Análise

F1: O que de fato aconteceu com a Aston Martin que entrou em 'queda livre' na temporada

Equipe entende que diferença para Red Bull diminuiu, mas outros esquadrões passaram a entrar na briga

Fernando Alonso, Aston Martin AMR23, battles with Sergio Perez, Red Bull Racing RB19

A Aston Martin foi a grande surpresa do início da temporada 2023 da Fórmula 1. Com um salto de desempenho surpreendente, a equipe chegou a conquistar cinco pódios em seis corridas disputadas com Fernando Alonso. Para um esquadrão que terminou em sétimo lugar na classificação em 2022, ela surgiu como a equipe mais próxima de incomodar a Red Bull.

Leia também:

Depois de ficar a frente da Mercedes na tabela até o GP da Espanha, a equipe de Silverstone agora se encontra 39 pontos atrás das Flechas de Prata, em terceiro lugar. Mas a falta de ritmo, além da estratégia questionável e da execução de paradas nos boxes por parte da Ferrari, aliviaram a pressão vinda de trás.

Em comparação com a temporada passada, a Aston ainda está superando as expectativas. Seu início fenomenal de campanha pegou o paddock e o público de surpresa. Apesar da queda relativa, se alguém da equipe tivesse recebido a oferta, no final de 2022, de uma sequência de 11 resultados de pontuação seguidos, isso teria sido considerado um sucesso absoluto.

Esperava-se que o GP da Hungria, no último fim de semana, tanto externa quanto internamente, tivesse interrompido qualquer queda nos resultados. Esperava-se que a natureza do circuito de baixa velocidade fosse adequada ao forte downforce e à aderência mecânica do AMR23, ao mesmo tempo em que atenuava suas deficiências de eficiência em linha reta. No entanto, Alonso ficou à frente de Lance Stroll, terminando em um modesto 9º e 10º lugar.

Alonso disse em Silverstone que a equipe precisava chegar às férias de verão antes de 'resetar'. Em Budapeste, ele acrescentou que a Aston agora era apenas a quinta mais rápida. O bicampeão observou: "É difícil para nós entender um pouco melhor o que o carro está fazendo agora em comparação com o início da temporada, quantas atualizações trouxemos em comparação com nossos principais concorrentes e, em seguida, entender melhor os novos pneus. Eles são os mesmos para todos, então só precisamos fazer um trabalho melhor."

No entanto, seus chefes estão longe de entrar em pânico. Eles também rejeitam sua sugestão de que a construção mais robusta dos pneus Pirelli introduzida para o GP da Inglaterra tenha prejudicado particularmente a Aston e a Red Bull. O diretor de desempenho Tom McCullough confirma que "não há grandes mudanças".

Fernando Alonso, Aston Martin AMR23, leaves his pit box after a stop

Fernando Alonso, Aston Martin AMR23, deixa o box após uma parada

Foto de: Glenn Dunbar / Motorsport Images

Em vez disso, os chefes de equipe apontam para a atual competitividade da categoria para explicar a queda. Eles insistem que a Aston não está se afastando de forma alguma. De fato, ela pode estar mais próxima da Red Bull do que no início da temporada. No entanto, os diferentes cronogramas entre as equipes que introduzem pacotes de atualização significam que agora há mais carros para preencher esse delta em relação aos RB19s.

O diretor da equipe, Mike Krack, explica: "Se você observar a diferença que temos para a primeira fila [na Hungria], essa diferença não aumentou. Na verdade, ela é menor do que era. Com a diferença que tínhamos, algumas corridas atrás você estava se classificando em P4 ou P3. Agora, só dá para chegar em oitavo, o que mostra a densidade do desempenho no momento."

"Com a densidade do grid hoje em dia, [qualquer erro] custa algumas posições... Depende muito de você fazer tudo 100%."

Seus comentários se somam ao fato de Alonso ter perdido tempo em duas curvas durante o Q3 na Hungria, uma sessão em que os 10 primeiros colocados ficaram separados por apenas 0s577. O espanhol ficou em oitavo, mas se tivesse juntado seus três setores mais rápidos da sessão de treinos, teria ficado em quinto.

Para justificar o caso de Krack, na abertura da temporada no Bahrein,  Max Verstappen fez uma volta 0s014 abaixo do seu tempo ideal no Q3 para garantir a pole. Alonso ficou 0s064 abaixo do seu tempo e largou em quinto. A diferença teórica entre os dois foi de 0s578s.

No último fim de semana na Hungria, Verstappen perdeu tempo durante o primeiro e o último setores de sua segunda volta no Q3. Se ele tivesse acertado sua volta, teria tirado a pole de Lewis Hamilton por 0s236, em vez de perdê-la para a Mercedes por 0s003. Se Alonso tivesse aperfeiçoado sua volta, teria ficado a 0s56s de Verstappen. Portanto, como sugere o chefe da equipe, a Aston não perdeu terreno para a Red Bull para explicar sua queda nos resultados.

Ao deixar tempo na mesa, ela permitiu que as McLarens melhoradas e a surpreendente exibição de ambas as Alfa Romeos colocassem Alonso de volta em uma posição não representativa no grid. Para enfatizar ainda mais a proximidade entre todos os competidores, reforçada pelo formato de alocação alternativa de pneus testado pela primeira vez no último fim de semana, George Russell foi apenas o 18º colocado. Sergio Pérez ficou em nono.

Krack's view that Aston is no further away from Red Bull, but the gap is now filled by cars boosted by upgrades, holds up in the data

A opinião de Krack de que a Aston não está mais distante da Red Bull, mas a lacuna agora é preenchida por carros impulsionados por atualizações, se confirma nos dados

Foto de: Zak Mauger / Motorsport Images

Também se pode argumentar que os limites mais estreitos de Hungaroring, a decisão da maioria dos pilotos de colocar pneus duros na corrida e embarcar em uma tarde de economia de pneus e busca de ar limpo, além da segunda zona DRS na Curva 1, que permitiu que os carros ultrapassados não revidassem, limitaram a capacidade de recuperação de Alonso no domingo.

A Aston tem atualizações em andamento. McCullough confirma antes de Spa: "Temos atualizações para a maioria das corridas que estão por vir - como outras pessoas terão, tenho certeza. A diferença para a Red Bull pode diminuir. Se os pilotos executarem seus finais de semana com perfeição, mais pódios podem surgir."

Krack conclui: "A corrida de desenvolvimento está acontecendo de forma constante. Você precisa acompanhar. Precisamos estar cientes de que algumas equipes também fizeram um bom trabalho nesse meio tempo. A McLaren fez um trabalho extremamente bom com suas atualizações. Cabe a nós também tentar alcançá-los novamente."

"Isso é típico da F1. É preciso ter humildade e ser realista em relação ao ponto em que estamos. Não ficar desapontado ou empolgado."

Norris ironiza Hamilton e Pérez: passou do ponto?

Quer fazer parte de um seleto grupo de amantes de corridas, associado ao maior grupo de comunicação de esporte a motor do mundo? CLIQUE AQUI e confira o Clube de Membros do Motorsport.com no YouTube. Nele, você terá acesso a materiais inéditos e exclusivos, lives especiais, além de preferência de leitura de comentários durante nossos programas. Não perca, assine já!

Podcast Motorsport.com debate se Red Bull de 2023 pode ser comparada à McLaren de 1988

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

 

Faça parte da comunidade Motorsport

Join the conversation
Artigo anterior F1: Por que sprint na Bélgica representa um desafio para as equipes
Próximo artigo F1 - Pérez 'justifica' atuações na Red Bull: "90% dos pilotos afundariam com Max Verstappen"

Principais comentários

Cadastre-se gratuitamente

  • Tenha acesso rápido aos seus artigos favoritos

  • Gerencie alertas sobre as últimas notícias e pilotos favoritos

  • Faça sua voz ser ouvida com comentários em nossos artigos.

Motorsport prime

Descubra conteúdo premium
Assinar

Edição

Brasil Brasil