F1 relata lucro de R$ 470 milhões em 2021 e receita volta ao 'normal'

Com retorno do público nas arquibancadas, categoria vê volta de receita ao patamar pré-pandemia

F1 relata lucro de R$ 470 milhões em 2021 e receita volta ao 'normal'
Carregar reprodutor de áudio

A recuperação financeira da Fórmula 1 em 2021 se refletiu no crescimento de sua receita, quase dobrando em comparação à temporada anterior. Os números da organização sofreram um grande impacto em 2020 com a pandemia e 17 corridas realizadas – a maioria delas sem espectadores.

A receita geral caiu de US$ 2,022 bilhões em 2019 para apenas US$ 1,145 bilhão em 2020.

Leia também:

No entanto, em 2021, apesar do impacto contínuo da Covid, 22 corridas ocorreram, e com muitas delas vendo o retorno dos espectadores. A receita da F1 se recuperou para US$ 2.136 bilhões.

A receita da F1 também foi impulsionada por um pagamento relacionado ao cancelamento do contrato do GP do Vietnã, evento que deveria ser realizado pela primeira vez em 2020.

Os pagamentos às equipes tiveram uma recuperação impressionante. De US$ 1,012 bilhão em 2019, eles caíram para ‘apenas’ US$ 711 milhões em 2020 e voltaram para US$ 1,068 bilhão em 2021.

Explicando o aumento na renda, a Liberty Media deixou claro que o retorno dos fãs foi o principal fator determinante em 2021.

“A participação dos fãs continuou a ser avaliada pelas autoridades governamentais relevantes corrida a corrida ao longo do ano, com restrições diminuindo à medida que o ano avançava e participação de fãs significativamente maior a partir do terceiro trimestre de 2021 em comparação com o ano anterior”, diz o comunicado.

“A receita da promoção de corridas cresceu devido a mais cinco eventos realizados em 2021, incluindo mais corridas não europeias, algumas das quais viram o retorno das multidões.”

Embora o Vietnã não tenha sido citado, a Liberty também observou: “A receita de promoção da corrida para o ano inteiro também se beneficiou de um acordo único reconhecido no primeiro trimestre, relacionado ao cancelamento de uma corrida originalmente programada para começar em 2020”.

Lewis Hamilton, Mercedes W12, Valtteri Bottas, Mercedes W12, Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B, Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, Charles Leclerc, Ferrari SF21, and the rest of the field at the start

Lewis Hamilton, Mercedes W12, Valtteri Bottas, Mercedes W12, Max Verstappen, Red Bull Racing RB16B, Sergio Perez, Red Bull Racing RB16B, Charles Leclerc, Ferrari SF21, and the rest of the field at the start

Photo by: Jerry Andre / Motorsport Images

A Liberty enfatizou que, além de ganhar mais com os acordos, a receita da F1 com transmissão e patrocínios também aumentou.

“A receita de direitos de mídia aumentou no ano inteiro, impulsionada por taxas de transmissão mais altas devido a termos aprimorados em certos acordos de transmissão novos e renovados, outros aumentos de taxas contratuais, forte crescimento na receita de assinaturas da F1 TV e o efeito no ano anterior.

“A receita de patrocínio aumentou devido à chegada de novos parceiros e ao impacto de mais corridas realizadas, bem como reduções relacionadas à pandemia na receita de patrocínio reconhecida no ano anterior.”

F1 2022: GUERRA na Ucrânia TRAZ CONSEQUÊNCIAS no paddock; SAIBA como foi o dia em BARCELONA

Assine o canal do Motorsport.com no YouTube

Os melhores vídeos sobre esporte a motor estão no canal do Motorsport.com. Inscreva-se já, dê o like ('joinha') nos vídeos e ative as notificações para ficar por dentro de tudo o que rola em duas ou quatro rodas.

Podcast #163 - Rico Penteado destrincha carros de 2022 da F1

 

ACOMPANHE NOSSO PODCAST GRATUITAMENTE:

compartilhar
comentários
F1: Com futuro incerto, Mazepin diz que foco neste momento é no que pode fazer
Artigo anterior

F1: Com futuro incerto, Mazepin diz que foco neste momento é no que pode fazer

Próximo artigo

F1: Pietro Fittipaldi será primeira opção na ausência de Mazepin, diz chefe da Haas

F1: Pietro Fittipaldi será primeira opção na ausência de Mazepin, diz chefe da Haas