes em relação aos níveis de arrasto e o que seus rivais fazem influencia suas próprias escolhas.

"Às vezes, o resultado ideal das simulações do seu carro pode ser diferente do de outra pessoa", diz ele. "E quando você acaba tendo um delta de velocidade máxima, às vezes precisa correr um pouco diferente do que você acha que é o ideal para a corrida, só para estar ao lado dos outros."

"Então, com certeza, a asa traseira será uma história. Temos novas asas a caminho, específicas para esse evento. Fazemos tudo o que podemos em termos de nosso trabalho de simulação, observando o ano passado. Nossa abordagem este ano é tentar chegar a uma solução ideal que funcione para nós, mas que nos coloque em sincronia com os outros."

"E então, se estivermos fora, teremos que mudar para a classificação, mas isso também nunca é simples."

Em teoria, a corrida sprint deve favorecer as equipes com as melhores ferramentas de simulação, o que inevitavelmente significa que os melhores de sempre devem estar mais bem preparados.

"Com certeza o formato é diferente", diz Fred Vasseur, chefe da Ferrari. "Mas, até agora, acho que nos saímos muito bem na corrida de velocidade quando você tem apenas um TL1 antes da qualificação, Baku e Spielberg foram muito bem."

"Espero que aconteça o mesmo em Spa. Acho que estamos bastante avançados, todas as equipes, com a simulação. Sabemos onde estamos."

Norris ironiza Hamilton e Pérez: passou do ponto?

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com debate se Red Bull de 2023 pode ser comparada à McLaren de 1988

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior Marcas de Vettel, Schumacher e cia: confira todos os recordes que Verstappen pode quebrar na F1 2023
Próximo artigo F1: O que de fato aconteceu com a Aston Martin que entrou em 'queda livre' na temporada

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil